Alexander Graham Bell - História

Alexander Graham Bell - História

Alexander Graham Bell

1847- 1922

Inventor

Alexander Bell nasceu em Edimburgo, Escócia, em 3 de março de 1847. Aos 12 anos, ele fez sua primeira invenção, a máquina de descasque para a fábrica de seus vizinhos. Bell, nós primeiro educamos em casa e não era um aluno particularmente bom. Eventualmente, graças ao seu avô, ele adquiriu o amor pela aprendizagem. Ele frequentou a Universidade de Edimburgo por um ano.

Após a morte de seu irmão por tuberculose, a família mudou-se para o Canadá, onde sua família comprou uma fazenda. Ele dividiu seu tempo entre ensinar e trabalhar em Boston e sua família no Canadá. Ele demonstrou seu primeiro telefone em 1875. Em 7 de março de 1876, o escritório de patentes dos Estados Unidos emitiu uma patente para Bell que cobria "o método e o aparelho para transmitir sons vocais ou outros sons telegraficamente, causando ondulações elétricas, semelhantes em forma às vibrações do ar que acompanha o dito vocal ou outro som ". O primeiro telefone comercial foi oferecido um ano depois. Bell também trabalhou nos primeiros projetos de aeronaves, mas nenhum de seus outros esforços igualou o profundo impacto do telefone.


Alexander Graham Bell

Alexander Graham Bell é mais conhecido por ter inventado o telefone. Ele veio para os EUA como professor de surdos e concebeu a ideia da "fala eletrônica" ao visitar sua mãe com deficiência auditiva no Canadá. Isso o levou a inventar o microfone e mais tarde a "máquina elétrica da fala" - seu nome para o primeiro telefone.

Bell nasceu em Edimburgo, Escócia, em 3 de março de 1847. Matriculou-se na Universidade de Londres para estudar anatomia e fisiologia, mas seu tempo na faculdade foi encurtado quando sua família se mudou para o Canadá em 1870. Seus pais haviam perdido dois filhos devido à tuberculose , e eles insistiram que a melhor maneira de salvar seu último filho era deixando a Inglaterra.

Quando tinha onze anos, Bell inventou uma máquina que podia limpar o trigo. Mais tarde, ele disse que, se tivesse entendido a eletricidade, ficaria desanimado demais para inventar o telefone. Todos os outros "sabiam" que era impossível enviar sinais de voz por um fio.

Enquanto tentava aperfeiçoar um método para transportar várias mensagens em um único fio, ele ouviu o som de uma mola puxada ao longo de 18 metros de fio em uma oficina elétrica de Boston. Thomas A. Watson, um dos assistentes de Bell, estava tentando reativar um transmissor telegráfico. Ao ouvir o som, Bell acreditou que poderia resolver o problema de enviar uma voz humana por um fio. Ele descobriu como transmitir uma corrente simples primeiro e recebeu uma patente para aquela invenção em 7 de março de 1876. Cinco dias depois, ele transmitiu o discurso real. Sentado em uma sala, ele falou ao telefone com seu assistente em outra sala, dizendo as palavras agora famosas: "Sr. Watson, venha aqui. Eu preciso de você." A patente do telefone é uma das patentes mais valiosas já emitidas.

Bell também teve outras invenções - sua própria casa teve um precursor do ar condicionado moderno, ele contribuiu para a tecnologia da aviação e sua última patente, aos 75 anos, foi para o hidrofólio mais rápido já inventado.

A Bell estava comprometida com o avanço da ciência e tecnologia. Como tal, ele assumiu a presidência de uma pequena, quase inédita, sociedade científica em 1898: a National Geographic Society. Bell e seu genro, Gilbert Grosvenor, pegaram o diário seco da sociedade e adicionaram belas fotos e textos interessantes - transformando Geografia nacional em uma das revistas mais conhecidas do mundo. Ele também é um dos fundadores da Ciência revista.

Bell morreu em 2 de agosto de 1922. No dia de seu enterro, todo o serviço telefônico nos Estados Unidos foi interrompido por um minuto em sua homenagem.


Alexander Graham Bell (1847 - 1922)

Alexander Graham Bell © Bell foi um cientista e inventor americano nascido na Escócia, mais famoso por seu trabalho pioneiro no desenvolvimento do telefone.

Alexander Graham Bell nasceu em 3 de março de 1847 em Edimburgo e foi educado lá e em Londres. Seu pai e seu avô eram autoridades em elocução e, aos 16 anos, o próprio Bell começou a pesquisar a mecânica da fala. Em 1870, Bell emigrou com sua família para o Canadá e, no ano seguinte, mudou-se para os Estados Unidos para lecionar. Lá ele foi o pioneiro de um sistema chamado fala visível, desenvolvido por seu pai, para ensinar crianças surdas-mudas. Em 1872, Bell fundou uma escola em Boston para treinar professores de surdos. A escola posteriormente tornou-se parte da Universidade de Boston, onde Bell foi nomeado professor de fisiologia vocal em 1873. Ele se naturalizou cidadão americano em 1882.

Bell há muito era fascinado pela ideia de transmitir voz e, em 1875, surgiu com um receptor simples que podia transformar eletricidade em som. Outros estavam trabalhando na mesma linha, incluindo o ítalo-americano Antonio Meucci, e o debate continua sobre quem deveria ser o responsável pela invenção do telefone. No entanto, a Bell obteve uma patente para o telefone em 7 de março de 1876 e ela se desenvolveu rapidamente. Em um ano, a primeira central telefônica foi construída em Connecticut e a Bell Telephone Company foi criada em 1877, com Bell sendo o proprietário de um terço das ações, tornando-o rapidamente um homem rico.

Em 1880, Bell recebeu o Prêmio Volta francês por sua invenção e, com o dinheiro, fundou o Laboratório Volta em Washington, onde continuou experimentos em comunicação, pesquisa médica e técnicas de ensino da fala para surdos, trabalhando com Helen Keller entre outros. Em 1885 ele adquiriu um terreno na Nova Escócia e estabeleceu uma casa de verão lá, onde continuou seus experimentos, principalmente no campo da aviação.

Em 1888, Bell foi um dos membros fundadores da National Geographic Society e serviu como seu presidente de 1896 a 1904, ajudando também a estabelecer seu jornal.


Uma (chocantemente) curta história do 'Hello'

O que você diz quando atende o telefone?
Você diz "olá", é claro.
O que você diz quando alguém apresenta um amigo, um parente, qualquer pessoa?
Você diz "olá".
Olá deve ter sido a saudação padrão em inglês desde que os ingleses começaram a cumprimentar, não?

Bem, aqui está uma surpresa de Ammon Shea, autor de A primeira lista telefônica: Olá é uma palavra nova.

O Oxford English Dictionary diz que o primeiro uso publicado de "hello" data apenas de 1827. E não era principalmente uma saudação naquela época. Ammon diz que as pessoas na década de 1830 diziam olá para atrair a atenção ("Olá, o que você pensa que está fazendo?") Ou para expressar surpresa ("Olá, o que temos aqui?"). Olá não se tornou "oi" até o telefone chegar.

O dicionário diz que foi Thomas Edison quem colocou o olá em uso comum. Ele instou as pessoas que usaram seu telefone a dizer "olá" ao atender. Seu rival, Alexander Graham Bell, achava que a palavra melhor era "ahoy".

"Ahoy", ao que parece, já existia há mais tempo - pelo menos 100 anos a mais - do que olá. Também era uma saudação, embora náutica, derivada do holandês "hoi", que significa "olá". Bell tinha uma opinião tão forte sobre "ahoy" que o usou pelo resto de sua vida.

E assim, a propósito, faz o totalmente fictício "Monty" Burns, o malvado proprietário da Usina Nuclear de Springfield em Os Simpsons. Se você assistir ao programa, deve ter notado que o Sr. Burns atende regularmente seu telefone "Ahoy-hoy", uma moeda do Dicionário Urbano diz que é apropriadamente usado "para saudar ou chamar a atenção de um pequeno navio de costa equipado com saveiro". O Sr. Burns, aparentemente, não foi informado.

Por que o hello teve sucesso? Aamon aponta para a lista telefônica. As primeiras listas telefônicas incluíam seções autorizadas de Como fazer em suas primeiras páginas e "olá" era frequentemente a saudação oficialmente sancionada.

Na verdade, a primeira lista telefônica publicada pela District Telephone Company of New Haven, Connecticut, em 1878 (com 50 assinantes listados), dizia aos usuários para começarem suas conversas com "um 'hulloa' firme e alegre." adivinhar o "a" extra é silencioso.)

Seja qual for o motivo, hello passou por cima de tudo e nunca mais olhou para trás. O mesmo não pode ser dito sobre a forma recomendada da lista telefônica para Fim Uma conversa telefônica. A lista telefônica recomendava: "Isso é tudo."

Isso me parece uma maneira eminentemente mais honesta e direta de encerrar uma ligação do que um "adeus". "Adeus", "tchau" e todas as outras variantes são, em última análise, contrações da frase "Deus esteja com você" (ou "com você"). Não sei sobre você, mas realmente não quero dizer isso quando encerrar uma conversa. Suponho que poderia dizer "ciao" - o que tem um certo fundo etimológico de vir do italiano schiavo, que significa "Eu sou seu escravo", e não quero muito dizer isso também.

Quanto mais Amon pensava nisso, mais gostava de "Isso é tudo".

. Por várias décadas, o grande apresentador Walter Cronkite encerraria suas transmissões dizendo "E é assim que as coisas são", uma bela frase que tem quase tanta essência e verdade quanto "Isso é tudo". A jornalista de radiodifusão Linda Ellerbee tinha um método semelhante para encerrar seus segmentos de notícias, com o incisivo "E assim por diante". Essas são frases perfeitamente úteis, mas mesmo elas não têm a clareza e a utilidade de "Isso é tudo". Gostaria de ver o retorno de "Isso é tudo" no discurso coloquial, e resolvi tentar adotá-lo nas poucas conversas telefônicas que mantenho.

Bem, isso provavelmente não era justo ou mesmo bom, mas decidi ligar para Ammon Shea para ver se ele pratica o que prega. Ele atendeu seu telefone com um "olá" padrão e então, depois de obter permissão para citar seu livro, quando chegou a hora de encerrar nossa conversa, não dei nenhuma dica, nenhum incentivo, apenas esperei para ver como iria embora. esperando ouvi-lo fazer seu "isso é tudo". Mas não.

O novo livro de Ammon Shea (Perigee / Penguin 2010) é chamado A lista telefônica: a curiosa história do livro que todos usam, mas ninguém lê.

Nossas ilustrações vêm da caneta mágica de Adam Cole, estagiário do Science Desk da NPR, e se alguém quiser ligar para "Monty" Burns em Springfield, esteja preparado. É assim que ele atenderá o telefone.


Primeira fala transmitida por telefone

A primeira fala perceptível é transmitida por um sistema telefônico quando o inventor Alexander Graham Bell convoca seu assistente em outra sala dizendo: & # x201CMr. Watson, venha aqui e quero você. & # X201D Bell havia recebido uma patente completa de telefone apenas três dias antes.

Alexander Graham Bell, nascido em Edimburgo, Escócia, em 1847, era filho de Alexander Melville Bell, uma das principais autoridades em oratória e correção de fala. O jovem Bell foi treinado para assumir os negócios da família e, ainda adolescente, tornou-se professor de canto e começou a fazer experiências com sons. Em 1870, sua família mudou-se para Ontário, Canadá, e em 1871 Bell foi para Boston para demonstrar o método de ensino de fala para surdos de seu pai. No ano seguinte, ele abriu sua própria escola em Boston para treinar professores de surdos e, em 1873, tornou-se professor de fisiologia vocal na Universidade de Boston.

Em seu tempo livre, Bell experimentou ondas sonoras e se convenceu de que seria possível transmitir a fala por um sistema semelhante ao telégrafo. Ele contou com a ajuda de um talentoso mecânico, Thomas Watson, e juntos os dois passaram noites incontáveis ​​tentando converter as idéias de Bell & # x2019 em forma prática. Em 1875, enquanto trabalhava em seu telégrafo harmônico múltiplo, Bell desenvolveu as idéias básicas para o telefone. Ele projetou um dispositivo para transmitir vibrações de fala eletricamente entre dois receptores e, em junho de 1875, testou sua invenção. Nenhuma palavra inteligível foi transmitida, mas sons semelhantes à fala humana foram ouvidos na extremidade receptora.

Em 14 de fevereiro de 1876, ele entrou com um pedido de patente nos EUA para seu telefone. Poucas horas depois, outro inventor americano, Elisha Gray, entrou com uma advertência no Escritório de Patentes dos EUA sobre sua intenção de buscar uma patente semelhante para um transmissor e receptor de telefone. Bell registrou primeiro, então em 7 de março ele recebeu a patente norte-americana 174.465, que lhe concedeu a propriedade de seus instrumentos telefônicos e do conceito de um sistema telefônico.

Três dias depois, em 10 de março, Bell testou com sucesso seu telefone pela primeira vez em sua casa em Boston. Em maio, ele demonstrou publicamente a invenção na Academia Americana de Artes e Ciências em Boston e em junho na Exposição do Centenário na Filadélfia. Em outubro, ele testou com sucesso seu telefone em uma distância de três quilômetros entre Boston e Cambridgeport.

Alexander Graham Bell continuou seus experimentos em comunicação, inventando o fotofone, que transmitia a fala por raios de luz, e o grafofone, que gravava o som. Ele continuou a trabalhar com surdos, incluindo a educadora Helen Keller, e usou os royalties de suas invenções para financiar várias organizações dedicadas à educação oral de surdos. Mais tarde, ele serviu como presidente da National Geographic Society. Começando em 1895, ele experimentou a possibilidade de voar e construiu pipas gigantes e um hidrofólio. Ele morreu em 1922 em sua casa de verão e laboratório na Ilha de Cape Breton, Canadá.


Sobre 10 de março, 1876, Alexander Graham Bell conduziu uma experiência bem-sucedida com o telefone. Essa descoberta, durante a qual ele proferiu sua famosa diretiva a seu assistente, Thomas Watson, está registrada na entrada de 10 de março em seu Caderno de notas de laboratório de 1875-1876.

Naquele mesmo dia, um entusiasmado Bell escreveu a seu pai sobre seu & # 8220 grande sucesso & # 8221 e especulou que & # 8220 chegará o dia em que fios telegráficos serão colocados em casas como água e gás - e amigos conversam entre si sem sair casa. & # 8221

Nascido em 3 de março de 1847, em Edimburgo, Escócia, Alexander Graham Bell era filho e neto de autoridades em elocução e correção de discurso. Educado para seguir carreira na mesma especialidade, seu conhecimento da natureza do som o levou não apenas a ensinar surdos, mas também a inventar o telefone.

Alexander Graham Bell na abertura da linha interurbana de Nova York a Chicago [18 de outubro de 1892]. Gilbert H. Grosvenor Coleção de Fotografias da Família Alexander Graham Bell. Divisão de impressões e fotografias.

A incessante curiosidade científica de Bell & # 8217s levou à invenção do fotofone, a melhorias comerciais significativas no fonógrafo Thomas Edison & # 8217s e ao desenvolvimento de sua própria máquina voadora apenas seis anos depois que os irmãos Wright lançaram seu avião em Kitty Hawk. Enquanto o presidente James Garfield morria devido a uma bala do assassino em 1881, Bell inventou apressadamente um detector de metais em uma tentativa malsucedida de localizar a bala fatal.

Em 1915, 54 anos depois que as linhas telegráficas conectaram as costas da América & # 8217, as linhas telefônicas transcontinentais foram concluídas. Convidado a desempenhar um papel na dedicação formal da linha em Nova York, Bell usou uma duplicata de seu telefone de 1876 para falar com seu ex-assistente, Thomas Watson, em San Francisco. Ecoando suas famosas palavras de 10 de março, 1876, Bell novamente comandou, & # 8220Mr. Watson, venha aqui, eu quero você. & # 8221 Watson respondeu que demoraria uma semana para fazer isso.


"Sr. Bell, você vai ao Centenário? ” podem ter sido as palavras que a história lembrou como as primeiras faladas pelo telefone magneto da Bell que se tornaria comercializado em menos de um ano. Em vez disso, lembramos das palavras: “Sr. Watson - Venha aqui - eu quero ver você ”, que Bell falou dois meses antes usando um transmissor experimental que era impraticável e nunca mais usado. O telefone magneto que Bell mais tarde demonstrou na Exposição do Centenário em junho de 1876 ainda tinha uma falha em seu design, no entanto, que não seria corrigida por mais seis meses. O telefone aprimorado foi testado em dezembro de 1876, usava o mesmo instrumento para um transmissor e um receptor, tinha um alcance de mais de 100 mi e não usava baterias. Essa conquista foi o culminar de um processo de invenção que Bell havia iniciado pelo menos quatro anos antes.

Na década de 1870, a eletricidade era uma tecnologia de ponta. Como a Internet de hoje, atraiu jovens brilhantes, como Bell e Watson, que tinham apenas 29 e 22 anos, respectivamente, em 1876. A eletricidade ofereceu a oportunidade de criar invenções que poderiam levar à fama e fortuna.

Embora Bell só recentemente tivesse dominado a eletricidade, desde a juventude era um especialista em som e fala. Nascido e criado em Edimburgo, Escócia, Bell era filho de Eliza e Alexander Melville Bell, um professor de elocução que desenvolveu uma técnica chamada fala visível, um conjunto de símbolos que representava os sons da fala. O velho Bell usou a técnica para ensinar surdos a falar.

Em 1863, Bell assumiu o primeiro de muitos empregos como professor de fala e música na Escócia. Ensinando durante o dia, ele conduziu experimentos à noite no tom de sons vocálicos usando diapasões. Ele também se interessou em construir uma máquina para produzir sons vocálicos eletronicamente. Ele tentou aprender sozinho sobre eletricidade, ficando especialmente fascinado pelo campo crescente do telégrafo.

O jovem Graham seguiu os passos de seu pai e, quando tinha 20 anos, estava ensinando linguagem visível em Londres. Em 1870, depois que os dois irmãos de Bell morreram de tuberculose, ele imigrou com seus pais para o Canadá. No ano seguinte, Bell mudou-se para Boston para dar palestras sobre a fala visível e ensinar surdos. Em 1872, ele se tornou professor de elocução na Universidade de Boston, onde treinou professores de surdos e deu aulas particulares.

Entre esses alunos estavam o filho de Thomas Sander, George, e a filha de Gardiner Hubbard, Mabel. Bell impressionou os dois homens com seu conhecimento sobre eletricidade e, em 1874, eles concordaram em pagar suas despesas de pesquisa em troca de uma parte em qualquer invenção que Bell pudesse fazer. Ele aprendeu como o ouvido humano transforma as ondas sonoras em sons reais e tentou inventar um dispositivo para registrar o aumento e a diminuição da voz na fala. Ele acreditava que seria possível enviar um discurso por um fio eletrificado. Quando Thomas Watson entrou na vida de Bell como um eletricista habilidoso que podia fazer dispositivos para inventores, Bell ficou tão obcecado com a transmissão elétrica de som que desistiu de seu emprego de professor para se dedicar completamente ao projeto.

Já existia uma grande indústria elétrica - o telégrafo, cujos fios cruzavam não só o continente, mas também o oceano Atlântico. A necessidade de mais inovações, como uma forma de enviar várias mensagens em um único fio telegráfico, era bem conhecida e prometia certas recompensas. Mas outras idéias, como um telégrafo para a voz humana, eram muito mais especulativas. Em 1872, Bell estava trabalhando tanto na transmissão de voz quanto em um “telégrafo harmônico” que transmitia várias mensagens usando tons musicais de várias frequências.

O telégrafo transmitia informações por meio de uma corrente intermitente. Um sinal elétrico estava presente ou ausente, formando o outrora familiar staccato do código Morse. Mas Bell sabia que os sons da fala eram ondas complexas e contínuas. No verão de 1874, enquanto visitava seus pais em Brantford, Ontário, Bell teve um insight intelectual importante: para transmitir a voz eletricamente, era necessário o que ele chamou de “corrente ondulante induzida”. Ou, em termos do século 21, o que era necessário não era um sinal digital, mas sim analógico.

Bell ainda precisava provar sua ideia com um dispositivo real. Ele lutou para encontrar tempo para desenvolvê-lo entre as demandas concorrentes, incluindo seus deveres de ensino e seus esforços - impulsionados por Hubbard - para aperfeiçoar um telégrafo múltiplo. Como Bell estava se apaixonando pela filha de Hubbard, Mabel, ele sentiu que não poderia ignorar os desejos do homem mais velho.

Em 1º de julho de 1875, Bell conseguiu transmitir sons da fala, embora sons ininteligíveis. Com base nisso, ele começou no outono a redigir especificações de patente para "uma melhoria na telegrafia", Hubbard entrou com o pedido de patente de Bell na manhã de 14 de fevereiro de 1876.

Há uma história bem conhecida de que Bell venceu outro inventor, Elisha Gray, no escritório de patentes por algumas horas. Embora seja verdade, não é toda a história. Bell entrou com um pedido de patente, uma reivindicação que diz, em essência, “Eu inventei”. Gray, por outro lado, apresentou uma ressalva, um documento usado na época para alegar “Estou trabalhando na invenção”. A prioridade na lei de patentes americana segue a data de invenção, não a data de depósito. O Escritório de Patentes dos EUA emitiu a patente nº 174.465 para Bell em 7 de março de 1876. Embora as batalhas judiciais sobre suas patentes de telefone durassem dezoito anos, todos os casos foram resolvidos em seu favor.

Bell voltou a Boston e começou uma grande variedade de experimentos, incluindo um com um fio que era preso a uma membrana em uma extremidade e mergulhado em ácido na outra. Este foi o transmissor de líquido do qual Watson ouviu a voz de Bell em 10 de março de 1876. No final de abril, Hubbard reclamou que Bell não aperfeiçoaria nada enquanto estivesse voando de um lugar para outro. Bell, portanto, voltou a testar seu projeto de magneto original e teve sucesso em 22 de maio. O telefone magnético de Bell foi posteriormente demonstrado na Exposição do Centenário.

Bell anunciou sua descoberta, primeiro em palestras para cientistas de Boston e depois na Exposição do Centenário de 1876 na Filadélfia. Ele foi amplamente ignorado até que o imperador brasileiro Dom Pedro II atraiu a atenção para ele ao ouvir Bell recitar Shakespeare ao telefone. O imperador exclamou: “Meu Deus! Fala! ” e o eminente físico britânico William Thomson recebeu a notícia da descoberta do outro lado do oceano e a proclamou "a maior de todas as maravilhas do telégrafo elétrico".

Usando telefones magnéticos, Watson e Bell falavam um com o outro por meio de fios telegráficos alugados em pontos cada vez mais distantes. Tentando ganhar algum dinheiro rápido, Bell ofereceu à Western Union os direitos de patente do telefone por US $ 100.000. A empresa de telégrafo tinha uma rede nacional de fios instalada e poderia naturalmente ter se ramificado. Contente com seu monopólio telegráfico, a Western Union recusou a oferta da Bell e perdeu a chance de monopolizar outra indústria lucrativa.

No verão de 1877, o telefone se tornou um negócio. As primeiras linhas privadas, que normalmente conectavam a casa de um empresário e seu escritório, foram colocadas em serviço. A primeira mesa telefônica comercial foi aberta no ano seguinte em New Haven.

Bell tinha pouco interesse em ser empresário. Em julho de 1877, ele se casou com Mabel Hubbard e partiu para o que foi uma longa lua de mel na Inglaterra. Ele deixou a crescente Bell Telephone Company para Hubbard e Sanders, e seguiu para uma carreira longa e produtiva como pesquisador e inventor independente. Em 1880, ele inventou e patenteou o fotofone, que transmitia vozes por meio de feixes de luz. Ele também estudou criação de ovelhas, submarinos e esteve logo atrás dos irmãos Wright na busca de vôo tripulado. Em Paris, em 1880, ele recebeu o Prêmio Volta por realizações científicas. Com o dinheiro do prêmio, ele fundou um laboratório de pesquisa nos Estados Unidos que trabalhou em projetos que incluíam detectores de metal, melhorias de fonógrafo e centrais telefônicas automáticas. O decibel, a unidade para medir a força de qualquer tipo de som, recebeu o nome de Bell.

Bell sabia da importância de promover a profissão. Ele participou da reunião organizacional do Instituto Americano de Engenheiros Elétricos (sociedade predecessora do IEEE) em maio de 1884, onde foi eleito um dos seis vice-presidentes fundadores. E em 1891-92, ele serviu como presidente da AIEE.

Bell também ficou de olho no progresso de sua invenção. Em 1892, ele fez a chamada cerimonial para abrir o serviço telefônico de longa distância entre Nova York e Chicago, e em 1915, a chamada para abrir o serviço entre Nova York e São Francisco. Para esta ocasião, Bell estava em Nova York e seu antigo assistente Watson estava na Califórnia. A pedido de um participante, Bell repetiu as primeiras palavras transmitidas eletricamente: “Sr. Watson - Venha aqui - eu quero ver você. ” Ao que Watson respondeu de todo o continente: “Bem, agora demoraria uma semana”. Em 1914, Bell recebeu a Medalha Edison "Por conquistas meritórias na invenção do telefone".

Os lucros da Bell Company eventualmente tornaram a Bell muito rica. Depois de 1892, a família Bell viveu em Washington, D.C. e na Nova Escócia. Bell nunca parou de experimentar e inventar. Ele conduziu experimentos com máquinas voadoras e se tornou um porta-voz proeminente do método oral de ensino de surdos a falar e ler lábios, um método que ele desenvolveu e que ainda é usado hoje, embora continue controverso. Embora não estivesse envolvido nas operações diárias da crescente indústria de telefonia, ele continuou interessado no desenvolvimento da tecnologia.

Alexander Graham Bell morreu em sua casa de verão em Baddeck, Nova Escócia, em 2 de agosto de 1922. Durante seu funeral, dois dias depois, todos os telefones nos Estados Unidos e no Canadá ficaram em silêncio por um minuto em homenagem a Bell.


Início de carreira

O jovem Alexander foi preparado desde muito jovem para continuar nos negócios da família, mas sua natureza obstinada entrava em conflito com os modos autoritários de seu pai. Procurando uma saída, Alexander se ofereceu para cuidar de seu avô quando ele adoeceu em 1862. & # XA0

O Bell mais velho encorajou o jovem Alexander e instilou uma apreciação pelo aprendizado e atividades intelectuais. Aos 16 anos, Alexander juntou-se ao pai em seu trabalho com os surdos e logo assumiu o comando total das operações de seu pai em Londres.

Em uma de suas viagens para a América do Norte, o pai de Alexander decidiu que era um ambiente mais saudável e decidiu se mudar com a família para lá. No início, Alexandre resistiu, pois estava se estabelecendo em Londres. Ele acabou cedendo depois que seus dois irmãos morreram de tuberculose. & # XA0

Em 1870, a família se estabeleceu em Brantford, Ontário, Canadá. Lá, Alexander montou uma oficina para continuar seu estudo da voz humana.

Em 11 de julho de 1877, Bell se casou com Mable Hubbard, um ex-aluno e filha de Gardiner Hubbard, um de seus primeiros financiadores. Mable & # xA0 era surda desde a primeira infância.


Assinatura, Alexander Graham Bell e o NAD

A maioria dos americanos conhece Alexander Graham Bell como o inventor do telefone, mas poucos sabem que o interesse central de sua vida era a educação de surdos ou que ele foi um dos mais proeminentes defensores do oralismo nos Estados Unidos. Como seu pai antes dele, Bell passou a vida estudando a fisiologia da fala, uma vez disse que & ldquoto perguntar o valor da palavra é como perguntar o valor da vida. & Rdquo Depois de emigrar da Inglaterra para o Canadá em 1870 e para os Estados Unidos um ano depois , Bell começou a ensinar a fala para alunos surdos usando um alfabeto universal inventado por seu pai, chamado "Fala visível". Em 1872, ele abriu uma escola em Boston para treinar professores de crianças surdas.

O segundo principal interesse de Bell & rsquos era o estudo da hereditariedade e da criação de animais, e ele se tornou um dos primeiros a apoiar o movimento de eugenia para melhorar a criação humana. Bell não foi tão longe a ponto de defender controles sociais sobre a reprodução, como fizeram muitos eugenistas. Ele, no entanto, condenou a imigração para os Estados Unidos do que chamou de "elementos étnicos indesejáveis", pedindo legislação para impedir sua entrada a fim de encorajar a & ldquoevolução de um tipo de homem mais elevado e nobre na América. & Rdquo Suas opiniões sobre a imigração. , educação de surdos e eugenia se sobrepuseram e se entrelaçaram. Ele descreveu a língua de sinais como "essencialmente uma língua estrangeira" e argumentou que "em um país de língua inglesa como os Estados Unidos, a língua inglesa, e o idioma inglês sozinho, deve ser usado como meio de comunicação e instrução, pelo menos em escolas mantidas com despesas públicas. & rdquo Ele afirmou que o uso de linguagem de sinais & ldquo em nossas escolas públicas é contrário ao espírito e à prática das instituições americanas (como os imigrantes estrangeiros descobriram ). & rdquo

“Acho que o maior crime de Alexander Graham Bell & rsquos foi manter os surdos separados uns dos outros. Não era tanto que ele pensasse que falar era importante. Pior do que isso era que ele não queria que surdos se casassem. Ele não queria que eles ficassem perto um do outro. Ele queria que eles se separassem. & Rdquo

Em 1884, Bell publicou um artigo "Sobre a Formação de uma Variedade Surda da Raça Humana", no qual alertava sobre uma "grande calamidade" que enfrentava a nação: os surdos estavam formando clubes, socializando-se e, conseqüentemente, casando-se com outros surdos . A criação de uma & ldquodeaf raça & rdquo que a cada ano se tornaria maior e mais isolada estava em andamento. Bell observou que o & ldquoa linguagem especial adaptada para o uso dessa raça & rdquo já existia, & ldquoa tão diferente do inglês quanto o francês, o alemão ou o russo. & Rdquo Alguns eugenistas pediram uma legislação proibindo os casamentos mistos de surdos, mas Bell rejeitou tal proibição tão pouco prático. Em vez disso, ele propôs as seguintes etapas: & ldquo(1) Determinar as causas que promovem casamentos entre surdos e mudos e (2) removê-los. As causas que ele procurou remover foram a linguagem de sinais, professores surdos e escolas residenciais. Sua solução foi a criação de escolas diurnas especiais, ministradas por professores ouvintes, que imporiam a proibição da linguagem de sinais.

À medida que o oralismo se tornou o método dominante de instrução nas escolas para alunos surdos, a Associação Nacional de Surdos e outras organizações comunitárias passaram a defender a linguagem de sinais na sala de aula. Eles a chamaram de "linguagem quonatural dos surdos" e argumentaram que confiar apenas na comunicação oral seria educacionalmente desastroso para a maioria dos alunos surdos. Eles levaram o debate a jornais da comunidade surda, a revistas de educação, a convenções de professores e a qualquer fórum acessível a eles. A Associação Nacional de Surdos iniciou a produção de uma série de filmes, em 1910, sob a direção de seu presidente, George Veditz. O NAD arrecadou US $ 5.000 para fazer dezoito filmes. O medo e a esperança que animaram o projeto era que a eliminação da língua de sinais e dos professores surdos nas escolas levasse à deterioração de sua amada linguagem e a esperança era que a nova tecnologia do cinema pudesse preservar exemplos dos & ldquomasters de nosso signo idioma & rdquo para as gerações futuras. A própria contribuição de Veditz para a série de filmes, um apelo apaixonado por "A preservação da língua de sinais" denunciou os danos causados ​​pelos "profetas". Esses filmes nos fornecem um primeiro vislumbre da linguagem que os surdos americanos criaram.

& ldquoA sociedade em geral vê Alexander Graham Bell como um herói americano, como o inventor do telefone. Ele era famoso, rico e influente. Sua própria mãe era surda. Ele sempre esteve associado à comunidade de surdos e foi professor de crianças surdas. Ele tinha sua própria escola em Boston. Ele estava muito familiarizado com o mundo surdo. & Rdquo

CITAÇÃO DE FILME HISTÓRICO:
& ldquoNós surdos americanos agora enfrentamos tempos ruins para nossas escolas. False prophets are now appearing, announcing to the public that our American means of teaching the deaf are all wrong. These men have tried to educate the public and make them believe that the oral method is really the one best means of educating the deaf. But we American deaf know, the French deaf know, the German deaf know that in truth, the oral method is the worst. A new race of pharaohs that knew not Joseph is taking over the land and many of our American schools. They do not understand signs for they cannot sign. They proclaim that signs are worthless and of no help to the deaf. Enemies of the sign language, they are enemies of the true welfare of the deaf. We must use our films to pass on the beauty of the signs we have now. As long as we have deaf people on earth, we will have signs. And as long as we have our films, we can preserve signs in their old purity. It is my hope that we will all love and guard our beautiful sign language as the noblest gift God has given to deaf people.&rdquoGeorge W. Veditz, &ldquoThe Preservation of the Sign Language,&rdquo 1913, (translated from ASL by Carol Padden and Eric Malzkuhn)

Copyright © 2007 WETA. Todos os direitos reservados. Published March 2007
PBS Privacy Policy | Créditos do site


Today in History: Born on June 21

William Sydney Smith, British seaman during the Napoleonic Wars.

Henry Ossawa Tanner, African-American painter.

Arnold Lucius Gesell, psychologist and pediatrician.

Rockwell Kent, artist, book illustrator.

Reinhold Niebuhr, Protestant theologian.

Jean-Paul Sartre, French philosopher and existentialist.

Albert Hirschfeld, illustrator.

Mary McCarthy, American novelist (Memories of Catholic Girlhood, The Group).


Alexander Graham Bell

Alexander Graham Bell is most well known for inventing the telephone. He came to the U.S as a teacher of the deaf, and conceived the idea of "electronic speech" while visiting his hearing-impaired mother in Canada. This led him to invent the microphone and later the "electrical speech machine" -- his name for the first telephone.

Bell was born in Edinburgh, Scotland on March 3, 1847. He enrolled in the University of London to study anatomy and physiology, but his college time was cut short when his family moved to Canada in 1870. His parents had lost two children to tuberculosis, and they insisted that the best way to save their last child was to leave England.

When he was eleven, Bell invented a machine that could clean wheat. He later said that if he had understood electricity at all, he would have been too discouraged to invent the telephone. Everyone else "knew" it was impossible to send voice signals over a wire.

While trying to perfect a method for carrying multiple messages on a single wire, he heard the sound of a plucked spring along 60 feet of wire in a Boston electrical shop. Thomas A. Watson, one of Bell's assistants, was trying to reactivate a telegraph transmitter. Hearing the sound, Bell believed that he could solve the problem of sending a human voice over a wire. He figured out how to transmit a simple current first, and received a patent for that invention on March 7, 1876. Five days later, he transmitted actual speech. Sitting in one room, he spoke into the phone to his assistant in another room, saying the now famous words: "Mr. Watson, come here. I need you." The telephone patent is one of the most valuable patents ever issued.

Bell had other inventions as well -- his own home had a precursor to modern day air conditioning, he contributed to aviation technology, and his last patent, at the age of 75, was for the fastest hydrofoil yet invented.

Bell was committed to the advancement of science and technology. As such he took over the presidency of a small, almost unheard-of, scientific society in 1898: the National Geographic Society. Bell and his son-in-law, Gilbert Grosvenor, took the society's dry journal and added beautiful photographs and interesting writing -- turning Geografia nacional into one of the world's best-known magazines. He also is one of the founders of Ciência revista.

Bell died on August 2, 1922. On the day of his burial, all telephone service in the US was stopped for one minute in his honor.


Assista o vídeo: Protagonistas de la historia: Alexander Graham Bell Full Hd