Anna Shabanova

Anna Shabanova

Anna Shabanova, filha de um rico fazendeiro, nasceu na Rússia em 1848. Quando jovem, ingressou em um grupo político radical e, em 1865, foi presa e encarcerada por seis meses.

Shabanova queria se tornar um médico e, incapaz de treinar na Rússia, mudou-se para Helsinque. Ela voltou em 1873, quando um novo curso de medicina para mulheres começou em São Petersburgo. Em 1878, ela se tornou uma das primeiras mulheres na Rússia a se qualificar como médica.

Shabanova foi uma das fundadoras da Sociedade Filantrópica Mútua de Mulheres Russas e durante a Revolução de 1905 fez campanha pelo sufrágio feminino.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Shabanova apoiou fortemente o esforço de guerra e apoiou as políticas do Governo Provisório.

Anna Shabanova morreu em 1932.


Anna Shabanova & coleção de fotos do # 039

História da custódia: Os materiais apresentam a história da vida de Anna Shabanova, filha de um dos primeiros fiéis ciganos da região da cidade de Yambol - Irmão Shaban.

Autor (es) / Criador (es): Fotógrafos desconhecidos.

Arranjo: As fotos foram armazenadas em um envelope fechado. Eles não foram organizados cronologicamente.

Uma nota sobre a terminologia: Parte do material desta coleção está relacionada às comunidades Цигани [Tsigani / Ciganas]. Desde 1989, essas comunidades são frequentemente chamadas de ‘Roma’. No entanto, nem todos os membros dessas comunidades aceitam o termo Roma ou se identificam como Roma. Na Bulgária, esta é uma comunidade heterogênea que compreende diferentes grupos com diferentes identificações étnicas (Romani, Búlgaro, Turco ou Romeno), língua materna, modo de vida, religião e ocupação. Além disso, o material original desta coleção é anterior a 1989, quando o termo "Roma" era desconhecido na Bulgária. Por estas razões, o termo ‘Ciganos’ é utilizado para descrever estas comunidades no catálogo, em vez de ‘Roma’, porque representa com mais precisão a identificação das comunidades registadas nesta coleção no momento em que os documentos e fotografias foram criados. Os missionários protestantes que trabalharam com esta população e cujos resultados estão relacionados com o material da coleção, também usaram o termo 'ciganos'.


Anna Šabanova

Anna Nikolajevna Šabanova (ven. Анна Николаевна Шабанова 18. maaliskuuta 1848 greg. Smolensk - 25. toukokuuta 1932 Leningrado) oli venäläinen lastenlääkäri, naisten oikeuksien puolustaja ja filantrooppi.

Anna Šabanova syntyi varakkaaseen aatelisperheeseen Smolenskin maakunnassa. [1] Hän osallistui alaikäisenä radikaaliin poliittiseen liikehdintään ja tuomittiin siitä vuonna 1865 kuuden kuukauden vankeuteen [2]. Vapauduttuaan hän alkoi pyrkiä lääkäriksi. Tähän aikaan Suomen suuriruhtinaskunta oli ainoa paikka Venäjän valtakunnassa, missä naisten sallittiin osallistua korkea-asteen koulutukseen, joten vuonna 1871 Šabanova aloitti opintonsa Keillisessa Aloitti opintonsa Keisarliisarossa. Vuonna 1873 hän siirtyi Pietariin Venäjän ensimmäiselle naislääkärikurssille, joka valmistui vuonna 1877 Pietarin keisarillisesta lääketieteellisestä akatemiasta. Lääketieteen tohtoriksi hän valmistui vuonna 1878. [2] Hänestä tuli tunnustettu lastensairauksien asiantuntija. Hän työskenteli koko työuransa ajan Oldenburgin lastensairaalassa Pietarissa.

Hän oli myös kirjailija ja osallistui maansa yhteiskunnalliseen keskusteluun esimerkiksi kääntämällä venäjäksi hyvinvointiin liittyviä ohjekirjoja. Hän edisti monin tavoin Venäjän naisten koulutusmahdollisuuksia. Šabanova oli vuonna 1895 perustamassa Venäjän naisten keskinäistä filantrooppista järjestöä. Se perusti Pietariin naisten asuntolan, lasten päiväkodin, avustuskassan ja työnvälitystoimiston. Hän alkoi vuodesta 1905 lähtien ohjata järjestön toimintaa puoluepolitiikan suuntaan saadakseen Venäjän naisille äänioikeuden. [3] [2] Hän järjesti 10. – 16.12.1908 yli tuhannen osallistujan voimin Venäjän naisten yleiskokouksen perustaakseen naisten puolueen. Sen perustaminen kuitenkin epäonnistui. [4]

Lokakuun vallankumouksen 1917 jälkeen Šabanova vetäytyi julkisesta toiminnasta. Toisaalta hänen monen vuoden taistelunsa peruste em kadonnut, koska Neuvostoliitossa Venäjän naisten ja miesten oikeudet olivat tasapuoliset, toisaalta kaikki yksityiset aloitteet kiellettiin. Anna Šabanova keskittyi kokonaan sairaalatyöhön. Oldenburgin sairaalan nimi muutettiin Rauhfusan sairaalaksi tohtori Karl Rauchfussin mukaan. Hän sai Neuvostoliiton Työn sankarin arvon vuonna 1928.


Anna Amalia da Prússia (1723–1787)

A princesa Anna Amalia nasceu em um castelo de Berlim, onde passaria a vida inteira. Irmã mais nova de Frederico II, o Grande, ela era um produto do Iluminismo, um período em que as mulheres desempenhavam um papel importante nos negócios públicos. Ela cresceu em um ambiente cultural rico e foi treinada por músicos da corte. A maioria dos relatos concorda que Anna Amalia só começou a compor na casa dos 40 anos. Curiosamente, ela se concentrou em compor marchas para regimentos militares para certos generais, um gênero raramente adotado por mulheres. Além disso, ela fundou uma coleção de biblioteca de música, que inclui partituras autografadas de Johann Sebastian Bach e outros compositores. Conhecida como Amalien Bibliothek, ela existe hoje em sua totalidade. Esta coleção revela seu alto nível de educação musical e seu gosto musical conservador. Anna Amalia também era patrona da música, e músicos de toda a Alemanha eram contratados pela corte. Sob sua influência, a música floresceu na corte prussiana, uma rica herança da qual toda a Alemanha se beneficiaria.

Cite este artigo
Escolha um estilo abaixo e copie o texto para sua bibliografia.

"Anna Amalia da Prússia (1723–1787)." Mulheres na História Mundial: Uma Enciclopédia Biográfica. . Encyclopedia.com. 16 de junho de 2021 & lt https://www.encyclopedia.com & gt.

"Anna Amalia da Prússia (1723–1787)." Mulheres na História Mundial: Uma Enciclopédia Biográfica. . Recuperado em 16 de junho de 2021 de Encyclopedia.com: https://www.encyclopedia.com/women/encyclopedias-almanacs-transcripts-and-maps/anna-amalia-prussia-1723-1787

Estilos de citação

A Encyclopedia.com oferece a capacidade de citar entradas e artigos de referência de acordo com os estilos comuns da Modern Language Association (MLA), do Chicago Manual of Style e da American Psychological Association (APA).

Na ferramenta “Citar este artigo”, escolha um estilo para ver a aparência de todas as informações disponíveis quando formatadas de acordo com esse estilo. Em seguida, copie e cole o texto em sua bibliografia ou lista de obras citadas.


Anna Šabanova ->

Anna & # x160abanova syntyi varakkaaseen aatelisperheeseen Smolenskin maakunnassa. [1] H & # xE4n osallistui alaik & # xE4isen & # xE4 radikaaliin poliittiseen liikehdint & # xE4 & # xE4n ja tuomittiin siit & # xE4 vuonna 1865 kuuden kuukauden vankeuteen [2]. Vapauduttuaan h & # xE4n alkoi pyrki & # xE4 l & # xE4 & # xE4k & # xE4riksi. T & # xE4h & # xE4n aikaan Suomen suuriruhtinaskunta oli ainoa paikka Ven & # xE4j & # xE4n valtakunnassa, koulutukseen falta & # XE4 Naisten sallittiin osallistua korkea-asteen, vuonna joten 1871 & # x160abanova aloitti opintonsa Keisarillisessa Aleksanterin-Yliopistossa Helsingiss & # XE4. Vuonna 1873 h & # xE4n siirtyi Pietariin Ven & # xE4j & # xE4n ensimm & # xE4iselle naisl & # xE4 & # xE4k & # xE4rikurssille, joka valmistui vuonna 1877 Pietarin keisarillisesta l & # xE4Eestarillisesta # xE4Eestkemia # xE4Eestkemia & # xE4Eestkemia # xE4E4 & # xEketkemia. L & # xE4 & # xE4ketieteen tohtoriksi h & # xE4n valmistui vuonna 1878. [2] H & # xE4nest & # xE4 tuli tunnustettu lastensairauksien asiantuntija. H & # xE4n ty & # xF6skenteli koko ty & # xF6uransa ajan Oldenburgin lastensairaalassa Pietarissa.

H & # xE4n oli my & # xF6s kirjailija ja osallistui maansa yhteiskunnalliseen keskusteluun esimerkiksi k & # xE4 & # xE4nt & # xE4m & # xE4ll & # xE4 ven & # xE4j & # xE4ksi hyvinja liEinja H & # xE4n edisti monin tavoin Ven & # xE4j & # xE4n naisten koulutusmahdollisuuksia. & # x160abanova oli vuonna 1895 perustamassa Ven & # xE4j & # xE4n naisten keskin & # xE4ist & # xE4 filantrooppista j & # xE4rjest & # xF6 & # xE4. Se perusti Pietariin naisten asuntolan, lasten p & # xE4iv & # xE4kodin, avustuskassan ja ty & # xF6nv & # xE4litystoimiston. H & # xE4n alkoi vuodesta 1905 l & # xE4htien ohjata j & # xE4rjest & # xF6n toimintaa puoluepolitiikan suuntaan saadakseen Ven & # xE4j & # xE4n naisille & # xE4 & # xE4nioikeuden. [3] [2] H & # xE4n j & # xE4rjesti 10. & # X201316.12.1908 yli tuhannen osallistujan voimin Ven & # xE4j & # xE4n naisten yleiskokouksen perustaakseen naisten puolueen. Sen perustaminen kuitenkin ep & # xE4onnistui. [4]

Lokakuun vallankumouksen 1917 j & # xE4lkeen & # x160abanova vet & # xE4ytyi julkisesta toiminnasta. Toisaalta h & # xE4nen monen vuoden taistelunsa peruste em kadonnut, koska Neuvostoliitossa Ven & # xE4j & # xE4n naisten ja miesten oikeudet olivat tasapuoliset, toisaalta kaikki yksityiset aloitteet kiellinetti. Anna & # x160abanova keskittyi kokonaan sairaalaty & # xF6h & # xF6n. Oldenburgin sairaalan nimi muutettiin Rauhfusan sairaalaksi tohtori Karl Rauchfussin mukaan. H & # xE4n sai Neuvostoliiton Ty & # xF6n sankarin arvon vuonna 1928.


Um dicionário biográfico de movimentos e feminismos femininos

Esse Dicionário biográfico descreve as vidas, obras e aspirações de mais de 150 mulheres e homens que eram ativos em, ou parte de, movimentos de mulheres e feminismos na Europa Central, Oriental e Sudeste. Assim, desafia a crença amplamente difundida de que não houve feminismo histórico nesta parte da Europa. Esses retratos biográficos inovadores e muitas vezes comoventes não apenas mostram que as feministas existiram aqui, mas também que eram generalizadas e diversificadas, e incluíam princesas romenas, filósofos e camponeses sérvios, romancistas letões e eslovacos, professores albaneses, assistentes sociais cristãos húngaros e ativistas do Movimento de mulheres católicas, operárias austríacas, cientistas feministas búlgaras e feministas socialistas, radicais russos, filantropos, sufragistas militantes e ativistas bolcheviques, escritores e filósofos proeminentes da era otomana, bem como ativistas políticas esquerdistas e nacionalistas republicanas turcas, feministas gregas reconhecidas internacionalmente líderes, farmacologistas estonianos e historiadores da ciência, 'feministas literárias' eslovenas, pintores de vanguarda tchecos, acadêmicas feministas ucranianas, membros do senado polonês e tcheco e muitos mais. Suas histórias juntas constituem uma rica tapeçaria da atividade feminista e corrigem um sério desequilíbrio na historiografia dos movimentos e feminismos das mulheres.

Agradecimentos
Membros do Conselho Consultivo (Coordenadores de País)
Abreviações e símbolos frequentemente usados ​​nas listas de fontes
Mapas
Introdução
Assuntos por país
As inscrições
Fatma Aliye Serpil Çakır


Referências

  1. Alberto Masoero, “Ideologias de Políticas de Espaço e Reassentamento na Rússia Imperial Tardia”, artigo apresentado no seminário avançado CBEES, outubro de 2011.
  2. Laura Engelstein, As chaves para a felicidade: sexo e a busca pela modernidade na Rússia do fim do século, Ithaca 1992.
  3. Catriona Kelly, Refinando a Rússia: Literatura de Conselhos, Cultura Educada e Gênero de Catherine a Eltsin, Oxford 2001, pp. 230-311 Plaggenborg, Stefan, Revoliutsiia i kultura [Revolução e cultura], São Petersburgo 2000.
  4. Richard Stites, O Movimento de Libertação das Mulheres na Rússia: Feminismo, Niilismo e Bolchevismo, 1860-1930, Princeton 1978 Barbara A. Engel, Mulheres na Rússia, 1700-2000, Cambridge 2004 Irina Iukina, Feminismo Russkii kak vyzov sovremennosti [O feminismo russo como um desafio da modernidade], São Petersburgo 2007.
  5. Anna Shabanova, “Rech na otkrytii s’ezda [Discurso na abertura da conferência]” Svetlana Aivazova, Russkie zhenshchiny v labirinte Ravnopraviia [Mulheres russas no labirinto da igualdade], Moscou 1998, pp. 171-176 Ariadna Tyrkova, “Rech na otkrytii s'ezda” [Discurso na abertura da conferência], ibid., Pp. 178-180 Sofia Tiurbert, “Zhenskii vopros i politicheskii stroi” [Questões femininas e o regime político], ibid., Pp. 181—197 Maria Blandova, “O nadzore za prostitutsiei” [Sobre o controle da prostituição], ibid., Pp. 256-261.
  6. N. I. Dubinina, "Pobeda velikogo oktiabria i pervye meropriiatiia partii v reshenii zhenskogo voprosa" [A vitória do grande outubro e as decisões do primeiro partido para resolver a questão das mulheres], em Opyt KPSS v reshenii zhenskogo voprosa [Experiência do PCUS em resolver a questão da mulher], Moscou 1981, pp. 14-34 V. S. Shakulova, "Kulturnaia revoliutsiia i zhenskii vopros" [A revolução cultural e a questão das mulheres], ibid., Pp. 77-102.
  7. Ver, por exemplo, Azade-Ayse Rorlich, "The Challenge of Belonging: The Muslims of Late Imperial Russia and the Contested Terrain of Identity and Gender", em Yaacov Ro’l (ed.), Democracia e pluralismo na Eurásia muçulmana, pp. 39-52, Londres e Nova York 2004 Marianne Kamp, Nova Mulher no Uzbequistão, Islã, Modernidade e Revelação sob o Comunismo, Seattle 2006 Douglas Northrop, Império Velado, Ithaca e Londres 2004 Alta Makhmutova, “Pora i nam zazhech zariu svobody”: Jadidismo i zhenskoe dvizhenie [“É um tempo para iluminar o amanhecer da liberdade”: Jadidismo e movimento de mulheres], Kazan 2006 Madina Tlostanova, Epistemologias de gênero e fronteiras da Eurásia, Basingstoke 2010.
  8. Marsil Fakhrshatov, Samoderzhavie i traditsionnye shkoly bashkir i tatar(1900—1917) [Escolas tradicionais Autocracy and Bashkir e Tatar (1900-1917)], Ufa 2000 Dmitrii Iskhakov, “Jadidism”, Islam i musulmanskaia kultura v Srednem Povolzhie: istoriia i sovremennost [Islã e a cultura muçulmana no Médio Volga: História e os dias atuais], Kazan 2002 Charles Kurzman, Islam Modernist, 1840-1940: A Source Book, Oxford 2002.
  9. Em muitos documentos de trabalho, essa comissão também foi chamada de “Comissão Soviética para o Trabalho entre Mulheres de Pessoas Culturalmente Atrasadas”.
  10. Gostaria de expressar minha gratidão a Galip Bozkurt por me ajudar com a tradução do turco.
  11. Jane Burbank, “An Imperial Rights Regime: Law and Citizenship in the Russian Empire”, em Kritika 7 (verão de 2006), pp. 416-419. A organização imperial baseava-se no pressuposto de que “cada grupo tinha um modo de vida singular em que a etnia, a religião e os costumes eram coerentes” (p. 422).
  12. Michael A. Reynolds, Despedaçando Impérios: O choque e colapso dos Impérios Otomano e Russo, 1908-1918, Cambridge 2011, pp. 92-93.
  13. Rorlich, op. cit., p. 44
  14. Kaspii foi o jornal de língua russa publicado em Baku desde o final do século 19 no início do século 20 Alimardan-Bek Topchibasi (Topchibashev), líder do movimento nacionalista azeri, tornou-se seu editor-chefe.
  15. Kaspii 1917-11-30.
  16. Ver, por exemplo, Kurzman, op. cit.
  17. V. Iu. Gankevich e S. P. Shendrikova, Ismail Gasprinskii i vozniknoveniie liberalno-musulmanskogo politicheskogo dvizheniia [Ismail Gasprinsky e o surgimento do movimento liberal muçulmano], Simferopol 2008, p. 11
  18. Ver, por exemplo, Makhmutova, op. cit., 2006.
  19. Fakhreddin bin Ruzaeddin, “Znamenitye zhenshchiny” [Mulheres famosas] em Belskie prostory [A vasta Belaia], janeiro de 2008, p. 128
  20. Atitudes semelhantes em relação às mulheres podem ser encontradas na Turquia. Por exemplo, Fatma Aliye (1862-1936) “deu importância primária à família e considerou as mulheres como a força motriz da 'civilização' por meio de seus papéis de mães” (Serpil Çakir, Fatma Aliye, Francisca de Haan, Krassimira Daskalova e Anna Loutfi , Um dicionário biográfico de movimentos femininos e feminismos: Europa Central, Oriental e Sudeste, séculos 19 e 20, Budapeste 2006, p. 22). Ulviye Mevlan Civelek também exigiu igualdade entre homens e mulheres nas páginas da revista que editou em Istambul (ibid., P. 337).
  21. Vera Tolz, O próprio Oriente da Rússia: a política de identidade e os estudos orientais no final do período imperial e no início do período soviético, New York e Oxford 2011, pp. 168-170.
  22. Olga Lebedeva, "Rech proiznesennaia OS Lebedevoi, pochetnoi predsedatelnitsei i osnovatelnitsei obshchestva Vostokovedeniia na 16m mezhdunarodnom kongresse orientalistov v Algire, 6/19 aprelia 1905 estudo do presidente honorário e fundador goda" oriente, por ocasião do 16º congresso internacional de orientalistas em Argel, 1/19 de abril de 1905], em Les Nouveaux Droit de la Femme Musulmane, St. Petersburg 1905, pp. 14-16.
  23. Iukina, op. cit.
  24. Eu estava usando uma coleção de artigos deste jornal preservados no NART e os arquivos pessoais de Shafika Gaspirali - Kaspii, 1917 (coleção de artigos preservados no Arquivo Nacional da República do Tartaristão, afeiçoado 186, op. 1, delo 77).
  25. Quando não havia candidatos muçulmanos, os muçulmanos eram aconselhados a votar em candidatos ucranianos ou lituanos (Kaspii 11/09/1917). Isso mostra que os políticos muçulmanos colocaram ênfase em alianças dentro das comunidades muçulmanas e com representantes de outros grupos minoritários.
  26. Kaspii 1917-10-25.
  27. Sagit Faizov, Dvizhenie musulmanok Rossii za prava zhenshchin v 1917 godu: stranitsy istorii [Movimento de mulheres muçulmanas pelos direitos das mulheres na Rússia em 1917: páginas de história], Nizhnii Novgorod 2005 Makhmutova, op. cit.
  28. Como citado em Materialy i dokumenty po istorii obshchestvenno-politicheskikh dvizhenii sredi Tatar, 1905-1917 [Materiais e documentos sobre a história dos movimentos sociais e políticos entre os tártaros, 1905-1917], Kazan 1998, pp. 68-70.
  29. “Obraschenie Tsentralnogo organizatsionnogo biuro musulmanok Rossii k musulmankam” [Discurso do Escritório Central de Organização das Mulheres Muçulmanas da Rússia para as Mulheres Muçulmanas], 20/06/1917. Citado de acordo com a tradução de Sagit Faizov do tártaro para o russo, www.gender-az.org. A tradução do documento para o turco é preservada no NART, afeiçoado 186, op. 1, delo 32, p. 8
  30. O Estatuto de um deles, da Crimeia, pode ser encontrado em Sengul Hablemitoglu, Necip Hablemitoglu, Sefika Gaspirali ve Rusya’da Turk Kadin Hareketi (1893-1920), Ankara 1998, pp. 498-506.
  31. Kaspii 1917-08-15.
  32. Como citado em Materialy . pp. 88-89.
  33. Como citado em Materialy . pp. 68-70.
  34. Engel, op. cit. Wendy Goldman, Mulheres, o Estado e a Revolução: Política Familiar Soviética e Vida Social, 1917-1936, Cambridge 1993.
  35. Imanutddin Sulaev, "Musulmanskie s’ezdy Povolzhia i Kavkaza v 1920e gody" [congressos muçulmanos da região do Volga e do Cáucaso na década de 1920], Voprosy istorii [Perguntas da história], 2007: 9, pp. 141-143.
  36. Veja Kurzman, op. cit., pp. 239-255. Já em meados da década de 1920, as tentativas dos intelectuais muçulmanos de cooperar com os bolcheviques encontraram muitos problemas, a maioria daqueles que não haviam emigrado na década de 1930 foram presos e assassinados durante os anos de terror de Stalin. Veja Makhmutova, op. cit.
  37. Talgat Nasyrov, "Repressirovannaia tatarskaia pressa (1917-1918)" [The Repressed Tatar Press (1917-1918)], em Gasyrlar avazy / Ekho vekov [Eco dos séculos], 2006: 1.
  38. Nikolai Smirnov, Chadra [O véu], Moscou 1929, p. 28. Isso é bastante semelhante às idéias do feminismo muçulmano hoje (ver Tlostanova, op. Cit.).
  39. Smirnov, op. cit., p. 31
  40. Zora Baimbetova, “Tatarka za gody revoliutsii” [A mulher tártara nos anos da revolução], em Na novom puti- zhurnal zhenotdela OK Tatrespubliki posviashchennyi 8-mu marta [Na nova estrada: a revista do Zhenotdel da República do Tártaro dedicada à celebração do 8 de março], Kazan 1923, p. 22
  41. Ibid., P. 21
  42. A. I. Mikhailov, Chuvashka [A mulher Chuvash], Moscou 1928.
  43. E. Shteinberg, Tatarka [The Tatar Woman], Moscou 1928, pp. 16-17.
  44. Shteinberg, op. cit., pp. 17-18.
  45. Arquivo do Estado da Federação Russa (GARF) - Comissão para a melhoria do trabalho e da vida cotidiana das mulheres - afeiçoado 6983, op. 1, delo 1, pp. 1-2.
  46. GARF, f. 6983, op. 1, delo 15 - Relatório da Comissão para a Melhoria do Trabalho e da Vida Cotidiana das Mulheres do Oriente organizada pela BaskTsik ao término de um ano de seu trabalho, outubro de 1928, p. 8
  47. GARF, f. 6983, op. 1, delo 15 - carta escrita em 11/05/1928, pp. 113-114.
  48. Veja, por exemplo, Alta Makhmutova, "Lish tebe, narod, sluzhenie!" Istoriia tatarskogo prosveshcheniia v sudbakh dinastii Nigmatullinykh-Bubi [“Servindo apenas a vocês, meu povo!” A história da iluminação tártara na história da dinastia Nigmatullin-Bubi], Kazan 2003.

Por Yulia Gradskova

Professor associado do Instituto de História Contemporânea da Universidade Södertörn. Interesse de pesquisa: abordagem descolonial, estudos de gênero, particularmente “mulheres do Oriente”, estudos da cultura pós-socialista.

Ensaios são artigos científicos.

Todos foram revisados ​​por especialistas. É o conselho consultivo científico que é responsável pela revisão por pares. Um pré-requisito para a publicação de artigos científicos no BW é que o artigo ainda não tenha sido publicado em inglês em outro lugar. O conselho consultivo científico inclui acadêmicos de vários países e disciplinas.


Anna Shabanova - História

  • Benjamin Jones (investigador principal)
    [email protected] (907)474-7209
  • Anne Jensen (Investigadora Co-Principal)
  • Louise Farquharson (Co-Investigadora Principal)
  • Christopher Maio (Co-Investigador Principal)

RESUMO

1927553 (Jones) 1927137 (Xiao) 1927373 (Tweedie) Os sistemas costeiros permafrost são um dos componentes dos sistemas da Terra que mudam mais rapidamente. O projeto Permafrost Coastal Systems Network (PerCS-Net) preencherá lacunas de conhecimento fundamental em ciência, engenharia e questões sociais associadas às costas afetadas por permafrost no Ártico, conectando mais de dez redes nacionais e internacionais existentes. A PerCS-Net posicionará nossa nação ao lado de colaboradores internacionais para capacitar novas comunidades de pesquisa, diversificar pesquisadores do Ártico, se envolver na co-produção de conhecimento e promover a ciência em equipe de longa duração necessária para enfrentar os desafios conhecidos e emergentes do Ártico em mudança. Esta rede de redes desenvolverá protocolos reconhecidos internacionalmente para quantificar e sintetizar informações sobre os impactos que ocorrem nos sistemas permafrost costeiros. Também fornecerá uma estrutura para avaliar os riscos para as economias locais e globais e para transferir conhecimento que levará a estratégias de adaptação nas regiões árticas. A PerCS-Net promoverá a sinergia entre as redes para fomentar a próxima geração de estudantes, acadêmicos de pós-doutorado e pesquisadores em início de carreira encarregados de identificar soluções potenciais para as mudanças que ocorrem no sistema ártico.

Não há lugar mais representativo dos desafios enfrentados na interseção dos sistemas naturais, sociais e construídos do que o Ártico. A PerCS-Net desenvolverá uma rede guarda-chuva transdisciplinar para sinergizar conjuntos de dados existentes, expandir observações no espaço e no tempo, integrar técnicas de detecção in-situ, coordenar objetivos entre redes e se envolver em esforços de síntese. O novo conhecimento informará as agências intergovernamentais, bem como a pesquisa internacional e programas de extensão para tomar decisões e políticas baseadas na ciência na adaptação à dinâmica do sistema costeiro permafrost. As atividades da rede incluem reuniões presenciais anuais em locais nacionais e internacionais, reuniões mensais por webinar, divulgação em comunidades costeiras do Ártico, publicações de síntese e intercâmbio de alunos e pesquisadores em início de carreira. Os resultados esperados da PerCS-Net se integrarão a uma estrutura para o compartilhamento de conhecimento transformador de indivíduos e organizações que cooperam entre fronteiras políticas, culturais e disciplinares para abordar questões críticas de ciência, engenharia e sociais em resposta aos sistemas costeiros de permafrost no Ártico em mutação.

O programa Accelerating Research through International Network-to-Network Collaborations (AccelNet) é projetado para acelerar o processo de descoberta científica e preparar a próxima geração de pesquisadores dos EUA para colaborações internacionais multiteam. O programa AccelNet apóia ligações estratégicas entre redes de pesquisa dos EUA e redes complementares no exterior que alavancarão recursos de pesquisa e educação para enfrentar grandes desafios científicos que exigem esforços internacionais coordenados significativos. Este projeto foi co-financiado pelo Arctic System Science Program no Office of Polar Programs.

Este prêmio reflete a missão estatutária da NSF e foi considerado digno de apoio por meio de avaliação usando o mérito intelectual da Fundação e critérios de revisão de impactos mais amplos.

PUBLICAÇÕES PRODUZIDAS COMO RESULTADO DESTA PESQUISA

Observação: Ao clicar em um número do Digital Object Identifier (DOI), você será levado a um site externo mantido pelo editor. Alguns artigos com texto completo podem ainda não estar disponíveis gratuitamente durante o embargo (intervalo administrativo).

Alguns links nesta página podem levar você a sites não federais. Suas políticas podem diferir deste site.


Ideologia política

A partir de 1905, ela conduziu a Sociedade Filantrópica Mútua de Mulheres Russas para a política, instando seus membros a fazerem campanha pela representação de mulheres em qualquer futura assembléia nacional que pudesse ser formada. [3] Ela concebeu e organizou o primeiro Congresso das Mulheres Russas de 10 a 16 de dezembro de 1908, que ocorreu sob o olhar atento dos censores da polícia. Suas tentativas na conferência de fundar uma organização nacional de mulheres e se afiliar a outras internacionais foram bloqueadas por grupos socialistas que as viam como um enfraquecimento da solidariedade de classe ao formar ligações entre as classes. [4]

Ela criticava fortemente o czar Nicolau II e a monarquia autocrática. Ela queria que a Rússia tivesse sufrágio universal e que o governo russo permitisse a liberdade de expressão e acabasse com a censura política de jornais e livros. [1]


Yandex aumenta a receita do mercado móvel com o programa de parceria global

Moscou, Rússia e Londres, Reino Unido. 12 de outubro de 2016. Hoje, a Yandex (NASDAQ: YNDX), uma empresa de tecnologia que desenvolve produtos e serviços centrados no usuário movidos por inteligência artificial, anuncia o lançamento de seu programa de parceria global para fabricantes de celulares Android e operadoras de telecomunicações.

Os parceiros da Yandex irão pré-instalar seus produtos proprietários, Yandex Browser e Yandex Launcher, para atingir a diferenciação do dispositivo, aprimorar a experiência do usuário final e obter receita adicional por meio de seu modelo de compartilhamento de receita de anúncios. A primeira rodada de parceiros Yandex inclui Fly, LAVA, Mobile TeleSystems, Multilaser, Posh Mobile, Wileyfox e ZTE, tornando os produtos Yandex disponíveis na Europa, Índia, América Latina e África.

“Os fabricantes de dispositivos muitas vezes precisam escolher entre desenvolver software interno com um custo indireto enorme ou sacrificar a diferenciação do produto e receita adicional. Alguns OEMs pré-instalam tantos aplicativos quanto possível. Infelizmente, isso tem um efeito negativo na experiência do usuário e é contraproducente para suas marcas a longo prazo ”, explicou Artem Fokin, vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios Internacionais da Yandex. “Nosso software e tecnologia de inteligência artificial têm como objetivo sacudir o mercado e ajudar nossos parceiros a superar esses desafios, reduzir a rotatividade de clientes e aumentar as margens de lucro”, continuou ele.

Os produtos móveis Yandex apresentam interfaces de usuário simples, mas poderosas, que podem ser facilmente personalizadas de acordo com os requisitos de identidade da marca dos parceiros. O modelo de compartilhamento de receita permite que os parceiros obtenham receita adicional com recomendações de aplicativos no Yandex Launcher e com anúncios no Yandex Zen, um feed de recomendação de conteúdo personalizado.

Yandex Zen oferece aos usuários instantâneos de artigos, notícias, vídeos, imagens e outras histórias que combinam com seus interesses pessoais na forma de um feed infinito. Yandex Zen é um componente principal do Yandex Browser e Yandex Launcher. Todos os produtos incorporam os mais recentes desenvolvimentos em aprendizado de máquina e inteligência artificial.

O programa de parceria global da Yandex para fabricantes de aparelhos Android e operadoras de telecomunicações cobre atualmente 15 países.


Assista o vídeo: Анна живет иллюзиями и смотрит на мир сквозь розовые очки Супермама 2 сезон Выпуск 47