Trogir

Trogir

Dezessete milhas a oeste de Split, na costa do Adriático, fica a histórica cidade portuária croata de Trogir, famosa por suas paredes fortificadas e impressionante arquitetura românica, renascentista e barroca.

Trogir foi fundada pelos gregos no século III aC como Tragurion ("tragos" é a palavra grega para "bode") e possui 2.300 anos de tradição urbana contínua em suas ruas estreitas e labirínticas.

Nos últimos dois milênios, foi governada e povoada por gregos, romanos, venezianos, o Império Habsburgo, os franceses, os iugoslavos e, finalmente, hoje, os modernos croatas.

Para uma ilha tão pequena (encravada entre o continente e a ilha maior de Ciovo), existe uma concentração muito elevada de igrejas, palácios, fortalezas e torres e uma vantagem do domínio sucessivo e eclético é a arquitectura que cada grupo deixou para trás. Você encontrará alguns exemplos impressionantes de grandes edifícios românicos, renascentistas e barrocos, públicos e domésticos, e a cidade foi declarada Patrimônio Mundial da UNESCO em 1997, pois é, nas próprias palavras da UNESCO, "um exemplo notável de continuidade urbana".

A três horas e 258 km de Dubrovnik, Trogir é uma cidade portuária pitoresca com um belo calçadão à beira-mar que conta com o turismo como uma de suas principais fontes de renda e, como tal, há uma proliferação de hotéis e apartamentos, bares, cafés, restaurantes e tudo o que você poderia precisar por alguns dias aqui.

Trogir é também um dos locais de filmagem de Game of Thrones mais famosos, sendo o local da cidade mítica de Qarth, "a maior cidade que já existiu ou será" situada nos Portões de Jade e repleta de riqueza e arquitetura deslumbrante.


História de Trogir

Aparthotel Bellevue
Excepcional 9,5 de 62 & # x20AC

Hotel Pasike
Muito bom 8.3 de 90 & # x20AC

Hotel Trogir Palace
Fabulous 8.9 de 90 & # x20AC

História de Trogir

A área ao redor da cidade era habitada desde os tempos pré-históricos. Os antigos gregos fundaram um assentamento e o chamaram de Tragorion no século 3 aC. O nome foi derivado da palavra grega tragos, que significa cabra, pois a montanha próxima estava cheia de cabras.

Depois que os romanos conquistaram Tragório e o transformaram em município romano no século I aC, eles o renomearam como Tragúrio. O famoso historiador romano Plínio mencionou Trogir como "marmore notum" ou "conhecido pelo mármore" devido a uma pedreira de mármore perto da cidade.

A vizinha Salona, ​​como metrópole da província romana da Dalmácia, diminuiu parcialmente a importância de Trogir. Depois que os eslavos e ávaros arruinaram Salona, ​​seus habitantes fugiram para Trogir, que foi o início da ascensão da cidade no cenário político e econômico daquela época.

No século 9, Trogir estava sob o domínio croata. Depois que a Croácia foi anexada à Hungria, Trogir recebeu o status de cidade livre em 1107.

Do início do século 15 até o final do século 18, a cidade esteve sob o domínio veneziano. Depois disso, Trogir foi governada pelos austríacos e franceses até 1918, quando a cidade, junto com o resto da Croácia, tornou-se parte do estado comum das nações eslavas do sul.

Atrações históricas - o que ver em Trogir

Centro da cidade velha - Trogir é considerada a cidade românica-gótica mais bem preservada da Europa Central. Devido a isso, todo o centro da cidade velha foi inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1997.

Catedral de Trogir - A Catedral de São Lourenço, chamada Catedral de Trogir, é uma maravilhosa basílica de três naves construída em estilo românico-gótico. A construção iniciou-se no século XIII e durou até ao século XVII, altura em que a Sé Catedral ganhou o seu aspecto actual.

Antes de entrar em seu lindo interior, aprecie a vista de um portal, a majestosa obra de arte do mestre escultor local Radovan.

Palácio cipiko - O palácio está localizado em frente à Catedral e apresenta outro impressionante monumento da arquitetura românico-gótica.

Castelo Kamerlengo - O castelo e a fortaleza Kamerlengo foram construídos em meados do século 15 durante o domínio veneziano. Hoje, o Kamerlengo é usado como local de apresentações culturais durante os meses de verão.

Museu Trogir - O museu está instalado em um belo palácio Garagnin - Fanfogna, construído em vários estilos arquitetônicos, do românico ao barroco.

Mosteiro de São Nicolau - O Mosteiro Beneditino de São Nicolau mantém uma valiosa coleção de exposições arqueológicas, juntamente com outras artes e patrimônios históricos.

A exibição mais popular é um antigo relevo grego que apresenta Kairos, o deus grego dos momentos auspiciosos. Ele o lembrará de que você deve estar sempre acordado para reconhecer e agarrar uma chance que lhe foi dada no momento certo.



Trogir é uma cidade anfíbia, tão antiga que suas fundações - Ilíria, Helenística e Romana, sob as versões medievais atuais & ndash literalmente crescem fora do Adriático. O espaço do povoamento pré-histórico era mais ou menos igual ao do Tragurion histórico, que era uma ilha, ou uma ilha ligada ao continente por um estreito istmo. Encontre voltar 2000 AC. Depois de 219 aC (fim da Segunda Guerra da Ilíria), tornou-se um importante entreposto portuário da comunidade de Issa ou Vis. Uma inscrição grega incorporada ao pátio das freiras beneditinas ao lado da porta sul menciona os magistrados da colônia-mãe de Issa que governava as colônias potras na terra. A grade de ruas e blocos residenciais (insulae com uma proporção de 1: 2,5) da parte central da cidade mostra toda a perpendicularidade típica do planejamento urbano grego.


No século 1 aC, é mencionado como oppidum civium Romanorum. No pequeno palácio Cipiko na praça principal foi encontrado um pavimento que pertenceu à ágora / fórum. Em torno de Trogir, uma unidade de centuriação separada de Salona ager foi preservada, mostrando a limitação posterior. Isso está conectado com o relato de Plínio de que o Empror Claudius enviou seus veteranos para o lugar chamado Siculi (hoje Resnik de Trogir). O mesmo escritor diz que Trogir era marmore notum & ndash conhecido por seu mármore, uma pedra fina que, pela facilidade com que recebia modelagem e a cor dourada que obtinha do polimento, era encontrada em todas as partes decorativas mais importantes do Palácio de Diocleciano ( o Portão de Ouro, os portais do mausoléu imperial e o templo de Júpiter), e também no Portal de Radovan e as esculturas de Dukno


Trogir sobreviveu ao ataque e destruição avar-eslavos durante a primeira metade do século 7 com alguns outros assentamentos antigos no continente (Zadar, Split, Kotor), emancipando-se após a destruição de Salona para se tornar uma civitas independente. Os príncipes e reis croatas ocasionalmente ficavam em Trogir, residindo nas proximidades de Bija & # 263i. O monumento de Trogir mais eloquente dessa época é a pequena basílica de São Martinho (ou Santa Bárbara) no cardo principal, atrás da loggia da cidade na praça.
Após a queda do estado independente croata, Koloman da dinastia Arpad foi coroado rei da Croácia em Biograd em 1102, um papel crucial em sua pacífica tomada de poder na Croácia e nas cidades costeiras foi desempenhado pelo bispo de Trogir John (falecido em 1111 ), a quem Trogir, pelos muitos milagres que realizou, foi posteriormente celebrado como beato e patrono da cidade. A Idade Média foi uma época de autoconfiança genuína e referência à própria linha histórica da cidade, de raízes antigas, é claro. A comuna assinou um tratado de aliança com Ancona invocando as origens antigas comuns. A antiguidade, como alter ego, está presente na construção da Catedral de Trogir e dos palácios da cidade, tanto quanto se refere claramente à torre do sino de Split.
Trogir sopravvissuto la distruzione degli Avari to alla prima met & agrave del settimo secolo con pochi altri insediamenti antichi del continente (Zara, Spalato, Cattaro), emanciparsi se stesso dopo la distruzione di Salona di diventarsi una civita indipendente. I principi e re croati ocasionalmente sono stati a Trogir, nelle vicinanze residente a Bija & # 263i.
Il piu`famoso monumento em Trogir di quel tempo era la piccola basilica de San Martino (o di Santa Barbara) situata sul cardo principal, dietro la loggia, sulla piazza principale. Dopo la caduta di stato croato indipendente, Koloman della dinastia degli Arpad fu incoronato re di Croazia a Biograd nel 1102, un ruolo cruciale nella sua assunzione pacifica in Croazia & egrave stato interpretato de Vescovo Giovanni di Trogir (morto nel 1111), por i molti miracoli ha eseguito & egrave stata poi a festeggiato come benedetto e patrono della citt & agrave.

Na Idade Média, o povo de Trogir escolheu como retores magnatas feudais dos croatas, principalmente do poderoso clã da família & Scaronubi & # 263. Após o Tratado de Zadar em 1358, a cidade foi um ponto importante no meridiano Angevino que ia de Nápoles, passando pela Hungria, até o Báltico. Em junho de 1420, a frota veneziana tomou Trogir, uma das últimas cidades que não quis se render a Veneza depois que comprou em 1409 a Dalmácia de Ladislav de Nápoles por 100.000 ducados. Um bombardeio durou vários dias, e havia muitos mortos, muitas casas e lugares demolidos, torres danificadas, paredes danificadas. Um dos primeiros atos do novo Conselho Maior de Veneza em Trogir relacionou-se com a proibição do uso oficial da língua croata, em 22 de maio de 1426. O Conselho ordenou que nenhuma língua, exceto italiano ou latim, pudesse ser falado na cidade. Por outro lado, foi na Dalmácia veneziana que a literatura renascentista vernácula croata nasceu naquela época, que na própria Dalmácia era consideravelmente mais importante do que a escrita em italiano. Não por acaso, é precisamente em Trogir, que se preserva a mais importante antologia dos escritos croatas dos séculos XV e XVI: a compilação manuscrita de Petar Luci & # 263 chamada Vartal (Jardim) feita para uso das freiras do convento São Nicolau. Uma verdadeira república humanista se formou na cidade na Renascença com toda uma galáxia de nomes, entre os quais se destaca o de Koriolan Cipiko. Não muito longe da cidade, para a segurança de seus servos e para sua própria vida agradável no campo, ele construiu um castello (Ka & scarontel Stari), o primeiro de uma cadeia em torno de Trogir. Petar Cipiko, pai de Koriolan, um colecionador de monumentos e códices foi "um dos primeiros arqueólogos da Europa Humanista" (T. Mommsen).

Na segunda metade do século XIII e ao longo do século XIV, o que se chamava Brogo-Varo & scaron (Pasike) foi erguido no anel oval da cidade românica, reflexo da forma geológica original do ilhéu baixo sobre o qual Trogir se forma. Na época dos Angevins, no último quarto do século XIV, Varo & scaron era arenoso com paredes e fortificado com torres. Em meados do século 15, a construção do grande castelo chamado Karmelengo no canto sudoeste foi concluída. Uma abordagem particularmente interessante foi a realização de uma estrada através da qual, do continente, por uma ponte, pelo espaço entre as paredes do baluarte renascentista e as outras muralhas da cidade, era possível cruzar a ponte para a ilha de & # 268iovo sem entrar na cidade, em torno da parte oriental dela. Em 1646, a velha ponte para o continente foi derrubada e uma nova ponte móvel foi construída, as barbacãs foram reforçadas, as plataformas de tabuleiro e baluartes barrocos ao norte foram construídos. Durante o período do domínio francês no início do século 19, eles iniciaram uma & bd demolição quosanitária & ldquo das muralhas da cidade, que continuou durante o domínio austríaco, que visava especialmente regular a Fo & scarona (anteriormente, um canal muito mais amplo entre a cidade e continente) por causa da sedimentação de lama.

Havia vários portões da cidade nas muralhas. Sobre o portão de terra do norte está uma estátua do João Abençoado. O portão marítimo sul, em estilo maneirista, é obra de oficina dos Bokani & # 263es. A porta de madeira original cravejada de pregos enormes foi preservada. Por ela é a loggia que foi usada para aqueles que se atrasaram após o fechamento do portão da noite (e depois, para um mercado de peixes). Também ainda podem ser encontradas na muralha da cidade medival ao sul, a Torre Vitturi, parte do convento beneditino de São Nicolau, e a Torre de São Nicolau, a oeste do portão marítimo.


Arte e Cultura em Trogir

Aparthotel Bellevue
Excepcional 9,5 de 62 & # x20AC

Hotel Pasike
Muito bom 8.3 de 90 & # x20AC

Hotel Vila Sikaa
Fabulous 8.6 de 87 & # x20AC

O que ver em Trogir - artes e cultura

Dê um passeio pelo centro da cidade velha e você verá que cada pedra em Trogir conta uma história sobre cultura, história e arte.

Pinathotek - a coleção de artes sacras preserva um precioso patrimônio artístico e escrito das igrejas de Trogir, incluindo obras de Blaz Jurjev Trogiranin, o famoso pintor do século XV.

Galeria "Todos os Santos" - A galeria de arte está instalada na igreja de mesmo nome. Esta igreja simples foi construída no século XVI. A pintura de Todos os Santos foi preservada na abside da igreja.

Eventos culturais e artísticos em Trogir

Festival Kairos - o festival internacional do momento feliz é realizado geralmente em meados de junho e dura três dias. Esta manifestação proporciona uma série de eventos culturais e lúdicos relacionados com a história da vila, com destaque para a Antiguidade.

Concertos, apresentações de rua, feira de antiguidades, o baile de Kairos e muitos outros momentos felizes o levarão de volta à história antiga.

Feira Medieval - a feira acontece no início de maio. Não tenha medo de entrar na Idade Média - você descobrirá que não era tão escuro quanto você poderia imaginar. Aproveite o momento medieval e aprenda mais sobre o artesanato, as roupas e a comida daquela época.

Festival de Verão de Trogir - o Festival é realizado durante os meses de verão e oferece uma variedade de eventos culturais e de entretenimento. Muitos artistas internacionais e locais apresentam suas artes em ambientes charmosos do centro da cidade velha e do castelo Kamerlengo.
Desfrute de concertos de música clássica, música de câmara, peças de teatro e exposições.

Se gosta de prazeres mais hedonistas, não perca as noites do Pescador, uma manifestação folclórica de diversão, comida deliciosa e vinhos que se realiza várias vezes durante o Festival.

Dia do Município - em meados de novembro, Trogir celebra seu padroeiro, São João de Trogir, um bispo que foi uma figura significativa na história. Ele morreu em 1111 e foi beatificado em 1192.


Trogir

Em 9 de fevereiro de 2019. Decidi visitar Trogir, uma pequena cidade costeira a 20 quilômetros de Split. Antes disso, eu tinha apenas um pequeno conhecimento sobre o assunto. Tudo que eu sabia era que Trogir era uma cidade com uma catedral interessante para visitar.
Depois da minha visita, posso dizer Trogir é uma pequena pérola da UNESCO o que dificilmente deixará ninguém impressionado. Aqueles que gostam de passeios turísticos vão querer voltar a Trogir uma e outra vez.

Índice

AVISO: Nossas postagens podem conter links de afiliados. Quando você clica em um link de afiliado e completa uma reserva, obtemos uma pequena porcentagem para manter nosso site funcionando com o menor número de anúncios.

Como chegar a Trogir

Meu destino inicial foi Split. Usei o carro como meio de transporte. A viagem de Split foi boa. Não havia engarrafamento e a estrada era fantástica. Na maior parte do tempo, minha velocidade de direção era de 60 a 80 km / hora. A viagem durou cerca de meia hora. Mesmo durante a alta temporada, não há engarrafamentos na rota Trogir - Split devido à ótima estrada de duas pistas.

Depois de passar pelo aeroporto de Kastela e Split, havia uma placa que indicava Trogir. Foi muito fácil acessar e se aproximar da cidade. Deixei meu carro no primeiro estacionamento após a rotatória, que fica a menos de 1 km do centro histórico. O estacionamento era gratuito porque eu estava visitando durante o inverno.

Se você planeja fazer uma visita durante o verão, pode esperar mais carros na estrada, mas isso não deve fazer diferença. O preço do estacionamento será superior (cerca de 0,80 euros) por hora. Estacionar no centro da cidade é mais caro, por isso recomendo evitá-lo.

Se você planeja visitar a Croácia sem carro, há muitas linhas de ônibus de todas as principais cidades croatas. Você pode comprar a passagem online ou na rodoviária, conforme sua preferência.

Acomodação em Trogir

A acomodação mais impressionante é a Villa Royal, localizada a 1 km do centro histórico. Embora seja um edifício de luxo com piscina e vista para o mar, o preço de um quarto para duas pessoas é inferior a 150 euros / noite.

Confira todas as opções de hospedagem no mapa abaixo, fornecido por nosso parceiro booking.com
Como você pode ver no mapa, há muitas ofertas excelentes de acomodação em 2021, já que o número de visitantes diminuiu.

História de Trogir

Trogir foi fundada por gregos no século 3 aC como uma colônia de Vissa, sob o nome de Tragurion.
Durante a era romana, estava sob a autoridade de Salona (hoje Solin). Fontes romanas mencionam Trogir como uma cidade.

Os primeiros cristãos chegaram no século 3 de Solin. É sabido que São Duje, hoje o santo padroeiro de Split, influenciou os cristãos de Trogir.

Os primeiros croatas chegaram no século 8, quando Trogir fazia parte do primeiro país croata. Assim, permaneceu até 1102, quando o país croata foi conquistado pelos húngaros.

Durante o reinado de Veneza, o exército turco assediava a Europa. Eles tentaram conquistar a cidade, mas nunca tiveram sucesso.

Após a dissolução do estado veneziano, a cidade caiu sob a autoridade de Napoleão em 1806 e permaneceu até 1814. Esse período foi marcado pelo desenvolvimento da educação na cidade.

Após a queda de Napoleão, a Áustria assumiu o controle da cidade e lá permaneceu até 1918, quando nasceu a Iugoslávia.

A Trogir de hoje faz parte da República da Croácia e é um dos destinos turísticos favoritos entre os visitantes locais e estrangeiros, uma vez que apresenta uma bela arquitetura.

Praça principal de Trogir

O lugar mais incrível em Trogir é a praça principal, rodeada pela Catedral de São Lourenço, a Igreja da Santíssima Virgem Maria, o alojamento da cidade e a Câmara Municipal. Sua atmosfera é comparável às mais belas praças mundiais.

Um dos primeiros edifícios que você notará é A Catedral de São Lourenço. É uma obra-prima de arte gótica protegida pela UNESCO.

Existem alguns pontos de interesse do visitante relacionados à Catedral: o Portal da Catedral (entrada), a torre do sino, o interior da Catedral e o tesouro.

A atração cultural mais importante da catedral é Portal (entrada principal), feita por Radovan no século 13. É considerada uma obra-prima da arte gótica. Mesmo que você não seja um especialista em arte, vai curtir a vista do Portal.

A maioria das pinturas localizadas no interior da Catedral são originárias de períodos posteriores, Renascença e Barroco.

O preço da subida à torre sineira é de 2 euros. Levei cinco minutos para subir até o topo. eu tive um bela vista de Trogir e Čiovo.

O City Lodge, localizado em frente à Catedral, costumava ser um tribunal público. Destaca-se por seus 6 pilares decorados com capitéis e dois relevos esculpidos na parede. Infelizmente, durante o verão você não pode ver claramente os pilares, pois há um café nas proximidades.
Mas o que você pode ver claramente é um alívio chamado O alívio da justiça feito por Nicholas Florentino. Está localizado dentro do Lodge, na parede leste. Ele exibe uma mulher com os olhos vendados, uma balança carinhosa, o que é um sinal de justiça. Acima da mulher está uma inscrição Pro Aequitate, Expressão latina que significa "para a equidade".

A segunda escultura, feita por Ivan Meštrović, é dedicada ao bispo croata Petar Berislavic.

Perto do Lodge, fica a igreja de São Sebastião com a torre do relógio. Na entrada da igreja, existem duas esculturas: uma representa São Sebastião Mártir e a outra representa o Cristo.
Vale a pena mencionar um museu de arte sacra próximo à igreja.

O próximo edifício ao redor da praça principal é Câmara Municipal. É uma combinação de vários estilos artísticos. Hoje é a localização do escritório do conselho de turismo.

Trogir possui muitos palácios interessantes de famílias nobres. Palácio Cipko é o que mais se destaca entre eles. É o edifício Reinnesance localizado em frente à Catedral, no lado oeste.

Riva em Trogir

Depois de visitar a impressionante praça principal, era hora de dar um passeio na riva.
O ambiente em Riva é descontraído, com moradores e visitantes sentados em cafés e aproveitando o sol. Senti a mesma atmosfera de Split, Sibenik e outras antigas cidades costeiras da Croácia.

Existem inúmeras agências de turismo que organizam excursões às ilhas vizinhas de Brac, Hvar, Korcula, Bisevo, etc. Algumas delas estão disponíveis para reserva online.

Fortaleza Kamerlengo

A segunda atração cultural mais famosa é a Fortaleza Kamerlengo. Foi construído por Veneza no século 15 com o propósito de defesa contra o Império Osman. Veneza, que naquela época governava a maior parte da costa da Dalmácia, construiu fortalezas semelhantes em outras cidades. Especialmente destacadas são as fortalezas Sibenik.

A fortaleza tem forma de trapézio com quatro torres em seus ângulos.
Infelizmente, não pude entrar na fortaleza porque estava fechada. Os visitantes podem entrar apenas durante o verão.

Voltei para Trogir em 27 de agosto de 2019. A fortaleza foi inaugurada. Paguei 25 kunas (cerca de 3,5 euros) para entrar na fortaleza. A escalada durou cerca de 10 minutos. As escadas eram um pouco difíceis na época (recomendo não usar chinelos para subir a fortaleza), mas valeu a pena o esforço e o dinheiro. A vista do topo da fortaleza era incrível. Você pode ver como Trogir realmente é linda.

Museu Trogir

O museu da cidade está localizado perto da Catedral. O museu apresenta vestígios arqueológicos de todas as idades. As primeiras exposições são do período grego (helênico).

A exposição do museu realiza-se em várias salas. Um deles é dedicado à arte moderna do século XX. Você pode ver incríveis obras de arte feitas por pintura a óleo sobre tela.

A segunda sala apresenta obras de pedra principalmente da Idade Média e Renascença. Lá você pode ver como era a sala de estar de uma rica família nobre de Trogir no século XVII.

Igreja de São Domingos

A igreja de São Domingos, localizada perto da fortaleza Kamerlengo, é outra obra-prima da arte gótica. O portal principal apresenta um tímpano que representa Nossa Senhora, Santa Maria Madalena e Santo Agostinho.

Igreja de São Pedro

A luneta barroca da igreja de São Pedro foi construída por Nikola Firentinac, famoso arquiteto e escultor que também participou da construção da Catedral de Sibenik.

Existem muitos outros edifícios, igrejas e esculturas localizadas em Trogir. Eu deixo você explorá-los sozinho e desfrutar da atmosfera desta incrível cidade da UNESCO.

Ilha Čiovo

Čiovo é uma ilha localizada perto de Trogir. Possui bons apartamentos, praias e restaurantes.
Existem duas pontes que ligam a ilha ao terreno. Um deles é ocasionalmente fechado devido à passagem de navios.

Encontre informações atualizadas sobre eventos e ofertas turísticas da cidade no site do conselho de turismo de Trogir.


Sobre a cidade de Trogir

Trogir é uma das cidades mais sedutoras da costa da Dalmácia, uma confusão compacta de lugares bege-acastanhados, campanários salientes e ruas trôpegas que se estendem de uma praça central antiga. Trogir é uma pequena cidade repleta de arquitetura medieval, cercada por água. Fundada por gregos em Vis no século III aC, Trogir pode ser comparada a qualquer uma das cidades da costa em termos de pontos históricos, e sua catedral é uma das melhores do Adriático. Trogir é um exemplo notável de continuidade urbana. O plano de ruas ortogonais deste assentamento insular remonta ao período helenístico e foi embelezado por sucessivos governantes com muitos edifícios públicos e domésticos e fortificações. Suas belas igrejas românicas são complementadas por notáveis ​​edifícios renascentistas e barrocos do período veneziano.

Trogir é uma cidade histórica com um porto na costa do Adriático, no condado de Split-Dalmácia, na Croácia. Tem população de 10.818 e uma população total do município de 13.260. A histórica cidade de Trogir está situada em uma pequena ilha entre o continente croata e a ilha de Ciovo. Ele está situado a 27 quilômetros (17 milhas) a oeste de Split. Desde 1997, o centro histórico de Trogir entrou na lista de Patrimônios Mundiais da UNESCO & # 8217s. No século III a.C., colonos gregos da ilha de Vis fundaram o Tragurion. Foi um importante porto até o período romano. O nome tem origem no grego “tragos” (cabrito). Da mesma forma, o nome da ilha vizinha Bua origina-se do grego “voua” (rebanho de gado). A repentina prosperidade de Salona privou Trogir de sua importância. Durante a migração eslava, os cidadãos da destruída Salona escaparam para Trogir. A partir do século IX, Trogir prestou homenagem aos governantes croatas.

A diocese de Trogir foi estabelecida no século XI (e abolida em 1828, agora faz parte da Arquidiocese Católica Romana de Split-Makarska). Em 1107, foi fretado pelo rei húngaro-croata Coloman, ganhando assim a sua autonomia como vila. Em 1123, os sarracenos conquistaram e quase demoliram Trogir. No entanto, Trogir se recuperou em pouco tempo e uma grande prosperidade econômica se seguiu no século XII e no século XIII. Ao fugir dos tártaros em 1242, o rei Bela IV encontrou refúgio nesta cidade. Nos séculos XIII e XIV, membros da família Subic eram mais frequentemente eleitos duques pelos cidadãos de Trogir Mladen III (1348.), de acordo com a inscrição na laje sepulcral da Catedral de São Lourenço chamada “O Escudo dos croatas ”, foi um dos Subics mais proeminentes. Na Dalmácia, a cidade era conhecida como Tragur.

Trogir tem 2300 anos de tradição urbana. Sua cultura foi criada sob a influência dos antigos gregos e, posteriormente, dos romanos e venezianos. Trogir possui uma grande variedade de palácios, igrejas e torres, bem como uma fortaleza em uma pequena ilha. Em 1997, foi incluído na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO. “A planta ortogonal das ruas deste assentamento insular remonta ao período helenístico e foi embelezada por sucessivos governantes com muitos belos edifícios públicos e domésticos e fortificações. Suas belas igrejas românicas são complementadas por destacadas construções renascentistas e barrocas do período veneziano ”, afirma o relatório da UNESCO. Trogir é o complexo românico-gótico mais bem preservado não só do Adriático, mas de toda a Europa Central. O centro medieval da cidade de Trogir, cercado por muralhas, compreende um castelo preservado, uma torre e uma série de casas e palácios dos períodos românico, gótico, renascentista e barroco. O edifício mais grandioso de Trogir é a Catedral de São Lourenço. O seu portal ocidental principal é uma obra-prima de Radovan e a obra mais significativa do estilo românico-gótico na Croácia.

Trogir é um excelente exemplo de cidade medieval. Conformando-se com o traçado de uma cidade helenística e romana em que foi construída, conservou o seu tecido urbano de forma excepcional e com o mínimo de intervenções modernas. A trajetória de seu desenvolvimento social e cultural é claramente visível em todos os aspectos da paisagem da cidade. Trogir é um exemplo notável de tradição urbana. O plano de ruas ortogonais deste assentamento de ilha remonta ao período helenístico e foi embelezado por governantes sucessivos com muitos edifícios públicos e domésticos e fortificações. Suas belas igrejas românicas são complementadas por notáveis ​​edifícios renascentistas e barrocos do período veneziano. Colonos gregos da ilha de Vis no século III a.C. fundou a antiga cidade de Tragurion (Ilha das cabras). Era um assentamento comercial localizado em uma ilhota na extremidade ocidental da baía de Manios, em um estreito entre o continente e uma das ilhas do Adriático, em um local de pequeno povoado existente.

A cidade helenística foi cercada por muralhas megalíticas e suas ruas foram dispostas em um plano quadriculado hipodamiano: a linha do antigo cardo maximus é a da moderna rua principal. A cidade floresceu no período romano como um oppidum civium romanorum durante o período romano tardio, foi ampliada e refortificada. Extensos cemitérios romanos foram descobertos e uma basílica foi erguida em um deles. Embora não tenha sido feito bispado no início do período cristão, Trogir foi dotado de duas basílicas com corredores largos, situadas onde hoje se encontram a Catedral de São Lourenço e a Igreja Beneditina de São João Batista.

Na segunda metade do século IX, Trogir passou a fazer parte do tema bizantino da Dalmácia, com sua capital Zadar, e foi ocupada por Veneza no final do século X. Trogir medieval inicial expandiu-se para o sul. Novas fortificações foram construídas. No início do século XII, Trogir aceitou o domínio húngaro quando o tema da Dalmácia foi invadido. Houve um curto período de domínio veneziano no início do século XIV, mas foi somente em 1420 que a cidade tornou-se parte do império veneziano. Entre os séculos XIII e XV, muitos novos edifícios foram construídos. Entre eles estavam a Catedral de São Lourenço e o Castelo Kemerlengo, uma remodelação radical da praça principal. Houve também duas campanhas de reconstrução e fortalecimento de fortificações. O Tratado de Campo Formio (1797.) concedeu Trogir ao Império Austro-Húngaro, ao qual pertenceu até 1918, exceto por um curto período sob domínio francês, como parte das províncias da Ilíria. A planta contemporânea de Trogir reflete o layout helenístico na localização, dimensões e formas de seus blocos residenciais. As duas antigas ruas principais, o cardo e o decumanus, ainda estão em uso, e a pavimentação do fórum foi localizada por escavação em seu cruzamento.

O antigo Tragurion fica na extremidade oriental da ilhota, que se espalhou no período medieval anterior. O subúrbio medieval de Pasike estava se espalhando para o oeste em um alinhamento diferente e foi cercado pelas fortificações posteriores. O porto estava localizado no lado sul. Finalmente, as maciças fortificações venezianas incorporaram a fortaleza genovesa conhecida como Castelo Kamerlengo. A construção da Catedral de São Lourenço, construída no local de uma basílica anterior e dominando a praça principal, começou aproximadamente em 1200. e continuou no final do século XVI. Este período relativamente prolongado de construção foi consequência de sucessivos estilos arquitetônicos - românico, gótico e renascentista. É uma basílica de três corredores, cada um dos corredores terminando em uma abside. Dentro da varanda na extremidade oeste fica o batistério. Dos numerosos palácios aristocráticos, o Palácio Cippico, voltado para a extremidade oeste da catedral, é o que mais se destaca: o complexo de suas estruturas cobre um quarteirão inteiro. A maior parte remonta ao século XIII, com elementos incorporados do período romano tardio. During XV century, the owner invited three most celebrated artists of the time to embellish its facade and interior. Scattered around the town and, in particular near the ramparts, there are palaces of other eminent families. Many of them were built on foundations of late Classical or Romanesque structures and their styles vary from Gothic to Baroque.

The Kamerlengo Castle – Trogir’s fortifications are specific monuments, that gives the whole city a Medieval character. The small walls fragments are located in the Northern and the Western part of the city. The XIII century front South walls, as well as the Fort of St. Nicholas (kula sv. Nikole) and Fort Vitturi (kula Vitturi) have been well preserved. They have notable Romanesque characteristics – openings with sickle shaped arches and covered sentry walk along the walls. They are unique fortifications examples from those times. In the XIV century, the Genoese built a nine-sided tower in the Western corner of the city, a bit further from the old city core. It was supposed to be their navy base in the Adriatic. When the Venetians occupied Trogir in 1420, they combined this tower with the strong Kamerlengo fortress. It reveals the traces of construction stages. It was named after Kamerlengo (camerarius), the public servant, in charge of financial and economic affairs. After restoration and preservation, the fortress battlements and its top became accessible. They provide a stunning view of the city. This XIV century fortress was built for easier control of the harbor and the bay of Kastela. It is a most imposing fortress, that used to be connected to the city walls. It was built by the Genoans in the XIV century. In 1941, it was the place, where Fascist occupiers massacred locals. A memorial plaque notes that event.

The Cathedral of St. Lawrence – is the town’s centerpiece, located on the main square. Built between the XIII and XVII century, the cathedral has a rich history. The bell tower alone took 200 years to build, thus becoming a textbook lesson of the Dalmatian architectural styles: Gothic at the bottom, Venetian Gothic in the middle and Renaissance at the top. The cathedral’s front entry – the ornately decorated, recently restored Radovan’s portal – is worth seeing. Inside, it’s dark, with many altars. The treasury features some beautiful XV century carved-wood cabinets, filled with ecclesiastical art and gear.

Romanesque portal – the local architect and sculptor Master Radovan worked on cathedral’s gateway (main West portal) during early stages of its construction. Most of the portal was carved by the master himself, and some part by his pupils and followers. Finished and signed in 1240, it is a monumental and, perhaps, unique work of this great Croatian artist. Inscription in the base of the lunette is dedicated to him: The best of all in this artisanship. In terms of thematic concept, the portal is divided into two parts: upper and lower. The upper part shows scenes from the Gospels, that is, the life of the Christ. There is the scene of the Nativity on a lunette, and inside the arch above lunette, there are angels looking adoringly at the scene. The lunette and this arch are the work of Master Radovan. Above them, there is another arch with scenes from the life of Christ. On the interior of the doorposts, there are pictures of various works from different seasons. Radovan also worked on the two small columns covered in relief. The saints and apostles are pictured on the exterior doorpost, and the interior of the same doorpost is decorated with figures of exotic animals and fantastic creatures, like Centaurs and mermaids. Human forms dominate the portal. Both the internal and external doorposts rest on the back of bent over bearers, also the work of Radovan himself. Beside the portal, there are pictures of Adam and Eve standing on the backs of two lions.

H.A.N.D. DAYS – TROGIR – From the June 5th – 7th, 2015. This year’s event will represent the Intangible Cultural Heritage of Croatian participants (traditional crafts, indigenous cuisine, handicrafts, local products, folk customs, etc.). It’s an international event, that includes the following project: H.A.N.D. DAYS – TROGIR (Heritage, Art crafts, Nature, Domestic). This is a second year of this project and it will contain several segments: from presenting arts and crafts, traditional crafts, local cuisine and drinks at the fair to the entertainment program – from folk customs to traditional dances and music. Presentation of the diverse cultural traditional crafts will take place on fair presentations and workshops. The presentation includes: experience exchange, technology and intangible heritage valorization. The main socio-cultural goal of the project is preservation of the local identity in the times of globalization. Activities include: fair presentations, workshops, various exhibitions, folk groups performances and local cousine presentations.

The days of ancient Tragurium – Ancient fair will take place during all festival days. The exhibitors will sell handicrafts, natural products, authentic food, antiques and handmade products on the town streets. Special focus will be on the Mediterranean products, traded in an era when Trogir was a Greek colony Tragurium (like an olive oil and olive oil products, wine, liqueurs, dried fruits, herbs, spices, smoked and salt-cured meat, fish, cheese, authentic cuisine, clay, ceramic, wooden and metal products, jewelry made of natural materials, natural cosmetics, etc.)
Street performers In ancient times, art was created on the streets, squares, at the market places. During the Festival, Trogir will be a special place of joy and happiness… dancers, musicians, acrobats, jugglers …. all of them will have their special place on the streets of this eternal city.
The visual artists will paint in an open area Greeks god Kairos in his fly, trying to catch their happy moment. Ancient cuisine will be presented by Trogir restaurants and by the restaurants from others ancient towns. Ancient sport games Special charm to this festival will bring competition in Antique sport games such as rowing, sailing, rubs, Antique football, Antique bowl game. All these games have been created in the Ancient times, but they are still popular in these days. We will have competitors from neighboring ancient cities and regions. Searching for the Kairos In the night of Kairos, we will organize the prize game. Competitors will have an opportunity to discover the Trogir.

You can arrive in Trogir Croatia by road, air and sea.

The city is situated in vicinity of the Adriatic highway, that connects the South of Croatia with the rest of the Europe. If you drive from the North, the main road D1 that goes from Zagreb, via Karlovac, Gracac and Knin, will get you to the Trogir.

If you are coming from Italy, you should take the Adriatic highway via Rijeka, Senj, Zadar and Sibenik. The international airport “Split” is only 3 km away from the Trogir. A bigger transit centre, Split, is not far from Trogir (approximately 30 km).

Split is a town with great bus-connections with every country in the Europe, a railway station and a port with both merchant and passenger ships. If you come to Split by sea, you can do it by regular lines, along the Adriatic shore (Rijeka, Zadar and Dubrovnik) or by international lines (Ancona, Persara, Bari, Venice). In every 30 minutes, there is a regular bus line of the local bus company “Promet” from Split to Trogir (bus number 37).


Published by Tricia A. Mitchell

Tricia A. Mitchell is a freelance writer and photographer. Born in Europe but raised in the United States, she has lived in Valletta, Malta Heidelberg, Germany and Split, Croatia. An avid globetrotter who has visited more than 65 countries, she has a penchant for off-season travel. Tricia has learned that travel’s greatest gift is not sightseeing, rather it is the interactions with people. Some of her most memorable experiences have been sharing a bottle of champagne with distant French cousins in Lorraine, learning how to milk goats in a sleepy Bulgarian village, and ringing in the Vietnamese New Year with a Hanoi family. She welcomes any opportunity to practice French and German, and she loves delving into a place’s history and artisanal food scene. A former education administrator and training specialist, Tricia has a bachelor’s degree in elementary education and a master’s degree in international relations. She and her husband, Shawn, married in the ruins of a snowy German castle. They’ve been known to escape winter by basing themselves in coastal Croatia or Southeast Asia. Though they are currently nomadic, they look forward to establishing a European home someday. Her writing has appeared in Fodor’s Travel, Frommer’s, and International Living. View more posts


Trogir

Trogir is an island located in a sea tributary between the mainland and the island of Čiovo in the northwestern part of the Kaštela Bay. Trogir is the best preserved Romanesque-Gothic complex, not only on the Adriatic, but in the whole of Central Europe. The entire core of the old town is included in the UNESCO World Heritage List, as an example of a well-preserved Romanesque island town.

The Cathedral of St. St. Lawrence, which is one of the most famous monuments in Trogir and one of the most beautiful cathedrals in Croatia, is dominated In Trogir. Its construction took 300 years. Climb the bell tower of the Cathedral of St. Lovre and enjoy the unique panorama of Trogir and its surroundings. On the coast of the city is the Kamerlengo Fortress, which is a magnificent building from the 15th century, and not far from the Kamerlengo Fortress is the tower of St. Marco. From the sea side you can still enter the city of Trogir through the Southern City Gate built in the Renaissance style, while the northern city gate is decorated with Venetian lion and its stone bridge connected the city with the mainland. At the top of the door is a statue of St. John of Trogir, who is also the patron saint of the city of Trogir.

Some of the sights that Trogir abounds in and that you should definitely visit: On the main town square, opposite the cathedral stands the votive Church of St. Sebastian, which instead of a bell tower has an amazing City Clock Tower. City Lodge, Grand and Small Ćipiko Palace, Rector's Palace, Garagnin Palace - Fanfogna, which houses the city museum. What is certainly the most interesting from the history of Trogir is the fact that Trogir is the first city in Europe to have its own pharmacy, which was opened in 1271.

In addition to a trip into the past that you experience walking the streets, Trogir is a living Mediterranean town that offers countless opportunities for rest, relaxation, adventure and fun. Numerous beaches, cafes, fishing festivals and festivals, Dalmatian food and great atmosphere, each year attracts more and more visitors.


Trogir Town – History

The ancient town of Tragurion (“island of goats”) was founded as a trading settlement by Greek colonists from the island of Vis (Zssa) in the 3rd century BC on an islet at the western end of the bay of Manios, in a strait between the mainland and one of the Adriatic islands, where there was already a small settlement. The Hellenistic town was enclosed by megalithic walls and its streets were laid out on a “Hippodamian” grid plan: the line of the ancient cardo maximus is that of the modem main street. The town flourished in the Roman period as an oppidum civium romanum, linked with the neighbouring cities of Salona, capital of the Roman province of Dalmatia, and Siculi, a colony for Roman military veterans. During the Late Roman period it was extended and refortified. Extensive Roman cemeteries have been discovered, outside the town, as was customary, and a basilica was erected in one of these in Late Roman times. Although it was not made a bishopric in the early Christian period, Trogir was endowed with two large aisled basilicas, sited where the latter-day Cathedral and Benedictine Church of St John the Baptist now stand.

In the second half of the 9th century Trogir became part of the Byzantine theme of Dalmatia, with its capital Zadar, and it was occupied by Venice at the end of the 10th century. Early medieval Trogir expanded to the south and new fortifications were constructed. At the beginning of the 12th century Trogir accepted Hungarian rule when the theme of Dalmatia was overrun. There was a short period of Venetian rule in the early 14th century, but it was not until 1420 that the town became part of the Venetian empire. Between the 13th and 15th centuries many new building took place, this period seeing the construction of the Cathedral and the Camerlengo fortress, a radical remodelling of the main square, and two campaigns of reconstruction and strengthening of the fortifications. The Treaty of Campoformio handed Trogir over to the Austro-Hungarian Empire, to which it belonged, apart from a short period under French rule (1806-lo), as part of the Illyrian Provinces until 1918.

Pré-história

As early as the prehistoric time a central settlement stood on the rounded piece of land between the continent and the island of Ciovo. But apart from this settled lowland area, surrounded by marshy shallows and known as the historical nucleus, summits of a dozen surrounding hills were also inhabited in the second and first millenniums B.C. These settlements and fortified positions — citadels were built on riser which providied good view of the lowland around Trogir as well as of the sea straits. Among the impressive tombal mounds which still may be seen in the area the most outstanding is the one located at the summit of Plosnjak, the hill which dominates the scenery and encloses the field on the north side. Jutting into the sky at the western border of the Great Field (the field of Kastela) as a natural landmark is the mound called Knezeva gomila. According to Greek hypothesis Tragurion would mean „a hill with goats“, which would be the Greek translation of an older Illyrian denomination whose meaning is kin to that of the name of the mountain Kozjak.

Classical Era

The first information about the Greek settlement of Tragurion goes back to the 2nd century when the historian Polybius mentioned it in the connection with the attacks of the belicious Illyrian tribe of Dalmati who lived in the hinterland. But it was probably even earlier, at the close of the 3rd or at the beginning of the 2nd centuries that Greek colonization had begun within the already existing settlement. We do not know how exactly it started, whether it was based on an agreement with the aborigins or was a process of gradual infiltration or the settlement was a war gain. Tragurion was a dependency of Issa, another Doric settlement in the island of the same name (Vis). It seems that it mantained close connections with its mother settlement for quite a long time. From this period to our days urban life has continued uninterreupted in Trogir. In the course of the 1st century B.C. this Greek — Illyrian settlement became Roman municipium of Tragurium. The subsequent development of the nearby Salona, which was a true metropolis and leading town of all Dalmatia (Illyricum), was probably the main cause of the narrowing of municipal autonomy of Tragurium which became its satellite settlement.

Late Classical Era

The crisis of the Late Classical period was particularly acute in the 5th century. The tragic feeling of life which was felt throughout the empire thrown into chaos by the great Indo-European migration of the peoples, especially that of the Ostrogoths, was probably reflected in Tragurium, as well. There is some evidence that the town saw a period of new prosperity in the 6th century, when the Byzantine Emperor Justinian drove the Ostrogoths out of Dalmatia. It was in the Late Classical era that Christianity reached the walls of Tragurium. The new religion had already taken root in the nearby Salona, metropolis of the province. Vague ancient legends and stories relate the foundation of the Cathedral of Trogir to the noblemen of Salona. At the same period the cult of the Salonitan bishop and martyr St. Domnius spread from its place of origin to the neighboring Tragurium. Judging from dedicatory inscriptions a whole sequence of churches were erected in the city and in its surroundings during the Late Classical and Proto-Byzantine periods. These chruches were dedicated to different martyrs and apostles like St. Cyprianus, St. Andrew, St. Theodore (the patron saint of the Byzantine army), St. Martin, St. Euphemia.

Early Middle Ages

With the Avaro-Slavic invasion and the fall of Salona at the start of the 7th century the first Slavic settlers were recorded in the surroundings of Tragurium which, along with the few surviving settlements, made part of the Byzantine Dalmatia. In the 9th century the Croats built the first centres of their new state just here, close beside the ruins of Sicula and a short distance to the east, near the ruins of Salona. In the vicinity of the church of st. Martha at Bijaci in the Great Field (originally a Late Classical basilica), which stood within the borders of the Croatian State, were the estates of Croatian rulers. It was in front of this church that the Prince Trpimir issued the earliest known Croatian charter in 1852. Soon the new ethnic element infiltrated into the town itself as early as the 11th century among the noblemen, builders of churches and founders of monasteries, persons bearing Croatian names could be found side by side with the old Romanized population. The legend about St. John of Trogir mentions a royal donations with which the Croatian rulers allegedly helped the building of the Cathedral. Apart from the Croatian rulers, the Republic of Venice showed great interest in the Byzantine Dalmatia.

Idade Média tardia

We may say that from the start of the 12th to the beginning of the 15th centuries, expect for few brief periods, the Trogirians recognized the sovereignty of the Hungaro-Croatian kings as their natural rulers. In 1105, the King Colomanus, after he had conquered Dalmatia and had been crowned with the Dalmato-Croatian crown, issued a charter in which he guaranteed the town its liberties. One of the most important events in the history of Trogir was, doubtless, the stay of the King Bela IV and his retinue in Trogir during the Tatar invasion in March 1242. Like other Dalmatian cities, Trogir was subjected to constant Venetian pressure from the sea, which culminated in the 12th century. Before falling at last into Venetian hands, for the longest period Trogir recognized the Hungarian sovereigns, since these distant rulers from the North treated the town extreemly leniently. The fighting against Split in the period 1242-1244 was, doubtless, a historical landmark for Trogir. The hostilities started as a dispute between the neighbors concerning borders and property of single estates which the Hungarian sovereigns granted now to one and then to the other side. In 1378, during the warfare between Venice on one and Genoa and Hungary on the other with side (1376-1381), Trogir found itself at the very centre of fighting. Namely, with the Hungarian support, the Genovese fleet anchored in the harbour of Trogir and put up a stiff resistence to the fire from Venetian ships.
The relations with the feudal lords from the hinterland were always important for Trogir. At the start of the 12th century the citizens of Trogir and Split fought against the most powerful feudal lord of the time, Domaldo. Although the Commune always strived to represent the interests of the town as a whole, it often happened that the interests of its classes were sharply contrasted. The nobility was generaly loyal to the Hungarian Crown from which they received whole villages in the hinterland. In the riots which broke up in Decembre 1357 a popular rebellion blended with paying off of old scores among the noble families, in which the Cega family suffered complete defeat. Frequent were also the disputes between the Commune and the Church, as well as conflicts inside the Church, between the bishop and the clergy. Important source for the study of the history of Trogir from the second half of the 13th to the first decades of the 14th centuries are hundreds of legal documents written by Trogirian scriveners and compiled by the historian Miho Barada. In time the Trogirians received their education in different foreign countries. Augustin Kazotic, a man of exemplary life, venerated by the Trogirians as saint, studied in Paris. Still remembering the epidemic plague which raged around 1348 are the ruins of the chapel of Saint Eustachius erected at the summit of the hill of Krban as a pledge for the salvation from the Black Death.

New Era

Waiting in vain for the King’s help, thrown in knees by the ceaseless fire from Venetian galleys, Trogir fell into the hands of the Republic on 20 June 1240. In the latter half of the 15th century, as a result of the Turkish invasion, the large Commune was reduced to just a narrow coastal belt. Warfare and fear were day-to-day reality of this section of the Turkish-Venetian border. It was only at the close of the 17th century that the Turks were pushed far inland. In the 15th century Koriolan Cipico writes works in Latin. In his war memories titled Petri Mocenici imperatoris gesta or De bello asiatico he describes the Turkish-Venetian warfarew, permeating his account with countless reminiscences from Classical Antiquity. During the uprisal of the commoners of Hvar Hanibal Lucié refuges in Trogir and dedicates his Croatian verse to Koriolan’s grand-daughter Milica, a self-confident Renaissance woman who weaves tapestries. Petar Lucius — Luëié, father of the historian Ivan, compiles one of the earliest Croatian books of poetry, the Vrtal (at the start of the 15th century his father Petar collected Roman inscriptions, transcribed Classics and ornated the books of his rich library with his own hand). Many Trogirians knew well Latin and were acquainted with Greek, as well.
The transitory French rule during Napoleon’s early 19th century conquests (1806-1814) shook Trogir, as well as whole Dalmatia, out of its medieval leathargy. Roads and schools were built, while monasteries were closed down school children were taught in their mother tonuge public health was improved and town walls pulled down. .. At the start of the 19th century the Trogirians became the first official conservators of Dalmatian monuments appointed by the central administration in Vienna. Ivan Luka Garagnin organized the first archeological excavations at Salona, while Vicko Andrié, who had studied at the Roman Academy of St. Luke, explored and restored the Diocletian’s palace. The period between the two World Wars of the so called Old Yugoslavia was marked by revolutionary brewing of the politicized popular classes which demanded radical agricultural reform. As early as 1919 the first unit of the Socialist Party was organized. After the collapse of Italy, Trogir was ruled by the partisans fromn 12 Settembre to 7 November 1943. on the night between 27 and 28 November the People’s Liberation Army entered Trogir. The destroyed town met it with a decimated population, but free at last.


Assista o vídeo: 2020-as nyaralás Horvátországban 4K Split. Trogir