Adele Crepaz

Adele Crepaz

Adele (Adelaide) Crepaz, filha de um funcionário do governo, nasceu na Áustria em 24 de outubro de 1849. Tornou-se jornalista e trabalhou em Viena para Wiener Allgemeine Zeitung, An der Schönen Blauen Donau e Wiener Hausfrauen-Zeitung.

Livro de Crepaz, A emancipação das mulheres e suas prováveis ​​consequências, foi publicado em Leipzig em 1892. Crepaz deixa claro que é uma forte oponente do sufrágio feminino e cita uma declaração publicada por um grupo de mulheres que mais tarde se tornaram ativas na Liga Anti-Sufrágio: "Estamos convencidos de que a busca de uma mera igualdade exterior com os homens é para as mulheres não apenas vã, mas desmoralizante. Leva a uma concepção totalmente errônea da verdadeira dignidade e missão especial das mulheres. Tende à luta pessoal e à rivalidade, onde o único esforço de ambas as grandes divisões da família humana deve contribuir com o trabalho característico e os melhores presentes de cada uma das ações ordinárias. "

Crepaz argumenta no livro que se meninas e meninos recebem uma educação igual, a menina terá sucesso mais rápido simplesmente porque é superior: "a inteligência de uma menina é mais rápida, sua ambição maior, sua consciência moral mais desenvolvida". E acrescenta: "Suponhamos que a igualdade das mulheres com o homem seja um fato estabelecido, temos então a mulher ao lado do homem na grande arena da vida, lutando pelos mesmos objetivos, pelos mesmos direitos, inconscientemente, sem vontade ou intenção, ferindo seus interesses. "

Susan K. Harris, autora de O trabalho cultural da hostess do final do século XIX (2004), apontou: "Se as mulheres assumirem os empregos, argumenta Crepaz, os homens não serão capazes de sustentar esposas e famílias. Conseqüentemente, as taxas de casamento diminuirão. E se as taxas de casamento diminuirem, a cultura falhará. Além disso, as mulheres que o trabalho não será capaz de servir seus maridos como deveriam, com a consequência de que a natureza da mulher será impedida. Até mesmo as médicas acabam minando o papel sagrado das mulheres. Em vez de tentar servir em mais de uma capacidade, as mulheres devem se lembrar que o maior o papel cívico é criar bem os filhos, e o papel moral mais elevado é servir aos maridos. "

William Gladstone, o primeiro-ministro britânico e oponente do sufrágio feminino, leu o livro em alemão. Ele escreveu a Crepaz para dizer que "parece-me, de longe, o trabalho mais abrangente, luminoso e penetrante sobre essa questão que eu já encontrei". Em 1893, foi traduzido para o inglês e publicado em Londres. Incluía a carta que Gladstone enviara a Crepaz. Ellis Wright, que fez a tradução, sugeriu: "Embora .... reconhecendo mais plenamente os benefícios que as mulheres da Grã-Bretanha têm de aumentar as facilidades de auto-sustento, é contra sua reivindicação de direitos políticos e sociais iguais aos dos homens que Frau Crepaz protestaria seriamente, convencida de que nisso reside muito perigo para o bem-estar da humanidade. O reconhecimento de suas opiniões pelo primeiro-ministro da Inglaterra é uma indicação de que eles não estão sem apoiadores neste país. "

Gladstone enviou cópias do livro a membros femininos do Partido Liberal que apoiavam o direito ao voto às mulheres. Margaret Cowell Stepney foi uma das que enviaram seus comentários sobre o livro ao primeiro-ministro: "Sinto-me terrivelmente presunçosa em me aventurar, de qualquer forma, a criticar um livro que você recomendou - mas como você foi bom o suficiente para me dizer para dizer o que pensei, devo responder com sinceridade ... Não posso acreditar que haja mais perigo nas mães tornarem suas filhas autossustentáveis ​​do que nas mães que consideram o casamento como o único objetivo da existência - e, parece, para mim seja possivelmente um ponto fraco na sugestão de que quando o marido morrer, a viúva que não pode trabalhar, pode sempre procurar ajuda, com confiança, de parentes, amigos e instituições de caridade - certamente no caso deles pelo menos - viúvas - meninas que não podem se casar - ou que só podem se casar, como meio de vida - pode haver razão para desejar que as mulheres tenham independência de profissão? "

Adele Crepaz morreu em 1919.

Suponhamos que a igualdade da mulher com o homem seja um fato estabelecido, temos então a mulher ao lado do homem na grande arena da vida, lutando pelos mesmos fins, pelos mesmos direitos, inconscientemente, sem vontade ou intenção, ferindo seu interesses.

Se as mulheres assumirem os empregos, argumenta Crepaz, os homens não poderão sustentar as esposas e famílias. Em vez de tentar servir em mais de uma função, as mulheres devem lembrar que o maior papel cívico é criar bem os filhos e que o papel moral mais elevado é servir aos maridos.

Parece-me que foi escrito com imenso pensamento - as ideias (até onde posso julgar) são lindamente expressas - e o rastreamento das próprias raízes da questão, em todos os tempos e países, é profundamente interessante - e torna-o pensar sobre todo o grande problema de uma maneira totalmente nova. Com todos os pontos de vista de Mme Crepaz quanto à bem-aventurança da maternidade e ao dever supremo das mulheres para com seus maridos e filhos ...

Não posso acreditar que haja mais perigo nas mães tornarem suas filhas autossustentáveis ​​do que nas mães que consideram o casamento o único objetivo da existência - e, parece-me haver possivelmente algum ponto fraco na sugestão de que quando o morre o marido, a viúva que não pode trabalhar, pode sempre buscar ajuda, com confiança, de parentes, amigos e instituições de caridade - certamente no caso deles pelo menos - viúvas - meninas que não podem se casar - ou que só podem se casar, como um meio de subsistência - pode haver razão para desejar que as mulheres tenham independência de uma profissão?

Gostaria que a sra. Crepaz tivesse falado um pouco mais sobre o sufrágio feminino. Minha sincera esperança é que algum dia - alguma maneira possa ser encontrada, para as mulheres darem seus votos (ou enviá-los por procuração ou pelo correio), sem elas mesmas entrarem mais na vida política - e sem perturbar a sagrada quietude do lar - mas, se sua decisão eventualmente for contra essa esperança - é claro que sentirei que você deve estar certo - e que eu devo estar errado. Sinto-me terrivelmente presunçoso em me aventurar, de qualquer forma, a criticar um livro que você recomendou - mas como você foi bom o suficiente para me dizer para dizer o que pensei, devo responder com sinceridade.


Adele Crepaz - História



A pergunta das oito horas
por John M. Robertson John Mackinnon Robertson (1856-1933)
Londres, Swan Sonnenschein e Nova York, Charles Scribner, 1899 (Série de Ciências Sociais). 2ª Edição.

Capa dura em tecido escarlate com títulos dourados e decorações no painel frontal e lombada. Sem invólucro de poeira, conforme emitido. xii, 150 páginas. Tamanho: Octavo (20 cm). Este livro discute o Movimento das Oito Horas.


SÉRIE DE CIÊNCIAS SOCIAIS (SWAN SONNENSCHEIN & amp CO.)
Nota da série: Formato: Capas duras encadernadas em tecido escarlate com títulos pretos na frente e títulos dourados e colofão na lombada.

Preço: Série principal - 2s 6d. Volumes duplos - 3s. 6d.

(A) SÉRIE PRINCIPAL

Organizado por número de série

1. Trabalho e salários - Prof. J. E. Thorold Rogers.
TB: Oito capítulos sobre a história do trabalho e salários sendo uma reimpressão dos capítulos VIII., XII., XIV., XV., XVI., XVIII., XIX., XX., De & quotSeis séculos de trabalho e salários & quot. 7ª edição. - James Edward Thorald Rogers. 1902.
2. Civilização: sua causa e cura - Edward Carpenter. 1903.
3. A Quintessência do Socialismo - Dr. A. Schaffle. 3ª ed., 1891. & quot Edição em inglês traduzida da oitava edição alemã sob a supervisão de Bernard Bosanquet. & Quot O prefácio diz: & quotAs páginas seguintes apareceram pela primeira vez em 1874 na 'Deutsche Blatter'. & Quot
4. Darwinismo e Política - D. G. Ritchie, M.A. (Oxon.). Nova edição, com dois ensaios adicionais publicados como: Ensaios sobre a evolução humana. 2ª ed., 1891. vi, 142 pp.
5. The Religion of Socialism, Being Essays in Modern Socialist Criticism - E. Belfort Bax. 1908.
6. The Ethics of Socialism, Being Further Essays in Modern Socialist Criticism, & ampc. - E. Belfort Bax [Ernest Belfort Bax]. 1902.
7. A questão da bebida: seus aspectos sociais e médicos - Dra. Kate Mitchell. 1891.
8. A promoção da felicidade geral: um ensaio utilitarista - Prof. M. Macmillan
9. Ideal da Inglaterra: e outros artigos sobre assuntos sociais - Edward Carpenter. 1887. 148 pp.
10. Socialismo na inglaterra - Sidney Webb, LL.B. 1893.

11. O Príncipe Bismarck e o Socialismo de Estado: Uma Exposição da Legislação Social e Econômica da Alemanha desde 1870 - W. H. Dawson [William Harbutt Dawson]. 2ª ed., 1891.
12. Godwin's & quotPolitical justice & quot: A Reprint of the Essay on & quotProperty & quot from the Original Edition - H. S. Salt [Henry S. Salt], ed. 1890.
13. A História da Revolução Francesa - E. Belfort Bax [Ernest Belfort Bax]. 1902.
14. A Comunidade Cooperativa: Uma Exposição do Socialismo Moderno - Laurence Gronlund. 3ª ed., 1891.
15. Ensaios e endereços - Bernard Bosquanet, M.A. (Oxon.). 2ª ed., 1891.
16. Organização de caridade - C. S. Loch, Secretário da Sociedade de Organizações de Caridade. 1890. & quotReimpressão de um artigo intitulado De l'organisation de l'assistance, escrito para o Congr & egraves international d'assistance realizado em Paris em julho e agosto de 1889. & quot - Prefácio.
17. Artigos antiescravagistas e de reforma de Thoreau. Selecionado e editado por H.S. Sal. 1890.
18. Autoajuda há cem anos - G. J. Holyoake [George Jacob Holyoake>. 1891.
19. O Reformatório do Estado de Nova York em Elmira - Alexander Winter. Com prefácio de Havelock Ellis. 1891. x, 172 pp.
20. Senso Comum sobre Mulheres - T. W. Higginson [Thomas Wentworth Higginson].

21. O incremento imerecido: Ou, colhendo sem semear - W. H. Dawson [William Harbutt Dawson]. 1ª ed., 1890. 3ª ed., 1910.
22. Nosso destino: a influência do socialismo na moral e na religião: um ensaio de ética - Laurence Gronlund. 1890. viii, 170 pp.
23. O Movimento da Classe Trabalhadora na América - Dr. Edward e E. Marx Aveling. 1891.
24. Luxo - Prof. Emile de Laveleye. 1891. iv, 179, 9 pp.
25. A terra e os trabalhadores - Rev. C. W. Stubbs [Charles William Stubbs], M.A. 1891. 228 pp.
26. A evolução da propriedade da selvageria à civilização - Paul Lafargue. 1905.
27. Crime e suas causas - W. Douglas Morrison, da Prisão HM, Wandsworth. 1891 1902.
28. Princípios da Interferência do Estado: Quatro Ensaios sobre a Filosofia Política do Sr. Herbert Spencer, J. S. Mill e T. H. Green - D. G. Ritchie, M.A. 2ª ed., 1891.
29. Socialismo alemão e Ferdinand Lassalle: uma história biográfica dos movimentos socialistas alemães durante este século - W. H. Dawson [William Harbutt Dawson]. 1888 1891 1899.
30. A bolsa e a consciência: uma tentativa de mostrar a conexão entre economia e ética - H. M. Thompson [Herbert Metford Thompson], B.A. (Cantab.). 1891.

31. A Origem da Propriedade na Terra - Fustel de Coulanges. Editado com um Capítulo introdutório sobre a Mansão Inglesa, pelo Prof. W. J. Ashely, M.A. 1892.
32. A república inglesa - W. J. Linton. Editado por Kineton Parkes. 1891.
33. O Movimento Cooperativo na Grã-Bretanha - Beatrice Potter. 1895. xii 260 pp.
34. Guildas de bairro: um instrumento de reforma social - Dr. Stanton Coit. 1892.
35. Humanistas modernos: estudos sociológicos de Carlyle, Mill, Emerson, Arnold, Ruskin e Spenser - J. M. Robertson. 1908.
36. Perspectivas do novo ponto de vista - E. Belfort Bax [Ernest Belfort Bax]. 1903.
37. Distribuindo sociedades cooperativas: um ensaio sobre economia social - Dr. Luigi Pizzamiglio. Editado por F. J. Snell. 1891. xiv, 185 pp. Tradução da Societa cooperative di consumo.
38. Coletivismo e socialismo da escola liberal: uma crítica e uma exposição - A. Nacquet. Editado por W. Heaford [William Neaford]. 1895.
39. The London Program - Sidney Webb, LL.B. 1891. vi, 218 pp.
40. O Estado Moderno em relação à Sociedade e ao Indivíduo - Paul Leroy Beaulieu. Traduzido por A. C. Morant. 1891.

41. A Condição do Trabalho: Uma Carta Aberta ao Papa Leão XIII (Edição Popular) - Henry George. 1895 1898.
42. O espírito revolucionário anterior à Revolução Francesa - Felix Rocquain. Condensado e traduzido por J. D. Hunting. Com um Prefácio do Professor Huxley. 1891. 186 pp.
43. O Marx do Aluno: Uma Introdução ao Estudo da Capital de Karl Marx - Edward Aveling, M.A. 1891. Quarta impressão, 1902. xvi, 180 pp.
44. Uma breve história do Parlamento - B.C. Skottowe [Britliffe Constable Skottowe], M.A. (Oxon.). 1886.
45. Pobreza: sua gênese e Êxodo: uma investigação sobre as causas e o método de sua remoção - J. G. Goddard [John George Godard]. 1892. xii, 160 pp. Inclui notas de rodapé bibliográficas e índice.
46. A Política Comercial da Federação Imperial do Ponto de Vista Econômico - Maurice H. Hervey. 1892. x, 182 pp.
47. The Dawn of Radicalism - J. Bowles Daly, LL.D. 1892. xi, 252 p.
48. O destituído na Grã-Bretanha - Arnold White, Montague Crackanthorpe, Q.C., W. A. ​​McArthur, W. H. Wilkins, & ampc.
49. Ilegitimidade e a influência das estações na conduta - Albert Leffingwell, M.D. 1892. vi, 160 pp.
50. Crises Comerciais do Século XIX - H. M. Hyndman. 1892. 174 pp.

51. O estado e as pensões na velhice - J. A. Spender e Arthur Acland, M.P. 1900.
52. A falácia de salvar: um estudo em economia - John M. Robertson [John Mackinnon Robertson]. 1892. viii, 148 pp.
53. O Camponês Irlandês: Um Estudo Sociológico. Editado de Artigos Originais, por A Guardian of the Poor. 1892. xi, 164.
54. Os efeitos da maquinaria nos salários - Prof. J. S. Nicholson [Joseph Shield Nicholson], D.Sc. 1892. x, 143 pp.
55. The Social Horizon, pelo autor de & quotLife in Our Villages & quot [ou seja, George Francis Millin]. 1893. iv, 163 pp.
56. Socialismo, utópico e científico - Frederick Engels [ou seja, Friedrich Engels]. 1892. xxxix, 117pp. Traduzido por Edward Aveling. Com uma introdução especial do autor.
57. Nacionalização de terras, sua necessidade e seus objetivos: ser uma comparação do sistema de senhorios e inquilinos com o de ocupação da propriedade em sua influência no bem-estar das pessoas - A. R. Wallace [Alfred Russel Wallace]. 1896 1909.
58. A ética da usura e do interesse: um estudo em socialismo inorgânico - Rev. W. Blissard [William Blissard]. 1892. viii, 194 pp.
59. A emancipação das mulheres e suas prováveis ​​consequências - Adele Crepaz. Com uma carta à autora do Rt. Exmo. W. E. Gladstone, M.P. Traduzido por Ellis Wright [pseudônimo da Sra. Ellen Waugh]. 1893. vi 130 pp.
60. A pergunta das oito horas - John M. Robertson. 1893.

61. Embriaguez - George R. Wilson, M.B., C.M., Médico Assistente, The Royal Asylum, Morningside, Edimburgo. 1893. xiv, 161 p.
62. A Nova Reforma e sua Relação com Problemas Morais e Sociais - Ramsden Balmforth. 1893.
63. O trabalhador agrícola: um breve resumo de sua posição - T. E. Kebbel [Thomas Edward Kebbel]. 2ª ed., 1893. 271 páginas.
64. Ferdinand Lassalle como um reformador social - E. Bernstein [Eduard Bernstein]. Traduzido por Eleanor Marx Aveling. 1893.
65. Comércio exterior da Inglaterra no século XIX - A. L. Bowley.
66. Teoria e Política de Proteção do Trabalho - Dr. A. Schaffle [Albert Eberhard Friedrich Schaffle]. 1893. vi, 186 pp. Apêndice: Projeto de emenda do código industrial (Alemanha).
67. Autoajuda pelo povo: a história dos pioneiros de Rochdale - G. J. Holyoake [George Jacob Holyoake]. 1893.
68. Os direitos das mulheres: um estudo comparativo em história e legislação - M. Ostrogorski [Moritz Ostrogorski]. 1908.
69. As moradias dos pobres e dos assalariados semanais nas cidades e arredores - T. Locke Worthington. 1893.
70. Horas e salários em relação à produção - Dr. Lujo Brentano. Traduzido pela Sra. William Arnold. 1894.

71. A ascensão da democracia moderna na Velha e na Nova Inglaterra - Charles Borgeaud. Traduzido pela Sra. Birkbeck Hill. Com um prefácio de C. H. Firth, M.A. 1894. xvi, 168 pp.
72. Sistemas Terrestres da Australásia - William Epps. 1894.
73. A tirania do socialismo - Yves Guyot. Prefácio de J. H. Levy. 1894. xl, 264 pp.
74. População e Sistema Social - Francesco S. Nitti [Francesco Saverio Nitti]. 1894.
75. A questão trabalhista: um resumo das evidências e do relatório da Comissão Real sobre o Trabalho - T. G. Spyers [Thomas George Spyer]. 1894.
76. Mulheres Livres Britânicas: Seu Privilégio Histórico - C. C. Stopes [Charlotte Carmichael Stopes]. 1894. 196 pp.
77. Suicídio e demência: um estudo fisiológico e sociológico - S. A. K. Strahan [Samuel Alexander Kenny], M.D. 1894.
78. Uma história de dízimos - Rev. H. W. Clarke [Henry William Clarke]. 1894.
79. Três meses em um workshop: um estudo prático - Paul Gohre, Secretário Geral do Congresso Social Evangélico. Traduzido do alemão, por A. B. CARR, com nota introdutória do Prof. Richard T. Ely. 1895.
80. Darwinismo e progresso racial - Prof. J. B. Haycraft [John Berry Haycraft]. 1900.

81. Tributação e finanças locais - G. H. Blunden. 1895.
82. Perigos para o comércio britânico: como evitá-los - E. Burgis [Edwin Burgis]. 2ª ed., 1895. xvi, 251 pp.
83. O Contrato Social - J.-J. Rousseau. Editado por H.J. Tozer.
84. Trabalho Cooperativo sobre a Terra: O Relatório de uma Conferência sobre 'Terra, Cooperação e os Desempregados' realizada na Prefeitura de Holborn em outubro de 1894 - J. A. Hobson, M.A., ed. 1895. xvi, 140 pp.
85. Patologia Moral - Arthur E. Giles, M.D., B.Sc. 1895. viii, 179 pp.
86. Parasitismo, orgânico e social - Jean Massart e Emile Vandervelde. Traduzido por William Macdonald. Revisado por J. Arthur Thomson. 1895. xi, 124 pp. Tradução de Parasitisme organique et parasitisme social.
87. Loteamentos e pequenas propriedades - J. L. Green. 1896.
88. Dinheiro e suas relações com os preços - L. L. Price [Langford Lovell Frederick Rice]. 1896. vi, 200 pp.
89. Sóbrio por lei do Parlamento - F. A. Mackenzie [Fred A. McKenzie]. 1896.
90. Trabalhadores em suas indústrias. Editado, com uma introdução, por Frank W. Galton. 1895. xvi, 239 p. Conteúdo: A necessidade e o valor da educação técnica por C. T. Millis Costureiras e alfaiates por F. Hicks Trabalhadores em metais preciosos por W. A. ​​Steward Construção naval por W. C. Steadman Gravura em madeira etc. & quotEssays. Originalmente ministrado como um curso de palestras sobre indústrias, no instituto South Place, na tarde de domingo durante o inverno de 1893-4. & Quot

91. Revolução e Contra-Revolução ou, Alemanha em 1848 - Karl Marx. 1904.
92. Superprodução e crises - K. Rodbertus [Karl Rodbertus]. Traduzido por Julia Franklin. Com uma introdução de John B. Clarke. 1898.
93. Governo local e auxílio estatal - S. J. Chapman.
94. Comércio Anglo-Americano - S. J. Chapman.
94 [sic]. A origem e o crescimento das comunidades aldeãs na Índia - B. H. Baden-Powell. 1899. vi, 155 pp.
95. Uma história do comércio entre o Reino Unido e os Estados Unidos: com referência especial aos efeitos das tarifas - Sidney J. Chapman.
96. Um Exame Simples do Socialismo - Gustave Simonson, M.A, M.D. 1900. xii, 155 pp.
97. Federação Comercial e Política de Comércio Colonial - John Davidson. 1900.
98. Seleções das Obras de Fourier - Charles Fourier. Com uma introdução de Charles Gide. Traduzido por Julia Franklin. 1901.
99. Reforma do Public-House: uma explicação com um apêndice - Alexander Neilson Cumming. 1901.
100. O Problema da Aldeia - George F. Millin. 1903. ii, [1], 180 pp.

101. Em direção à luz: estudos elementares em ética e economia - Lewis H. Berens. 1903. 244 pp.
102. Socialismo Cristão na Inglaterra - Arthur V. Woodworth. 1903. viii, 208 pp.
103. A História das Leis Inglesas do Milho - J. Shield Nicholson.
103 [sic]. Os Filósofos e a Revolução Francesa - P. A. Wadia. 1904.
104. A História das Leis Inglesas do Milho - Prof. J. S. Nicholson, M.A. 1904.
105. A Biologia da Política Britânica - Charles H. Harvey. 1904.
106. Taxas e impostos que afetam a agricultura - Prof. J. S. Nicholson [J. Shield Nicholson], M.A. 1905. vi, 146 pp.
107. Um programa prático para homens que trabalham - Edmond Kelly. 1906.
108. John Thelwall: um pioneiro da democracia e da reforma social na Inglaterra durante a Revolução Francesa - Charles Cestre, Litt.D. 1906.
109. As relações de rendas, salários e lucros na agricultura e sua influência no despovoamento rural - J. Shield Nicholson. 1906.
110. Preconceitos econômicos - Yves Guyot. Traduzido por Fred Rothwell. 1910.

111. Problemas sociais contemporâneos: um curso de palestras ministradas na Universidade de Pádua - Achille Loria. Traduzido do italiano com a permissão do autor por John Leslie Garner. 1911.
112. Quem paga? Uma investigação sobre a incidência real de tributação - Robert Henry. 1912.

Organizado por número de série

1. Vida de Robert Owen - Lloyd Jones. Possivelmente o mesmo livro que: A vida, tempos e trabalhos de Robert Owen - Lloyd Jones. 3ª ed. Swan Sonnenschein, 1900.
2. The Impossibility of Social Democracy: A Second Part of & quotThe Quintessence of Socialism & quot - Dr. A. Schaffle. Com um prefácio de Bernard Bosanquet. 1892. 419 pp.
3. Condição da classe trabalhadora na Inglaterra em 1844 - Frederick Engels [Friedrich Engels].
4. Os Princípios da Economia Social - Yves Guyot. 1892.
5. Paz Social: Um Estudo do Movimento Sindical na Inglaterra - Dr. G. Von Schulze-Gaevernitz. Com um Prefácio à Edição em Inglês. Traduzido por C. M. Wicksteed, B. A. Editado por Graham Wallas. 1893 1900. xx, 300 pp. Tradução do alemão de Zum socialen Frieden.
6. Um manual de socialismo - W. D. P. Bliss [William D P Bliss]. 1906.
7. Socialismo: seu crescimento e resultado - William Morris e E. Belfort Bax. 1896. viii, 335 pp.
8. Fundamentos econômicos da sociedade - A. Loria [Achille Loria]. 1904 1907.


CFP: História do Pensamento Feminista (incl Ch & Jp) (entradas da enciclopédia de 15 de outubro)

Atualmente, elas estão procurando colaboradores para fazer anotações em documentos de fontes primárias na história das mulheres, inclusive na China e no Japão - em áreas que coincidem com os interesses de alguns alunos do EALC. Como você provavelmente sabe, as entradas da enciclopédia não são exatamente ouro em um currículo, mas são definitivamente uma boa maneira de começar a publicar.

Estou procurando outra rodada de colaboradores para uma antologia de documentos globais relacionados à História do Pensamento Feminista, a ser publicada pela Greenwood Press. Este conjunto de 2 volumes apresentará aproximadamente 250 documentos de fonte primária, rastreando respostas e desafios para a subordinação das mulheres em diferentes contextos nacionais, culturais e políticos em diferentes momentos ao longo da história. É um projeto muito necessário para recuperar as vozes das mulheres e incorporar a história dos direitos das mulheres aos temas mais amplos da história mundial. Em alguns casos, esta será a primeira publicação em inglês de um documento e, portanto, as possibilidades de pesquisas futuras com base em nossa coleção são empolgantes, para dizer o mínimo.

ABAIXO é uma lista cronológica de entradas para as quais são necessários colaboradores no momento. O foco principal de cada entrada é o documento de origem principal. Colaboradores ajudarão na seleção de trechos a serem usados ​​e escreverão breves ensaios contextuais para acompanhar o trecho. Cada entrada terá aproximadamente 1.500 palavras no total, incluindo o trecho e a análise / contexto.

Por favor, examine a lista para uma ampla gama de áreas geográficas e cronológicas de interesse - você não precisa estar familiarizado com um
escritor individual ou documento para escrever uma entrada. Na maioria dos casos, já compilei algumas informações bibliográficas ou outras informações sobre o documento específico e irei repassar essa pesquisa a você para ajudá-lo a escrever a entrada. Enviarei orientações completas para os contribuidores, bem como entradas de amostra para escritores interessados.

O prazo para essas inscrições é 15 de outubro de 2008. Os honorários são $ 40,00 por inscrição - contribuintes que completarem 4 ou mais inscrições podem escolher uma cópia do conjunto publicado (avaliada em $ 225,00) em vez de pagamento em dinheiro.

POR FAVOR, faça circular esta convocatória para colegas de outras instituições, para estudantes de graduação ou para outros acadêmicos / escritores interessados.

Obrigado e estou ansioso para trabalhar com uma comunidade internacional de acadêmicos neste projeto emocionante!

Tiffany K. Wayne, PhD
Independent Scholar
www.womanwriting.com

***************************************************
Chamada de colaboradores - 28 de abril de 2008
História do Pensamento Feminista (Greenwood Press)
Editor: Tiffany K. Wayne, PhD


Rede História do Feminismo

Tiffany K. Wayne está procurando outra rodada de colaboradores para uma antologia de documentos globais relacionados à História do Pensamento Feminista, a ser publicada pela Greenwood Press. Este conjunto de 2 volumes apresentará aproximadamente 250 documentos de origem primária, rastreando respostas e desafios à subordinação das mulheres em diferentes contextos nacionais, culturais e políticos em
tempos diferentes ao longo da história. É um projeto muito necessário para recuperar as vozes das mulheres e incorporar a história dos direitos das mulheres aos temas maiores da história mundial. Em alguns casos, esta será a primeira publicação em inglês de um documento e, portanto, as possibilidades de pesquisas futuras baseadas nesta coleção são empolgantes, para dizer o mínimo.

ABAIXO é uma lista cronológica de entradas para as quais são necessários colaboradores no momento. O foco principal de cada entrada é o documento de origem principal. Colaboradores ajudarão na seleção de trechos a serem usados ​​e escreverão breves ensaios contextuais para acompanhar o trecho. Cada entrada terá aproximadamente 1.500 palavras no total, incluindo o trecho e a análise / contexto.

Procure na lista uma ampla gama de áreas geográficas e cronológicas de interesse & # 8211 você não precisa estar familiarizado com um escritor ou documento individual para escrever uma entrada. Na maioria dos casos, o Dr. Wayne já compilou algumas informações bibliográficas ou outras informações sobre o documento específico e passará essa pesquisa para você para ajudá-lo a escrever a entrada. Ela enviará orientações completas do contribuidor, bem como entradas de amostra para escritores interessados.

O prazo para essas inscrições é 15 de outubro de 2008. Os honorários são $ 40,00 por inscrição & # 8211 contribuidores que completarem 4 ou mais inscrições podem escolher uma cópia do conjunto publicado (avaliado em $ 225,00) em vez de pagamento em dinheiro.

Se você estiver interessado, entre em contato com Tiffany Wayne em [email protected]

***************************************************
Call for Contributors & # 8211 28 de abril de 2008
História do Pensamento Feminista (Greenwood Press)
Editor: Tiffany K. Wayne, PhD ([email protected])

1 .. & # 8220Como a natureza da mulher e # 8217s nos impede? & # 8221 e outros poemas do
Therigatha (Índia, c. 600 b.c.e.)
2 .. & # 8220Lições para mulheres & # 8221 Pan Chao (China, 80 c.e.)
3 .. & # 8220Como melhor promover a causa de outras mulheres., & # 8221 Radegund (Alemanha ?, 520 / 5-587)
4 .. & # 8220O nó do casamento só pode amarrar quem existe., & # 8221 Rabi & # 8217a (império islâmico (Iraque?), C. 800)
5 .. & # 8220.Eu sempre escrevo como quero., & # 8221 Xue Tao (China, c. 800)
6 .. & # 8220Porque eu sou uma mulher. & # 8221 e & # 8220Esta senhora selvagem., & # 8221 poemas de Yeshe Tsogyal (Tibete, c. 800)
7 .. & # 8220.não têm o mesmo status que eu., & # 8221 Dhuoda (Septimia (França?), 843)
8 .. & # 8220.meu vestido de mulher de seda & # 8217 obscurece minha poesia., & # 8221 Yu Xuanji (China, c. 860)
9 .. & # 8220Corn ele não deve renderizar no escritor & # 8217s gênero mais fraco, & # 8221 Hrotsvita (d. C. 973?)
10 .. & # 8220These Five Obstructions & # 8221 (para a iluminação das mulheres & # 8217s), Senshi Naishinno (Japão, c.1000)
11 .. & # 8220.o destino de ser mulher., & # 8221 Shunzei kyo no musume (Japão, c.1200)
12 .. & # 8220Carta do deus do amor & # 8221 e & # 8220Livro da cidade das senhoras, & # 8221 Christine de Pizan (Itália, 1405)
13 .. & # 8220Mas um fuso é tudo o que você oferece. & # 8221 (e outros escritos), Argula von Grumbach (Alemanha ?, c.1530s)
14 .. Carta sobre & # 8220a liberdade legítima & # 8221 das mulheres, Louise Labe (França, 1555)
15 .. Prefácio de Calvin & # 8217s & # 8220 Sobre a modéstia das mulheres em suas vestes & # 8221 Marie Dentiere (Genebra, Suíça, 1561)
16 .. & # 8220O que mais me assusta é ser mulher.proibida de escrever. & # 8221 e outros escritos, Maria de San Jose Salazar (Espanha, c.1580s)
17 .. Desencantamentos do Amor, Maria de Zayas y Sotomayor (Espanha, 1637)
18 .. Sobre a igualdade dos dois sexos, François Poullain de la Barre (França, 1673)
19 .. & # 8220A resposta, & # 8221 Sor Juana de la Cruz (México, 1691)

20 .. Uma proposta séria para as senhoras, Mary Astell (Inglaterra, 1694)
21 .. & # 8220Canto de uma mulher casada, & # 8221 Sanciya Honnamma (Índia, data?)
22 .. & # 8220Appeasing Radhika, & # 8221 Muddupalani (Índia, c. Final dos anos 1700)
23 .. & # 8220Appeal of One-Half the Human Race, & # 8221 Anna Wheeler (William Thompson) (Inglaterra, 1825)
24 .. & # 8220A Plea for Woman, & # 8221 Marion Reid (Escócia, 1843)
25 .. & # 8220Liberty, & # 8221 Carolina Coronado (Espanha, 1852)
26 .. & # 8220The Homes of the New World, & # 8221 Fredrika Bremer (Suécia, 1853)
27 .. & # 8220Woman and his Social Relationships, & # 8221 Anna Maria Mozzoni (Itália, 1864)

28 .. & # 8220Apelo aos Homens da Nova Zelândia, & # 8221 Mary Muller (Nova Zelândia,
1869)

29 .. & # 8220My Life, & # 8221 Rassundari Devi (Índia, 1876)
30 .. & # 8220The Emancipation of Women, & # 8221 Maria Eugenia Echenique (Argentina, 1876)

31 .. & # 8220Nós, mulheres, chefes de família., & # 8221 Kusunose Kita (Japão, 1878

32 .. Os Direitos Políticos da Mulher e os Sociais e Políticos
Igualdade de Mulheres e Homens, Hubertine Auclert (França, 1878-79)
33 .. & # 8220Eu sou o livro mais interessante de todos. & # 8221 ou outros escritos de Marie Bashkirtseff (Rússia / França, 1878-79)
34 .. & # 8220A Comparação de Homens e Mulheres, & # 8221 Tarabai Shinde (Índia, 1882)
35 .. & # 8220Daughters in Boxes, & # 8221 Kishida Toshiko (Japão, 1883)
36 .. Origem da família, propriedade privada e estado, Friedrich Engels (Alemanha, 1884)
37 .. & # 8220The High Caste Hindu Woman, & # 8221 Pandita Ramabai Saraswati (Índia, 1888
38 .. & # 8220Equality of Rights, & # 8221 Francisca Diniz (Brasil, 1890)
39 .. & # 8220.homens e mulheres são iguais perante Deus., & # 8221 Muhammad & # 8216Abdu (Egyptc.1890s)


Usando esses materiais

Resumo de prateleiras

  • Caixas 1-2: Arquivado em caixas de manuscrito SPEC MSS (1 polegada)
  • Caixa 3: Arquivado em caixas de manuscrito SPEC MSS
  • F27-F30: Arquivado em caixas de tamanho grande SPEC MSS (32 polegadas)
  • F32: Estante na parede SPEC VAULT MSS

Informações de acesso

A coleção está aberta para pesquisa.

Citação preferida

MSS 0477, Coleção Woman Suffrage, Coleções Especiais, Biblioteca da Universidade de Delaware, Newark, Delaware.

Materiais catalogados separadamente

Os itens listados nesta bibliografia foram removidos da coleção Woman Suffrage e catalogados separadamente com os acervos impressos de Coleções Especiais.

Björkman, Frances M. e Annie G. Porritt, eds. Sufrágio feminino: história, argumentos e resultados. Nova York: National Women's Suffrage Publishing Co., 1915.

Fontes

Brackett, Anna C., ed. Mulher e o ensino superior. Nova York: Harper & amp Bros., 1903.

Fontes

O caso contra o sufrágio feminino: a questão mais importante nas urnas nas eleições estaduais de 2 de novembro de 1915. Boston: Massachusetts Anti-Suffrage Committee, 1915.

Fontes

Clarke, Ida Clyde, ed. Mulheres de 1924. Nova York: Women's News Service, 1924.

Fontes

Crepaz, Adele. A Emancipação da Mulher e suas Prováveis ​​Consequências. Londres: Swan Sonnenschein, 1893.

Fontes

Harper, Ida Husted. A Vida e Trabalho de Susan B. Anthony. 2 vols. Indianapolis e Kansas City: The Bowen-Merrill Company, 1898.

Fontes

Hoar, George F. Os direitos da mulher e o bem-estar público: observações do Exmo. George F. Hoar, perante um Comitê Especial Conjunto da Legislatura de Massachusetts. Boston: New-England Woman's Suffrage Association, 1869.

Fontes

Inman, Mary. Em Defesa da Mulher. Los Angeles: The Committee to Organize the Advancement of Woman, 1940.

Fontes

Inman, Mary. Mulher-Poder. Los Angeles: The Committee to Organize the Advancement of Woman, 1942.

Fontes

Oakley, Violet. Catedral da Compaixão: Esboço Dramático da Vida de Jane Addams. Filadélfia: Liga Internacional de Mulheres pela Paz e Liberdade (publicado em particular na Press of Lyon and Armor), 1955.

Fontes

Pankhurst, Emmeline Sylvia. Minha Própria História. Nova York: Hearst's International Library Company, 1914.

Fontes

Pankhurst, Emmeline Sylvia. The Suffragette: the History of the Woman's Militant Suffrage Movement, 1905-1910. New York: Sturgis & Walton, 1912.

Fontes

Pinkham, Lydia E. Famous Woman of History. Lynn, Mass.: Lydia E. Pinkham Medicine Company, ca. 1920s.

Fontes

R., L. N. The True Institution of Sisterhood: or, A Message and Its Messengers. London: James Nisbet, 1862.

Fontes

Sanger, Margaret H. Family Limitation. S.l.: Privately printed for the author, ca. 1914.

Fontes

Taylor, Edward T. Speech of Hon. Edward T. Taylor of Colorado in the House of Representatives, April 24, 1912. Washington, 1912.

Terms Governing Use and Reproduction

Use of materials from this collection beyond the exceptions provided for in the Fair Use and Educational Use clauses of the U.S. Copyright Law may violate federal law. Permission to publish or reproduce is required from the copyright holder. Please contact Special Collections, University of Delaware Library, http://library.udel.edu/spec/askspec/


Biography of William Swan Sonnenschein (1855-1934)

William Swan Sonnenschein was born in 1855, third of the six children of Adolphus Sonnenschein, a teacher and writer of textbooks originally from Moravia, and his first wife Sarah Robinson Stallybrass. William’s name derived from the fact that his maternal grandfather, Edward Stallybrass, had been a missionary to Mongolia with William Swan and they worked on a Mongolian translation of the New Testament together.

As a young man William was apprenticed to the firm of Williams and Norgate where he gained experience of second hand bookselling before founding his own company, W. Swan Sonnenschein & Allen, with the first of several partners, J. Archibald Allen, in 1878. This partnership was dissolved in 1882 when William married and the firm’s name changed to W Swan Sonnenschein & Co. The firm published general literature and periodicals but specialised in sociology and politics. Sonnenschein was involved with the Ethical Society and published their literature.

In 1895 Swan Sonnenschein became a limited liability company and in 1902 William Swan Sonnenschein left to work at George Routledge and Sons and later at Kegan Paul. Swan Sonnenschein was amalgamated with George Allen & Co in 1911.

In the light of the hostility to Germans during the First World War William Swan Sonnenschein changed his surname to Stallybrass for the remainder of his life as did some, but not all, of his family. He died in 1934.


Agenda

The financial industry is being impacted by a wide range of disruptive forces. At a time of rising geopolitical uncertainty, how are regulations reshaping the global financial landscape? What impact is the growing cyber threat having on the way businesses are managed and new business strategies are created? How are financial institutions managing their response to financial crime? What do the digitisation of money and financial services mean for the industry? How can market participants embrace new standards and new technologies to unleash growth and beat new competitors? How is consumer behaviour changing and how much of this is driven by new entrants to the world of financial services? Finally, what are the ingredients for success in this climate of constant change?

  • Michael Carty, CIO, Euroclear Nordics
  • Idar Kreutzer, Managing Director, Finance Norway
  • Glenn Söderholm, Member of the Executive Board and Head of Corporates & Institutions, Danske Bank
  • Alain Raes, Chief Executive, EMEA and Asia Pacific, SWIFT
  • Chris Skinner, Chair, The Financial Services Club (moderator)

Coffee break

Cyber-security in the financial industry

  • Richard Benham, Professor of Cyber Security Management and founder of the National MBA in Cyber Security®, Coventry University

SWIFT update

  • Javier Pérez-Tasso, Chief Marketing Officer, SWIFT
  • Alain Raes, Chief Executive EMEA and Asia Pacific, SWIFT

Lunch and Solutions Zone open

Coffee break and Solutions Zone open

Securities stream

The evolution of the European and Nordic securites landscape

The European and Nordic securities landscape is continuously changing. With adaptions to the new platform from Euroclear, T2S around the corner and regulations getting more and more stringent over time, how are market players managing to keep up with the pace of change? What are the expected benefits of the changes? And what are the pitfalls? Who are likely to come out as winners? And who will be the losers? Porque?

  • Kerstin Hermansson, CEO, Swedish Securities Dealers Association
  • Marcus Hjorth, Head of Legal & Public Affairs, Euroclear
  • Soren Rask Nymark, Strategy Director, VP SECURITIES
  • Christine Strandberg, Product Manager, Transaction Banking, SEB
  • Isabelle Olivier, Head of Clearing & Settlement, EMEA, SWIFT (moderator)

Payments stream session

Regulation and mandatory changes in the payments space – what are the real game changers?

In this session we will be exploring the wide range of important mandatory and regulatory changes that the European payments industry is experiencing. With the first SEPA end date now well behind us and the requirement for non-Euro countries to be SEPA compliant by 2016 we will be looking both at how SEPA is performing in the Eurozone and how are the non-Euro countries in the Nordics preparing for this major change. Have payments in the Eurozone been improved by SEPA and what are the benefits of SEPA and ISO 20022? What are the real opportunities of European payments integration and what are the priorities of the regulators when developing new payments regulation? We will also look at the current state of play on PSD II and discuss how it is likely to impact both payment service providers and consumers. What are the challenges, where are the opportunities and is third-party access to accounts likely to be a game changer?

  • Jorge B. Jensen, Head of Section Finance, Department of Consumer Advocacy, Norwegian Consumer Council (Forbrukerradet)
  • Kristine Nilsson, SEPA & EU Payment Regulation Coordinator, Swedbank
  • Carsten Thaarup, Senior Industry Expert, Nordea
  • Erkki Poutiainen, Senior Vice President, Public Affairs, Nordea (moderator)

Off-site dinner

Registration, welcome coffee and Solutions Zone open

Innovation / motivational keynote

  • Jonas Kjellberg, one of the creators of SKYPE and a much appreciated lecturer at Stanford and the Stockholm School of Economics

Innotribe plenary: Beyond Bitcoin

Bitcoin was invented by Satoshi Nakamoto in 2009, as a distributed mechanism for value exchange. During the past 2 years, this technology has been hitting the headlines, for good and bad reasons, and has become an accepted unit of monetary transfer for many goods and services. Whether you believe in Bitcoin as a store of value or not, there is a huge potential for disruption within the Financial Services industry enabled by the underlying technology the Block Chain.

Join us for an interactive debate, to learn what Bitcoin is all about, where we are on the bitcoin journey, and to take a look at what the underlying technology could enable in the very near future.

  • Gabrielle Patrick, Co-founder, Epiphyte
  • Chris Skinner, Chair, The Financial Services Club
  • Lui Smyth, UK General Manager, Coinjar
  • Kevin Johnson, Innotribe Startup Challenge Manager, SWIFT (moderator)

Coffee break and Solutions Zone open

Securities stream session

Investment Funds - what's next ?

With an overwhelming number of internationally and domestically driven regulatory initiatives putting margins under pressure, our industry has made a concerted effort to reduce costs by increasing operational efficiency and automation. How has automation progressed in the past years, but more importantly how will automation further evolve within the Funds industry and what will be the drivers going forward? Are we to see differences between countries (e.g. Nordics vs Luxembourg)? What will be the next big thing from an automation perspective?

  • Lotta Alexandersson, Head of Bank Operations, Nordnet Bank
  • Svein Carlsson, Consultant and former Chief Operatof Officer at Odin
  • Oliver Lagerstrom, CEO, MFEX
  • Olivier Lens, Head of Funds & Investment Management EMEA, SWIFT
  • Jan Vandendriessche, Head of Fund Platforms, VP LUX
  • Christer Tour, Business Development Manager Funds, SWIFT

Payments stream session

Next stop: Real-time payments

In its second meeting, on 1 December 2014, the Euro Retail Payments Board (ERPB), a multi-stakeholder group chaired by the European Central Bank (ECB), decided to step up work on the topics of instant payments in euro, and person-to-person mobile payments and contactless payments. Instant payments with immediate availability of funds, said the ERPB, are the industry’s next frontier. The aim is to take advantage of integration already achieved with SEPA and avoid the development of a fragmented market in Europe. In this session we will be looking at the status of real-time payments globally. What are the drivers to implement real-time payments and for what purpose? What are the different options for a real-time payments environment and what are the pros and cons of the different models? What can we expect from the regulators? This session will offer you a good overview and understanding of real-time payments and the developments that are underway in this area.

  • Henrik Bergman, Senior Manager, WCM Market Infrastructure, SEB
  • Stig Korsgaard, Engagement Director Nets
  • Dag-Inge Flatraaker, General Manager DNB Bank & Co-Chairman of the Cards and Mobile contactless proximity payments Working Group at the Euro Retail Payments Board (ERPB)
  • Elie Lasker, Senior Market Manager, SWIFT
  • Robert Widmark, Senior Account Director, SWIFT (moderator)

Securities stream sessions

Making ISO 20022 work

ISO 20022 is emerging as the default choice of messaging standard for MIs around the world: payments and securities, international and domestic. In the European securities market, T2S is poised to make ISO 20022 ubiquitous. And T2 moving to ISO 20022 in 2017 will mean that the full end-to-end settlement process, securities and cash, will use the same standard. The emerging challenge for the industry is to ensure that the benefits of the standard - interoperability and cost and risk reduction - are not diluted by fragmentation that the standard is implemented as much as possible in the same way everywhere. SWIFT Standards is working on this problem, but we will of course need the cooperation of the community, and invite dialogue.

Reaping the value of SWIFT for market infrastructures and their communities

Market changes such as T2S, new European legislation and pressure on liquidity and collateral force securities market infrastructures in general and European CSDs in Europe in particular to evolve the way they operate with their customer communities. How will these changes be implemented? What is the importance of ISO 20022 in this context? What level of harmonisation would be necessary? What role is SWIFT playing to support those CSDs and their communities to evolve their business model? What is the proposed approach for the Nordic markets?

  • Knut Haugan, Head of Settlement & Corporate Actions, Securities Services, DNB
  • Kjell-Ivar Moe, Head of Customer Relations New Core System, VPS
  • Isabelle Olivier, Head of Clearing & Settlement, EMEA, SWIFT
  • Bjorn Stendorph Crepaz, Head of Issuance and Safekeeping, CSD Services, VP SECURITIES
  • Marianne Sorensen, Head of Securities Operations, Nordea
  • Juliette Kennel, Head of Market Infrastructures, SWIFT (moderator)

Payments stream

Trends in corporate to bank relationships

With constant changes in regulation, technology, operational models and consumer behaviour, the requirements of multi-banked corporates are ever evolving. Amongst the many requirements of corporates are more flexibility, security, real-time processing and international services. They want the transactions they conduct in their professional lives to be as speedy and convenient as those they conduct as consumers and are always on the lookout for new innovative offers, such as mobile. What can corporates and banks do to address connectivity and on-boarding challenges whilst protecting existing investments and respecting regulatory requirements? Are new industry solutions emerging? How is the competitive landscape evolving? Are new entrants posing any serious threats to banks? And what do we expect the role of the financial institution to be in the future?


NAKARAJAN


In 1832, the Duke of Newcastle was looking for a Tory candidate for his Newark constituency. Although a nomination borough, Newark had been spared in the 1832 Reform Act. Sir John Gladstone was a friend of the Duke and suggested his son would make a good MP. Gladstone was selected as a candidate and although he lost some votes because his father was a wealthy slave-owner, he won the seat in the 1832 General Election. (9)

Parliament passed the Slavery Abolition Act in 1833. This act gave all slaves in the British Empire their freedom. Gladstone's father, who owned several large plantations in Jamaica and Guyana, expelled most African workers from his estates and imported large numbers of indebted Indian indentured-servants. They were paid no wages, the repayment of their debts being deemed sufficient, and worked under conditions that continued to resemble slavery in everything except name. Gladstone eventually received 𧴢,769 (modern equivalent 㿿m), in compensation. (10)

Robert Peel and the Corn Laws

Two years after entering the House of Commons as MP for Newark, Sir Robert Peel, the Prime Minister, appointed William Gladstone as his junior lord of the Treasury. The following year he was promoted to under-secretary for the colonies. Gladstone lost office when Peel resigned in 1835 but returned to the government when the Whigs were forced out of power in August, 1841. (11)

Peel appointed Gladstone as vice-president of the board of trade. Although he was only just over 30 years of age, he was bitterly disappointed as he expected a place in the Cabinet. However, he was praised by the way he carried out his duties. James Graham, the Home Secretary, noted that "Gladstone could do in four hours what it took any other man sixteen to do and that he nonetheless worked sixteen hours a day". (12)

William Gladstone
In 1843 was promoted to the post of president. In 1844 Gladstone was responsible for the Railway Bill that introduced what became known as parliamentary trains. As a result of this legislation railway companies had to transport third-class travellers for fares that did not exceed a penny a mile. These parliamentary trains had to stop at every station and had to travel at not less than 12 miles an hour. All the carriages had to have seats and be protected from the weather. (13)

Peel attempted to overcome the religious conflict in Ireland by setting up the Devon Commission to inquire into the "state of the law and practice in respect to the occupation of land in Ireland." However, Peel's attempts to improve the situation in Ireland was severely damaged by the 1845 potato blight. The Irish crop failed, therefore depriving the people of their staple food. Peel was informed that three million poor people in Ireland who had previously lived on potatoes would require cheap imported corn. Peel realised that they only way to avert starvation was to remove the duties on imported corn. (14)

The first months of 1846 were dominated by a battle in Parliament between the free traders and the protectionists over the repeal of the Corn Laws. William Gladstone gave Peel his loyal support. Benjamin Disraeli became the leader of the group that opposed Peel. He was accused of using this difficult situation to undermine the Prime Minister. However, he later told a fellow MP that he did this "because, from my earliest years, my sympathies had been with the landed interest of England". (15) Disraeli made a stinging attack on Peel when he accusing him of betraying "the independence of party" and thus "the integrity of public men, and the power and influence of Parliament itself". (16)


New Titles – August 2017

The Fall semester is in full swing and course reserves are filling up. We’re looking to provide more comfortable seating for browsing both new titles and course reserves, so we have been trying out demo chairs over the past few weeks. Grab a book, have a seat, and let us know what you think! You can also browse the list of new arrivals from August 2017 below. Titles are listed alphabetically by author or editor click on the HOLLIS number to view the corresponding bibliographic record.


Assista o vídeo: Adele