Kirtimukha, Nepal

Kirtimukha, Nepal


Templo Budhanilkantha

Templo Budhanilkantha, localizado em Budhanilkantha, Nepal, (nepalês: बुढानिलकण्ठ मन्दिर tradução: Old Blue Throat) é um templo hindu ao ar livre dedicado ao Senhor Mahavishnu. O Templo Budhanilkantha está situado abaixo do Monte Shivapuri, no extremo norte do vale de Kathmandu. [1] e pode ser identificado por uma grande estátua reclinada do Senhor Mahavishnu. A estátua principal do templo de Budhanilkantha é considerada a maior escultura em pedra do Nepal. [2]


Conteúdo

A data absoluta da construção do templo de Pashupatinath ainda é incerta. No entanto, a forma atual deste templo foi construída em 1692 d.C. [5] Com o tempo, muitos outros templos foram construídos em torno deste templo de dois andares. Isso inclui o complexo do templo Vaishnava com um templo Rama do século 14 e o Templo Guhyeshwari mencionado em um manuscrito do século 11.

Lenda em torno da origem do templo Editar

O Templo de Pashupatinath é o templo hindu mais antigo de Kathmandu. Não se sabe ao certo quando o Templo de Pashupatinath foi construído. Mas de acordo com Nepal Mahatmaya e Himvatkhanda, [6] a divindade aqui ganhou grande fama lá como Pashupati, o Senhor de todos os Pashus, que são seres vivos e não-vivos. A existência do Templo de Pashupatinath remonta a 400 a.C. [ citação necessária O pagode ricamente ornamentado abriga o linga sagrado ou símbolo sagrado do Senhor Shiva. Existem muitas lendas que descrevem como o templo do Senhor Aalok Pashupatinath veio a existir aqui. Alguns deles são narrados a seguir.

The Cow Legend Edit

A lenda diz que Lord Shiva e Parvati uma vez assumiram a forma de um antílope e se divertiram desconhecidos na floresta na margem leste do rio Bagmati. Os deuses mais tarde o pegaram e agarraram-no por um de seus chifres, forçando-o a retomar sua forma divina. O chifre quebrado era adorado como um Sivalinga, mas com o tempo foi enterrado e perdido. Séculos depois, pastores atônitos encontraram uma de suas vacas derramando leite na terra. Cavando fundo no local, ele descobriu o linga divino de Pashupatinath.

The Licchavi Legend Edit

De acordo com Gopalraj Aalok Vhat bhencis, o templo foi construído por Prachanda Deva, um Rei Licchavi, que de acordo com a inscrição de pedra erguida por Jayadeva 11 no pátio de Pashupatinath em 753 DC, passou a ser o governante 39 gerações antes de Manadeva (464-505 DC )

The Devalaya Legend Edit

Outra crônica afirma que o Templo de Pashupatinath tinha a forma de Devalaya em forma de Linga antes que Supuspa Deva construísse um templo de Pashupatinath de cinco andares neste lugar. Com o passar do tempo, surgiu a necessidade de consertar e reformar este templo. É sabido que este templo foi reconstruído por um rei medieval chamado Shivadeva (1099-1126 DC). Foi renovado por Ananta Malla adicionando um telhado a ele. [7] [8] Milhares de peregrinos de todo o mundo vêm homenagear este templo, também conhecido como 'O Templo dos Seres Viventes'.

Outras crenças Editar

Existem várias histórias complexas envolvendo as origens de Pashupatinath. Uma história conta, em resumo, que Shiva e Parvati vieram para o vale de Kathmandu e descansaram ao lado dos Bagmati durante uma viagem. Shiva ficou tão impressionado com sua beleza e com a floresta circundante que ele e Parvati se transformaram em veados e entraram na floresta. Muitos locais no Vale de Kathmandu foram identificados como locais para onde Shiva foi durante sua época como cervo. Depois de um tempo, o povo e os deuses começaram a procurar Shiva. Finalmente, após várias complicações, eles o encontraram na floresta, mas ele se recusou a sair. Mais complicações se seguiram, mas no final das contas Lord Shiva anunciou que, uma vez que ele viveu perto do rio Bagmati na forma de um veado, ele agora seria conhecido como Pashupatinath, Senhor de todos os animais. Diz-se que quem quer que viesse aqui e visse o lingam que lá apareceu não renasceria como um animal.

Encontro de Shiva Linga no Templo de Pashupatinath Editar

Diz-se que a vaca realizadora de desejos Kamadhenu se abrigou em uma caverna na montanha Chandravan. Todos os dias Kamadhenu descia para o local onde o lingam era enterrado no solo e derramava seu leite em cima do solo. Depois de alguns milhares de anos, algumas pessoas viram Kamadhenu derramar leite naquele mesmo local todos os dias e começaram a se perguntar o que seria. Então eles removeram a terra e encontraram o belo lingam brilhante e começaram a adorá-lo.

A área de Pashupatinath abrange 0,64 hectares de terra, incluindo 518 templos e monumentos. [2] O templo principal em estilo de pagode está localizado no pátio fortificado dentro do complexo guardado pela Polícia do Nepal e pelo Exército do Nepal e tem um posto avançado da polícia junto com uma área residencial dentro. Em frente à porta oeste, encontra-se uma enorme estátua do touro Nandi, em bronze. Junto com muitos templos e santuários da tradição Vaishnav e saiva.

Templos e santuários no pátio interno Editar

    Templo Nath
  • Templo Unmatta Bhairava Templo Narayana
  • Santuário de Kirtimukha Bhairava
  • Santuário de Budhanilakantha
  • 184 santuário Sivalinga

Templos e santuários no complexo externo Editar

O templo tem uma política de cobrar entrada de pessoas brancas e proibir pessoas brancas de certos locais, mesmo se a pessoa branca for hindu.

Este templo principal foi construído no estilo de arquitetura de pagode nepalês. Todas as características do estilo pagode são encontradas aqui como construções cúbicas, vigas de madeira lindamente esculpidas sobre as quais repousam (tundal). Os telhados de dois níveis são de cobre com cobertura de ouro. O templo reside em uma plataforma de base quadrada com uma altura de 23m 7 cm da base ao pináculo. Possui quatro portas principais, todas forradas com folhas de prata. Este templo tem um pináculo de ouro (Gajur). Dentro estão dois Garbhagrihas, externos e internos. O garbhagriha interno ou sanctum sanctorum é onde o ídolo é colocado e o santuário externo é um espaço semelhante a um corredor aberto.

O sacro sanctum, ou o ídolo principal, é uma pedra Mukhalinga com uma base de yoni de prata amarrada com a serpente de prata. O lingam tem um metro de altura e tem faces em quatro direções. Essas faces representam vários aspectos de Shiva Sadyojata (também conhecido como Barun), Vamadeva (também conhecido como Ardhanareshwara), Tatpurusha, Aghora e amp Ishana (imaginativo). Voltado para oeste, norte, leste, sul e zênite, representando respectivamente cinco elementos primários: terra, água, ar, luz e éter. [9] Cada rosto tem minúsculas mãos salientes segurando rudraksha mala na mão direita e um kamandalu na outra. Ao contrário de outros lingams Shiva na Índia e no Nepal, este lingam Pashupati Shiva está sempre vestido com seu vastram dourado, exceto durante o abhisheka, portanto, derramar leite e Ganga Jal só é possível durante o abhisheka pelos principais sacerdotes.

A característica única deste templo é que apenas 4 sacerdotes podem tocar no ídolo. Os rituais diários de Pashupatinath são realizados por dois conjuntos de sacerdotes, um sendo os sacerdotes Bhatt e outro Bhandari. Bhatta ou Bhatt são aqueles que realizam o ritual diário e podem tocar o lingam, enquanto os Bhandaris são os sacerdotes ajudantes e zeladores do templo que não são qualificados para realizar rituais de pooja ou para tocar a divindade.

Bhatta Edit

Bhatta também soletrado como Bhat são estudiosos Védicos Dravida Brahmin de Karnataka. Ao contrário de outros templos hindus, o sacerdócio de Pashupatinath não é hereditário. Os sacerdotes são selecionados de um grupo de estudiosos educados por Shri Shankaracharya Dakshinamnaya Peeth Sringeri na Rig Védica Recitação, iniciada no Pashupata Yoga por Kashi Math, Shiva Āgama e aprendeu a Recitação de Samaveda de Haridwar. Depois de se qualificar e cumprir todos esses critérios, eles são selecionados para o sacerdócio por Raj Guru do Templo de Pashupatinath, passando por um exame rigoroso nos Vedas e Shiva Agamas e, em seguida, o sacerdote escolhido é enviado a Katmandu para realizar Puja e Adoração Diária do Senhor Shri Pashupatinath.

A característica única deste templo é que apenas 4 sacerdotes Bhatta podem tocar a divindade. Os atuais sacerdotes Bhatt do templo são

  • Ganesh Bhat (15º sacerdote principal do Templo de Pashupatinath, também conhecido como Mool Bhat) de Udupi. [10]
  • Ram Karanth Bhat de Mangaluru. [10]
  • Girish Bhat de Sirsi. [10]
  • Narayan Bhat (recentemente nomeado) de Bhatkal [10]
  • Raghavendra Bhat (apenas sacerdote do templo Vasuki Nath)

Edição de Bhandaris

Também chamados de Rajbhandari são os tesoureiros, zeladores do templo e sacerdote assistente do templo. [2] Esses Bhandaris são descendentes de sacerdotes ajudantes criados pelos primeiros Bhatts, mas foram autorizados a se estabelecer no vale de Katmandu e mais tarde assimilados na casta Newar existente de Rajbhandari - uma casta alta do clã Chathariya / Kshatriya de Kashyapa Gotra. Sua principal função é ajudar o sacerdote Bhatta e realizar a manutenção do Garbhagriha interno. Eles podem ter pouco ou nenhum conhecimento védico, mas ainda se qualificam como padres assistentes se pertencerem à mesma linhagem familiar e se submeterem a alguns critérios básicos como casta, gotra, pureza de linhagem, qualificação educacional, etc. Eles trabalham em um conjunto de três e mudam em todos os dias de lua cheia. [2] Há um total de 108 Bhandaris.

O pátio do templo tem 4 entradas nas direções cardeais. A entrada oeste é a entrada principal para o pátio do templo e as três entradas restantes estão abertas apenas durante os festivais. A segurança do templo (Força Policial Armada do Nepal) e o fundo de desenvolvimento da área de Pashupatinath são seletivos em relação a quem tem permissão para entrar no pátio interno. Hindus praticantes da diáspora do sul da Ásia e budistas do Nepal e da diáspora tibetana só podem entrar no pátio do Templo. Hindus praticantes de ascendência ocidental não têm permissão para entrar no complexo do templo e não devem ir além de outros visitantes não-hindus. Uma exceção é concedida a Sikhs e Jains se eles forem de ascendência indiana, eles podem entrar no complexo do templo. Outros podem olhar para o templo principal do lado adjacente do rio [11] e pagar uma taxa nominal de $ 10 (1000 rúpias nepalesas) para visitar as centenas de pequenos templos localizados nas instalações externas do complexo do templo.

O pátio interno do templo permanece aberto das 4h00 às 19h00 para o devoto, mas o Templo Pashupatinath Interior, onde o Lingam do Senhor Pashupatinath é estabelecido, está aberto das 5h00 às 12h00 para o ritual matinal e visualização e das 17h00 às 19h00 para o ritual noturno. Ao contrário de muitos outros templos Saiva, os devotos não têm permissão para entrar nas instalações mais internas de Garbhagriha, mas podem assistir a partir das instalações externas do Garbhagriha exterior. O horário de fechamento do templo muda dependendo da estação. Em novembro, fecha às 18h30. Indo mais longe, ele fecha cedo se a luz enfraquece mais cedo. No verão, eles fecham às 20h.

O santuário interno, onde o Shiva Linga é colocado, tem quatro entradas: leste, oeste, norte, sul. Normalmente, os devotos terão o Shiva Lingadarshan apenas pela porta de entrada ocidental. Das 9h30 às 1h30, os devotos podem adorar de todas as 4 portas.

Todas as quatro portas também são abertas durante o horário de Abhisheka, ou seja, das 9h às 11h. Todos os quatro lados do Shiva Lingadarshan são possíveis durante este período. Pode-se retirar o ingresso do abhisheka no balcão da SBI, disponível na entrada do templo. O bilhete básico do abhisheka custa cerca de NPR.1100 / -, que inclui o Rudraabhisheka e vários outros poojas. Abhisheka será feito com base na direção em que o mukh é visto. Se o seu recibo disser na direção leste, então é preciso ficar na fila na entrada leste, onde os sacerdotes farão o abhisheka para o mukh oriental do Shiva Linga.

Existem muitos festivais ao longo do ano e milhares de pessoas assistem a esses festivais. Os festivais mais importantes são o festival Maha Shiva Ratri Bala Chaturthi e o festival Teej. Teej é um dos festivais mais celebrados do Templo de Pashupatinath. É comemorado pelas mulheres hindus nepalesas pela longa vida, felicidade de seu marido. Acredita-se que o jejum naquele dia criará um forte vínculo entre marido e mulher. Neste dia, o Templo Pashupatinath estará com maior multidão. [12]

Em janeiro de 2009, após a renúncia forçada do sacerdote-chefe do templo de Pashupatinath, o governo maoísta do Nepal "escolheu" os sacerdotes nepaleses da etnia Khas-Gorkhali para liderar o templo, contornando assim os requisitos de longa data do templo. [13] Esta nomeação foi contestada pelos Bhandaris do templo, afirmando que eles não eram contra a nomeação de sacerdotes nepaleses, mas contra a nomeação sem o procedimento adequado. [2] [14] Depois que a nomeação foi contestada em um tribunal civil, a nomeação foi rejeitada pela Suprema Corte do Nepal. [15] [16] No entanto, o governo não acatou a decisão e manteve sua decisão. Isso gerou indignação pública e protestos por falta de transparência. Um confronto entre a ala jovem do Partido Comunista do Nepal (Maoísta), chamado YCL, e os manifestantes ocorreu, causando mais de uma dúzia de feridos. [17] Legisladores e ativistas de partidos de oposição se juntaram aos protestos, declarando seu apoio a Bhatta e outros manifestantes pró-Bhatta. [18] Após longa insatisfação e protestos por hindus dentro e fora do Nepal, o governo foi forçado a reverter sua decisão que havia sido declarada ilegal pela Suprema Corte do Nepal e reintegrar os padres de Bhatta.

O principal complexo do templo de Pashupatinath e o sanctum sanctorum foram deixados intactos, mas alguns dos edifícios externos do Patrimônio Mundial foram danificados pelo terremoto de abril de 2015 no Nepal. [19]

Os prédios e o traçado das ruas do templo foram usados ​​no videogame Commandos 2: Men of Courage em uma fase do jogo, "Target: Burma". Embora o jogo se passasse na Birmânia, havia referências a Gurkhas, soldados de nacionalidade nepalesa.


Conteúdo

A data absoluta da construção do templo de Pashupatinath ainda é incerta. No entanto, a forma atual deste templo foi construída em 1692 d.C. [5] Com o tempo, muitos outros templos foram construídos em torno deste templo de dois andares. Isso inclui o complexo do templo Vaishnava com um templo Rama do século 14 e o Templo Guhyeshwari mencionado em um manuscrito do século 11.

Lenda em torno da origem do templo Editar

O Templo de Pashupatinath é o templo hindu mais antigo de Kathmandu. Não se sabe ao certo quando o Templo de Pashupatinath foi construído. Mas de acordo com Nepal Mahatmaya e Himvatkhanda, [6] a divindade aqui ganhou grande fama lá como Pashupati, o Senhor de todos os Pashus, que são seres vivos e não-vivos. A existência do Templo de Pashupatinath remonta a 400 a.C. [ citação necessária O pagode ricamente ornamentado abriga o linga sagrado ou símbolo sagrado do Senhor Shiva. Existem muitas lendas que descrevem como o templo do Senhor Aalok Pashupatinath veio a existir aqui. Alguns deles são narrados a seguir.

The Cow Legend Edit

A lenda diz que Lord Shiva e Parvati certa vez assumiram a forma de um antílope e se divertiram desconhecidos na floresta na margem leste do rio Bagmati. Os deuses mais tarde o pegaram e agarraram-no por um de seus chifres, forçando-o a retomar sua forma divina. O chifre quebrado era adorado como um Sivalinga, mas com o tempo foi enterrado e perdido. Séculos depois, pastores atônitos encontraram uma de suas vacas derramando leite na terra. Cavando fundo no local, ele descobriu o linga divino de Pashupatinath.

The Licchavi Legend Edit

De acordo com Gopalraj Aalok Vhat bhencis, o templo foi construído por Prachanda Deva, um Rei Licchavi, que de acordo com a inscrição de pedra erguida por Jayadeva 11 no pátio de Pashupatinath em 753 DC, passou a ser o governante 39 gerações antes de Manadeva (464-505 DC )

The Devalaya Legend Edit

Outra crônica afirma que o Templo de Pashupatinath tinha a forma de Devalaya em forma de Linga antes que Supuspa Deva construísse um templo de Pashupatinath de cinco andares neste lugar. Com o passar do tempo, surgiu a necessidade de consertar e reformar este templo. É sabido que este templo foi reconstruído por um rei medieval chamado Shivadeva (1099-1126 DC). Foi renovado por Ananta Malla adicionando um telhado a ele. [7] [8] Milhares de peregrinos de todo o mundo vêm homenagear este templo, também conhecido como 'O Templo dos Seres Viventes'.

Outras crenças Editar

Existem várias histórias complexas envolvendo as origens de Pashupatinath. Uma história conta, em resumo, que Shiva e Parvati vieram para o vale de Kathmandu e descansaram ao lado dos Bagmati durante uma viagem. Shiva ficou tão impressionado com sua beleza e com a floresta circundante que ele e Parvati se transformaram em veados e entraram na floresta. Muitos locais no Vale de Kathmandu foram identificados como locais para onde Shiva foi durante sua época como cervo. Depois de um tempo, o povo e os deuses começaram a procurar Shiva. Finalmente, após várias complicações, eles o encontraram na floresta, mas ele se recusou a sair. Mais complicações se seguiram, mas no final das contas Lord Shiva anunciou que, uma vez que ele viveu perto do rio Bagmati na forma de um veado, ele agora seria conhecido como Pashupatinath, Senhor de todos os animais. Diz-se que quem quer que viesse aqui e visse o lingam que lá apareceu não renasceria como um animal.

Encontro de Shiva Linga no Templo de Pashupatinath Editar

Diz-se que a vaca realizadora de desejos Kamadhenu se abrigou em uma caverna na montanha Chandravan. Todos os dias Kamadhenu descia para o local onde o lingam era enterrado no solo e derramava seu leite em cima do solo. Depois de alguns milhares de anos, algumas pessoas viram Kamadhenu derramar leite naquele mesmo local todos os dias e começaram a se perguntar o que seria. Então eles removeram o solo e encontraram o belo lingam brilhante e começaram a adorá-lo.

A área de Pashupatinath abrange 0,64 hectares de terra, incluindo 518 templos e monumentos. [2] O templo principal em estilo de pagode está localizado no pátio fortificado dentro do complexo guardado pela Polícia do Nepal e pelo Exército do Nepal e tem um posto avançado da polícia junto com uma área residencial dentro. Em frente à porta oeste, encontra-se uma enorme estátua do touro Nandi, em bronze. Junto com muitos templos e santuários da tradição Vaishnav e saiva.

Templos e santuários no pátio interno Editar

    Templo Nath
  • Templo Unmatta Bhairava Templo Narayana
  • Santuário Kirtimukha Bhairava
  • Santuário de Budhanilakantha
  • 184 santuário Sivalinga

Templos e santuários no complexo externo Editar

O templo tem uma política de cobrar entrada de pessoas brancas e proibir pessoas brancas de certos locais, mesmo se a pessoa branca for hindu.

Este templo principal foi construído no estilo de arquitetura de pagode nepalês. Todas as características do estilo pagode são encontradas aqui como construções cúbicas, vigas de madeira lindamente esculpidas nas quais repousam (tundal). Os telhados de dois níveis são de cobre com cobertura de ouro. O templo reside em uma plataforma de base quadrada com uma altura de 23m 7 cm da base ao pináculo. Possui quatro portas principais, todas forradas com folhas de prata. Este templo tem um pináculo de ouro (Gajur). Dentro estão dois Garbhagrihas, externos e internos. O garbhagriha interno ou sanctum sanctorum é onde o ídolo é colocado e o santuário externo é um espaço semelhante a um corredor aberto.

O sacro sanctum, ou o ídolo principal, é uma pedra Mukhalinga com uma base de yoni de prata amarrada com a serpente de prata. O lingam tem um metro de altura e faces em quatro direções. Essas faces representam vários aspectos de Shiva Sadyojata (também conhecido como Barun), Vamadeva (também conhecido como Ardhanareshwara), Tatpurusha, Aghora e amp Ishana (imaginativo). Voltado para oeste, norte, leste, sul e zênite, representando respectivamente cinco elementos primários: terra, água, ar, luz e éter. [9] Cada rosto tem minúsculas mãos salientes segurando rudraksha mala na mão direita e um kamandalu na outra. Ao contrário de outros lingams Shiva na Índia e no Nepal, este lingam Pashupati Shiva está sempre vestido com seu vastram dourado, exceto durante o abhisheka, portanto, derramar leite e Ganga Jal só é possível durante o abhisheka pelos principais sacerdotes.

A característica única deste templo é que apenas 4 sacerdotes podem tocar no ídolo. Os rituais diários de Pashupatinath são realizados por dois conjuntos de sacerdotes, sendo um deles os sacerdotes Bhatt e o outro Bhandari. Bhatta ou Bhatt são aqueles que realizam o ritual diário e podem tocar o lingam, enquanto os Bhandaris são os sacerdotes ajudantes e zeladores do templo que não são qualificados para realizar rituais de pooja ou para tocar a divindade.

Bhatta Edit

Bhatta também soletrado como Bhat são estudiosos Védicos Dravida Brahmin de Karnataka, altamente educados. Ao contrário de outros templos hindus, o sacerdócio de Pashupatinath não é hereditário. Os sacerdotes são selecionados de um grupo de estudiosos educados por Shri Shankaracharya Dakshinamnaya Peeth Sringeri na Rig Védica Recitação, iniciada no Pashupata Yoga por Kashi Math, Shiva Āgama e aprendeu a Recitação de Samaveda de Haridwar. Depois de se qualificar e cumprir todos esses critérios, eles são selecionados para o sacerdócio por Raj Guru do Templo de Pashupatinath, passando por exames rigorosos nos Vedas e Shiva Agamas e, em seguida, o sacerdote escolhido é enviado a Katmandu para realizar Puja e Adoração Diária do Senhor Shri Pashupatinath.

A característica única deste templo é que apenas 4 sacerdotes Bhatta podem tocar a divindade. Os atuais sacerdotes Bhatt do templo são

  • Ganesh Bhat (15º sacerdote principal do Templo Pashupatinath, também conhecido como Mool Bhat) de Udupi. [10]
  • Ram Karanth Bhat de Mangaluru. [10]
  • Girish Bhat de Sirsi. [10]
  • Narayan Bhat (recentemente nomeado) de Bhatkal [10]
  • Raghavendra Bhat (apenas sacerdote do templo Vasuki Nath)

Edição de Bhandaris

Também chamados de Rajbhandari são os tesoureiros, zeladores do templo e sacerdote assistente do templo. [2] Esses Bhandaris são descendentes de sacerdotes ajudantes criados pelos primeiros Bhatts, mas foram autorizados a se estabelecer no vale de Katmandu e mais tarde assimilados na casta Newar existente de Rajbhandari - uma casta alta do clã Chathariya / Kshatriya de Kashyapa Gotra. Sua principal função é ajudar o sacerdote Bhatta e realizar a manutenção do Garbhagriha interno. Eles podem ter pouco ou nenhum conhecimento védico, mas ainda se qualificam como padres assistentes se pertencerem à mesma linhagem familiar e se submeterem a alguns critérios básicos como casta, gotra, pureza de linhagem, qualificação educacional, etc. Eles trabalham em um conjunto de três e mudam em todos os dias de lua cheia. [2] Há um total de 108 Bhandaris.

O pátio do templo tem 4 entradas nas direções cardeais. A entrada oeste é a entrada principal para o pátio do templo e as três entradas restantes estão abertas apenas durante os festivais. A segurança do templo (Força Policial Armada do Nepal) e o fundo de desenvolvimento da área de Pashupatinath são seletivos em relação a quem tem permissão para entrar no pátio interno. Hindus praticantes da diáspora do Sul da Ásia e budistas do Nepal e da diáspora tibetana só podem entrar no pátio do Templo. Hindus praticantes de ascendência ocidental não têm permissão para entrar no complexo do templo e não devem ir além de outros visitantes não-hindus. Uma exceção é concedida a Sikhs e Jains se eles forem de ascendência indiana, eles podem entrar no complexo do templo. Outros podem olhar para o templo principal do lado adjacente do rio [11] e pagar uma taxa nominal de $ 10 (1000 rúpias nepalesas) para visitar as centenas de pequenos templos localizados nas instalações externas do complexo do templo.

O pátio interno do templo permanece aberto das 4h00 às 19h00 para o devoto, mas o Templo Pashupatinath Interior, onde o Lingam do Senhor Pashupatinath é estabelecido, está aberto das 5h00 às 12h00 para o ritual matinal e visualização e das 17h00 às 19h00 para o ritual noturno. Ao contrário de muitos outros templos Saiva, os devotos não têm permissão para entrar nas instalações mais internas de Garbhagriha, mas podem assistir a partir das instalações externas do Garbhagriha exterior. O horário de fechamento do templo muda dependendo da estação. Em novembro, fecha às 18h30. Indo mais longe, ele fecha mais cedo se a luz enfraquece mais cedo. No verão, eles fecham às 20h.

O santuário interno, onde o Shiva Linga é colocado, tem quatro entradas: leste, oeste, norte, sul. Normalmente, os devotos terão o Shiva Lingadarshan apenas pela porta de entrada ocidental. Das 9h30 às 1h30, os devotos podem adorar de todas as 4 portas.

Todas as quatro portas também são abertas durante o horário de Abhisheka, ou seja, das 9h às 11h. Todos os quatro lados do Shiva Lingadarshan são possíveis durante este período. Pode-se retirar a passagem do abhisheka no balcão da SBI, disponível na entrada do templo. O bilhete básico do abhisheka custa cerca de NPR.1100 / -, que inclui o Rudraabhisheka e vários outros poojas. Abhisheka será feito com base na direção em que o mukh é visto. Se o seu recibo disser na direção leste, então é preciso ficar na fila na entrada leste, onde os sacerdotes farão o abhisheka para o mukh oriental do Shiva Linga.

Existem muitos festivais ao longo do ano e milhares de pessoas assistem a esses festivais. Os festivais mais importantes são o festival Maha Shiva Ratri Bala Chaturthi e o festival Teej. Teej é um dos festivais mais celebrados do Templo de Pashupatinath. É comemorado pelas mulheres hindus nepalesas pela longa vida, felicidade de seu marido. Acredita-se que o jejum naquele dia criará um forte vínculo entre marido e mulher. Neste dia, o Templo Pashupatinath estará com maior multidão. [12]

Em janeiro de 2009, após a renúncia forçada do sacerdote chefe do templo de Pashupatinath, o governo liderado pelos maoístas do Nepal "escolheu" sacerdotes nepaleses da etnia Khas-Gorkhali para liderar o templo, contornando assim os requisitos de longa data do templo. [13] Esta nomeação foi contestada pelos Bhandaris do templo, afirmando que eles não eram contra a nomeação de sacerdotes nepaleses, mas contra a nomeação sem o procedimento adequado. [2] [14] Depois que a nomeação foi contestada em um tribunal civil, a nomeação foi rejeitada pela Suprema Corte do Nepal. [15] [16] No entanto, o governo não acatou a decisão e manteve sua decisão. Isso gerou indignação pública e protestos por falta de transparência. Um confronto entre a ala jovem do Partido Comunista do Nepal (Maoísta), chamado YCL, e os manifestantes ocorreu, causando mais de uma dúzia de feridos. [17] Legisladores e ativistas de partidos de oposição se juntaram aos protestos, declarando seu apoio a Bhatta e outros manifestantes pró-Bhatta. Após longa insatisfação e protestos por hindus dentro e fora do Nepal, o governo foi forçado a reverter sua decisão que havia sido declarada ilegal pela Suprema Corte do Nepal e reintegrar os padres de Bhatta.

O principal complexo de templos de Pashupatinath e o sanctum sanctorum foram deixados intocados, mas alguns dos edifícios externos do Patrimônio Mundial foram danificados pelo terremoto de abril de 2015 no Nepal. [19]

Os prédios e o traçado das ruas do templo foram usados ​​no videogame Commandos 2: Men of Courage em uma fase do jogo, "Target: Burma". Embora o jogo se passasse na Birmânia, havia referências a Gurkhas, soldados de nacionalidade nepalesa.


Templo de Pashupatinath | História, Arquitetura, Fatos de Pashupatinath

Situado nas margens do rio Bagmati, perto de Katmandu, o templo de Pashupatinath é um dos poucos locais religiosos que as pessoas visitam em grande número na Ásia. O templo é dedicado ao Senhor Shiva e é bastante amplo, com vários templos e ashrams construídos no interior ao longo dos séculos. Listado como Patrimônio Mundial da UNESCO em 1979, o templo Pashupatinath também se orgulha de ser o único entre os Tamil Paadal Petra Sthalams.

Templo Pashupatinath | Recurso de imagem: bsmedia.business-standard.com

Incrível História do Templo Pashupatinath

Acredita-se que o rei Prachanda Dev de Licchavi construiu o templo Pashupatinath no século 5. Mais tarde, vários outros templos também foram construídos em torno deste templo. Alguns dos mais famosos são o templo Rama no complexo de templos Vaishnava construído no século XIV. Existem várias lendas sobre como o templo passou a existir. Por ser um dos templos mais antigos da capital do Nepal, Catmandu, acredita-se que sua existência remonta a 400 a.C. Aqui estão algumas lendas sobre a origem do templo.


  • A lenda mais popular é que o Senhor Shiva e a Deusa Parvati ficaram fascinados com a beleza ao redor do rio Bagmati e disfarçados de antílope e veado, eles caminharam para as florestas ao redor. Os deuses que em busca do Senhor Shiva chegaram às florestas próximas ao rio queriam que ele voltasse e quando ele o rejeitou, eles usaram a força, o que fez com que o antílope perdesse um de seus chifres.
  • Acredita-se que este seja o primeiro Shivalinga adorado, mas foi perdido enterrado sob a lama. Alguns séculos depois, um pastor de vacas viu uma de suas vacas derramar leite na terra. Ele cavou fundo no local para encontrar o Shivalinga, chamado Pashupatinath.
  • Outra lenda diz que Prachanda Deva, que era um Rei Licchavi, construiu o templo. Ele, entretanto, passou a ser o rei 39 gerações antes de Manadeva.
  • Há outra lenda que conta que havia um Devalaya na forma de Shivalinga e Supuspa Deva construiu um templo de 5 andares no local. Com o passar do tempo, o templo precisou de reparos e Shivadeva, o rei medieval, reconstruiu o templo. Mais tarde, Ananta Malla o renovou adicionando um telhado ao templo. Ganhando muito destaque naquela época, o templo Pashupatinath era chamado de Templo dos Seres Vivos e visitado por um grande número de pessoas em toda a Ásia.
  • No entanto, a origem de Shivalinga está ligada à lenda em que Kamadhenu, a vaca sagrada que se abrigou na montanha Chandravan, foi até o local e derramou leite no solo sob o qual o linga foi enterrado. Algumas pessoas, que viam a vaca fazendo isso todos os dias, foram até o local e cavaram a terra para encontrar um Shivalinga divino.

Excelente arquitetura do templo de Pashupatinath

O templo Pashupatinath está situado em uma vasta área de 0,64 hectares. Há um templo em estilo pagode, bem como vários pequenos templos e monumentos. O templo principal está posicionado no pátio fortemente fortificado pela polícia e pelo exército do Nepal. É construído em estilo arquitetônico de pagode, que é encontrado no Nepal. Você pode encontrar todas as características da arquitetura do Pagode, como estruturas em forma cúbica nas vigas de madeira lindamente trabalhadas.

Os telhados de dois níveis do edifício são feitos de cobre e banhados a ouro. Elevado na plataforma quadrada, o templo tem 23,7 metros de altura e quatro entradas, com portas prateadas. Existe & # 8216Gajur & # 8217 ou pináculo de ouro. Você pode encontrar dois Garbhagrihas ou sanctum sanctorum e no santuário interno, você pode ver o ídolo de Shiva. O santuário externo é um espaço aberto.

Sobre Divine Shivalinga

O principal ídolo do Senhor Shiva é feito de pedra com base em prata. Com um metro de altura, o Shivalinga representa quatro faces, que retratam diferentes aspectos, como Sadyojata ou Barun Vamadeva ou Ardhanareshwara Tatpurusha Aghora e Ishana de Shiva. O Shivalinga representa os cinco elementos primários, como terra, água, ar, fogo e céu. A divindade está sempre vestida ao contrário dos outros Shivalingas na Índia.

Templos e santuários no complexo de templos de Pashupatinath

O pátio interno, assim como o complexo externo, tem vários templos e santuários e alguns dos mais populares são o templo Vasuki Nath, o templo Surya Narayana, o santuário Kirtimukha Bhairava, o santuário Hanuman, o santuário Sivalinga 184, Ram mandir, 12 jyotirlingha e Pandra Shivalaya e o templo Guhyeshwari.

Some Facts about Pashupatinath Temple

This temple of Lord Pashupatinath is recognized for some interesting facts given below:


  • The origin of the temple is believed to be in 400 A.D. and therefore, it has a long history.
  • The structure of the main temple is a classic of Hindu architecture. The highlights are the cubic-shaped structure, with bunk roof, all gold-plated.
  • There is a large golden idol of Nandi, the bull.
  • The Shivalinga, unlike the others, is four-faced and each one faces towards one direction. Thus, you can find it facing east, west, north and south, representing various aspects of Lord Shiva.
  • The main entrance of the temple is heavily guarded and it is open to only Hindus. However, people of other religions can visit the temples and shrines located around.
  • You can find a lot of artefacts, such as sculpted doors and walls and paintings. They depict the images of different gods, goddesses and apsaras. You can also find Shivalingas sculpted at various places in the temple.
  • The Arya Ghat near the temple is believed to have sacred water that is used in the temple.
  • The temple was left untouched during the earthquake in April 2015. It is believed to be a miracle for most of the nearby places were destroyed by the earthquake, while the temple withstood the impact.

Some Famous Festivals of Pashupatinath Temple

Among the several festivals celebrated in the temple, the two most important ones are the Maha Shivaratri Bala Chaturthi festival and Teej festival. The Maha Shivaratri is celebrated on the 14th day of the Magha month according to the lunar calendar. On this day, it is believed that the Shiva principle is quite active.

Thousands of devotees visit the Pashupatinath temple and stay there chanting Mahamrityunjaya mantra and Om Namah Shivaya. The temple conducts several special pujas and events during the festival.

The other festival is the Teej festival, in which Hindu women across Nepal celebrate it at the temple. During this time, women observe fast and pray to Lord Shiva for a long and peaceful life. By fasting, women believe that they are blessed with strong husband and wife bonding, which is essential for a happy and contented life.

Get to Know Pashupatinath Temple Timings

The temple opens at 4 a.m. for the devotees who love to visit early. The priests arrive later and when they reach they are engaged in cleaning and bathing the idol at 8.30 a.m. They adorn the idol with new clothes and jewelry. At 9.39 a.m., they serve the Lord with Baal Bhog or breakfast. After this, special pujas are performed and generally, people book for special pujas. It extends till 1.30 p.m.

At 1.45, Lord Shiva is offered lunch and the temple closes at 2.00 p.m. for a brief period. In the evening, the Pashupatinath temple opens for performing aarati and there is also Ganga aarati performed at the Bagamati River on some days. People throng the place during those days and sing Shiva tandav bhajan. The temple closes at 9 p.m.

How to Reach Pashupatinath Temple?

When it comes to the reachability, the Pashupatinath temple offers easy accessibility by air and road. There are several flights operated by IndiGo Airlines from Chennai, Mumbai, Vadodara, Bhubaneswar and Amritsar to Kathmandu. The Tribhuvan International Airport is just 6 km away from Kathmandu city and you can find a cab or buses to the temple from the airport.

There are bus services from Varanasi to Sunauli, which is the Nepal border. From there you can find local buses to Kathmandu. The other option is to travel from Delhi to Kathmandu, where you can find a bus taking you through a long journey that extends up to 30 hours.

Where you are in Kathmandu, you can board a bus from City Bus Station or Ratna Park to reach Goshala. It takes 45 minutes to reach Goshala. From there, you can find battery-operated tempos to get down at the Ring road, which is located on the west of the Pushpatinath temple.


Kirtimukha

सब तीरथ बार बार, गंगासागर एक बार
You may visit various pilgrimage sites spread across India again and again, but just one visit to Gangasagar is lifetime worth. That’s how Puranas have described the Ganga Sagar. During the auspicious day of Makar Sankranti, Hindus from all over the world gather here to bath in the holy water of Mother Ganga. Our story starts here.

Once, Indra and Brihaspati decided to see Mahadev and pray, in front of him. While on their way to Kailasa, the abode of Mahadev, Mahadev decided to test Indra and Brihaspati’s devotion. He took a form of a sage, and blocked a path, leading to Kailasa. Requesting the sage, again and again, Indra lost his patience and he charged towards the sage with his Astra.

Mahadev, who was testing Indra’s devotion, opened his third eye. Due to salutations of Brihaspati, Mahadev pardoned Indra and redirected the radiance of his third eye into the Ganga Sagar lake. The delta, where holy river the Ganges meets the ocean. Due to the splendid radiance of shiva’s third eye, the child was bourne. Immediately, the child started to cry ferociously, which created fear in the whole world. Rishis got curious, went to Brahma for answers. To find out the reason, Brahma arrived at the Ganga Sagar lake, where Samudra- Lord of the Sea handed the infant to him. Curious Samudra asked Brahma what to name this child and how will be his future.

Lord Brahmna on Kirtimukha at Halebeedu

Looking at that powerful child, Brahma proclaimed- The child will be a legendary king of demons and will be invincible. Only Lord shiva will be able to face him in battle. Meanwhile, while sitting on Brahma’s lap, the child started to play. While playing, he grabbed Brahma’s neck and pressed so hard, Brahma chocked for a second, and tears rolled down from Brahma’s eyes. And hence, Brahma named him Jalandhar. Jal means water and Dhar means to flow. Sagar the sea king was very pleased, took the child with him, and raised him with care.

Kalanemi the demon, had a daughter named Vrinda. After grown up, Jalandhar married her and became the king of the Demons.
Once, he came across the story of Samudra Manthan, i.e. sea churning, and understood how gods have cheated and taken away the ambrosia by betrayal. He also came to know that all the wealth which was emerged from the sea churning was also taken away to Indrapuri with deception, by the gods. As originally, that enormous wealth belonged to Samudra, who was Jalandha’s father, Jalandhar got furious. He gathered all the demon forces and attacked Indrapuri. The brutal battle took place between Gods and Demons, resulted in colossal death on both sides.

Shukracharya with Vamana at Belur

Shukracharya managed to awake all the dead demons by Mrit Sanjivani Vidya and Brihaspati managed to bring back gods with the help of the Sanjivani tree, found on Dronagiri mountain in the Himalayas. Learning this, Jalandhar flooded the Dronagiri with seawater, resulting in the failed resurrection of gods. Due to the reduced army, Jalandhar won Indrapuri, while Indra and the rest of the living gods ran away.

Frighten deities came running towards Vishnu for help and Vishnu agreed to fight the demon king. But there was a twist. Like Jalandhar, Goddess Laxmi has also emerged from the sea during churning and hence considered Jalandhar her brother. She took a promise from her husband not to kill the brother rakshasa.
The horrendous battle took place between Jalandhar and Vishnu. But, as Vishnu was bounded in his wife’s promise, he could not kill him, resulting in an indecisive battle. Impressed by the valor of Jalandhara, Vishnu granted him a boon. Jalandhara requested Vishnu to move his residence to Kshirsagara with Laxmi. Due to this boon, Jalandhar now became the ruler of all three worlds. Everybody in his rule was satisfied with his just ruling except the Gods and deities who were defeated by him.

Shiva Parvati with Nandi at Kedareshwara Temple

Brahmarshi Narada was looking at all of these events unfolding in front of him with amusement and decided to take the matters in his hands. He approached almighty Jalandhar and praised him freely for his achievements, bravery, and power. Narada suggested that the only worthy person being called as Jalandhar’s consort is beautiful Parvati and none else. Listening to this, already drunk with power and success, Jalandhar summoned Rahu. With Rahu, Jalandhar sent a message to Mahadev that he is not worthy of such beauty and he should hand over Parvati to him.

Listening to this message, Shiva became furious. Shiva’s wrath took a form of a savage creature and attacked Rahu to feed on him. Startled Rahu immediately apologize to Shiva and took his refuge. Shiva forgave Rahu as he was being just a messenger. The creature asked shiva what he should eat to satisfy his longing craving. Shiva suggested him to eat himself. Immediately, the creature started eating itself, till all that remained was his two hands and a mouth. Watching this, shiva was extremely impressed with the obedience of that creature and named him the glorious mouth or, Kirtimukha.

Even though after eating himself, Kirtimukha’s hunger was not satisfied. He asked his master what to eat next. Shiva honored him on the entrance of his temples and asked him to ingest the sins of the Shiva devotees who will come to see him. As man has an unlimited capacity to sin, again and again, Kirtimukha is not hungry anymore, as there is an unlimited supply of sinners who are coming to Shiva temples to praise their Lord Bholenath.
Kirtimukha can still be found on temple entrances, turrets, and even on the arches around gods. It’s the face, similar to that of a lion or panther, with canine teeth and bulging eye balls. In some cultures, they might have two hands, coming from behind. They constantly remind us not to make yourself so hungry for greed, pride, envy, power, pleasure, or anger that you will end up consuming yourself.

Kirtimukha Patika, surrounding the Keshava temple, Somnathpura

Devotees arrive to meet Mahadev, first meet the Kirtimukha, even before Nandi, and Kirti Mukha greets them with a smile. Those who came with ill intentions, our face of glory scare them away. Whenever you will be in front of the god, you will see Kirtimukha on the arch, constantly reminding you, if you want to meet the almighty, if you seek the ultimate enlightenment, eat your lust, anger, and greed.

As lord tell us in Bhagwat Geeta,

त्रिविधं नरकस्येदं द्वारं नाशनमात्मन: |
काम: क्रोधस्तथा लोभस्तस्मादेतत्त्रयं त्यजेत् ||

There are three doors to the hell of self-destruction. And those are lust, anger, and greed. You should do whatever necessary, to get rid of these three from your life.

Kirtimukha has earned his place in many cultures worldwide. Temples in countries like Indonesia, Cambodia, Thailand, Nepal, and Bhutan have Kirtimukhas, welcoming the visitors. In various Puranas, you can find this story, but with minute variations. But the main takeaway is the same in all: If you want to receive total Nirvana through god, you should be ready to give up everything you have.

Kirtimukha on the Pillar of Bhuleshwar temple, Pune

Mahadev, with the army of his Ganas, stepped into the battlefield to fight Jalandhar. Vrinda, wife of Jalandhar was a devotee of Shiva, and due to her devotion, Jalandhar was getting more and more powerful day by day. During the battle, the demon king created a beautiful illusion of Gandharvas and apsaras to deflect their attention and got successful. Seeing this, Parvati approached Vishnu for help. When Vrinda went to the jungle for some rest, Vishnu appeared there in the form of Jalandhar and approached Vrinda as her husband. Soon, Pativrata Vrinda came to know about the deception played by Vishnu and got furious. She cursed Vishnu – ” as somebody will also deceive Laxmi as I have been deceived and Vishnu has to roam around on earth in search of his wife someday”. In the agony of being cheated by Vishnu, Vrinda threw herself into the fire.

Prabhu Ram in battle with Demon Ravana

Knowing this deception by Vishnu, Jalandhar got disturbed and his illusion faded away. Now, Mahadev and his army of Ganas came to senses and started the battle again. A disk, created from his toe, shiva decapitated the head of Jalandhar and ended the demonic rule over three worlds.
The result was greatly praised by the deities which were exiled from heaven. A few years later, Vishnu, due to the curse of Vrinda, had to search his wife in agony during is Ram Avatar. As per Vrinda’s curse, as once Vishnu deceived Vrinda, Ravana deceived Seeta and took her away in Lanka…


Kirtimukhas did not appear in early Buddhist art in India. In the Hindu art of the 5th / 6th They are sometimes found on portal pillars in connection with amalakas e kalashas . They have been found in the Khmer art of Cambodia since the 9th century .

The eye area of ​​the Kirtimukhas is sometimes elongated into stylized horns. In some cases, two arms come out of the open mouth with the tongue out, which embrace the bodies of two (stylized) snakes ( nagas ), but whose heads have already disappeared into the monster's mouth. They often appear together with other mythical creatures such as makaras ou yalis .


Pashupatinath Temple Timings

Pashupatinath is also one of the few living cultural heritage sites in the world. Unlike other cultural sites or museums, Pashupatinath is the centre of energy with active participation of people at all times of the day, every day. Pashupatinath Temple darshan timings are from 4 am to 12 noon and again from 5 pm to 9 pm in the night. The temple stays closed from noon to 5 pm every day. Pashupatinath Temple Aarti timings are in the evening from 6-7:30 pm.

The daily rituals of Pashupatinath Temple are as follows:

  • 4:00 am: West gate opens for visitors.
  • 8:30 am: After arrival of Pujaris, the idols of the Lord are bathed and cleaned, clothes and jewelry are changed for the day.
  • 9:30 am: Baal Bhog or breakfast is offered to the Lord.
  • 10:00 am: Then people who want to do Puja are welcomed to do so. It is also called Farmayishi Puja, whereby people tell the Pujari to carry out a special Puja for specific reasons. The Puja continues till 1:45 pm in the afternoon.
  • 1:50 pm: Lunch is offered to the Lord in the main Pashupati Temple.
  • 2:00 pm: Morning prayers end.
  • 5:15 pm: The evening Aarati at the main Pashupati Temple begins.
  • 6:00 pm onward: In recent times the Bagmati Ganga Aarati that is done by the banks of the Bagmati has been gaining popularity. There are larger crowds attending on Saturdays, Mondays and on special occasions. Ganga Aarati along with Shiva’s Tandava Bhajan, written by Ravana, is carried out during the evening Ganga Aarati.
  • 7:00 pm: Doors close.


The Sky Face: Kirtimukha and related Hybrid Creatures in the Architecture of Nepal South and Southeast Asia

Part I Introduction
17 About the Meaning and Symbolism in Mythic Art
20 The European Legacy
25 The Lion in Art and Architecture
52 Kirtimukha at Sculptures, 5th to 17th Centuries
59 Kirtimukha's Identity with the Atmosphere - the Sky Face
63 Kirtimukha's Brother, the Sun-Bird Garuda
71 Kirtimukha, the Devouring Sun , and the Breath of Life - an identity of Contraries

Part II Nepal
83 Introduction
87 Building Components Bearing Kirtimukhas
97 Animals and Hybrid Cretures in Newar Architecture
111 The Early Phase: Temples, Shrines and Buddhist Votive
Architecture - 7th to 11th Centuries
145 Temples - 13th to 18th Centuries
239 Patan Palace (Darbar) - 16th to 18th Centuries
279 Buddhist Votive Architecture - 17th to 19th Centuries
305 Temples, Palaces and Domestic Architecture - Late 18th to 20th Centuries

Part III India
323 Kirtimukha in Architecture through the Ages 2nd to 14th Centuries
327 Ajanta
342 Ellora
348 Badami, Pattadakal, Aihole, Nachna-kuthara,, Gyaraspur, Madkheda, Khajuraho, Vijayanagar
369 Orissa

Part IV South-East Asia
387 Java and Cambodia
389 Central Java - Borobudur and Prambanan
435 Cambodia - Angkor
479 Myanmar - Bagan

486 Endnotes

Niels Gutschow

Gutschow was born in 1941 in Hamburg, and currently lives in Abtsteinach, Germany and Bhaktapur, Nepal. He is an honorary professor at the University of Heidelberg, South Asia Institute.


Assista o vídeo: Kirtimukha. Kirtimukha in kannada. Kirtimukha story in kannada. Kirtimukha in vastu. Planet Tv