Onde estão os mongóis de Genghis Khan?

Onde estão os mongóis de Genghis Khan?

No século 13, as hordas mongóis invadiram a maior parte do mundo conhecido e os nobres de Genghis Khan tinham fortes legados para governar na China, Irã e Ásia Central nos séculos seguintes. E os soldados mongóis e as pessoas comuns nas áreas? Eles foram assimilados ou dissolvidos em algum sentido ou os descendentes dos mongóis ainda vivem em outras áreas além da própria mongol?


A Wikipedia fornece uma excelente resposta sobre os descendentes de Genghis Khan.

Alguns dos pontos principais:

  • Outra consideração importante é que os descendentes de Gêngis se casavam com frequência. Por exemplo, os Jochids tomaram esposas da dinastia Ilkhan da Pérsia, cujo progenitor foi Hulagu Khan. Como consequência, é provável que muitos Jochids tivessem outros filhos de Genghis Khan entre seus ancestrais maternos.

  • Entre as dinastias asiáticas descendentes de Genghis Khan estavam a Dinastia Yuan da China, os Ilkhanids da Pérsia, os Jochids da Horda de Ouro, os Shaybanids da Sibéria e os Astrakhanids da Ásia Central.

  • O clã governante Wang da Dinastia Goryeo coreana tornou-se descendente dos Genghisids através do casamento entre o rei Chungnyeol e uma filha de Kublai Khan. Todos os governantes subsequentes da Coréia nos próximos 80 anos, através do Rei Gongmin, eram descendentes de Genghis Khan.

  • Após a invasão mongol da Rússia, os governantes rurikidas dos principados russos estavam ansiosos por obter vantagens políticas para si e para seus países, casando-se com membros da Casa de Gêngis.

  • … Conseqüentemente, não é surpreendente notar que, de Nurhaci ao imperador Shunzhi, todas as imperatrizes e principais concubinas eram mongóis.

Também vale a pena observar O Efeito Ian Ashworth também mencionado no link acima e nesta discussão SE Skeptics:

Foi reivindicado e pesquisado (link para o artigo) que:

8% de todos os homens asiáticos e, portanto, 0,5% de todos os homens seriam descendentes de Genghis Khan.

A conclusão dos céticos foi que a pesquisa empilhou:

Parece ter um resultado robusto, que parece razoavelmente aceitar provisoriamente, a menos que contra-provas sejam apresentadas.


A vasta maioria dos mongóis de Genghis Khan foi rechaçada para a Mongólia ou foi absorvida pela população em geral da China. Alguns chineses modernos mantêm sua herança mongol, conforme evidenciado no seguinte mapa linguístico das línguas mongóis:

Algumas das populações mongóis incluem: Bonan, Mongour, Dongxiang, Yugur, Sogwo Arig, Sichuan Mongols, Yunnan Mongols. Agradeço a Dagvadorj por me corrigir e apontar isso.


O império de Genghis Khan tinha pelo menos quatro partes principais: Rússia (moderna), Oriente Médio (principalmente Pérsia), Ásia Central (Cazaquistão) e China-Mongólia.

Os soldados que ocuparam as três primeiras partes (principalmente) casaram-se com mulheres locais. Na China-Mongólia (sob Kublai Khan), muitos mongóis se casaram com chineses. Apenas alguns mongóis (entre a Mongólia moderna e o Lago Baikal) permaneceram relativamente "puros", razão pela qual existem tão poucos hoje. Os genes dos outros foram parar em outro lugar.


A história secreta dos mongóis

A história secreta dos mongóis (Mongol tradicional: Mongγol-un niγuča tobčiyan, Khalkha Mongol: Монголын нууц товчоо, Mongolyn nuuts tovchoo [nota 1] Chinês: 《蒙古 秘史》 pinyin: Měnggǔ Mìshǐ aceso. 'Mongol Secret History') é a obra literária mais antiga sobrevivente na língua mongol. Foi escrito para a família real mongol algum tempo depois da morte de Genghis Khan em 1227 (nascido em Temujin). O autor é anônimo e provavelmente escreveu originalmente na escrita mongol, mas todos os textos sobreviventes derivam de transcrições ou traduções em caracteres chineses que datam do final do século 14 e foram compilados pela dinastia Ming sob o título A História Secreta da Dinastia Yuan (Chinês: 《元朝 秘史》 pinyin: Yuáncháo Mìshǐ ) Também conhecido como Tobchiyan (Chinês: 脫 必 赤 顏 pinyin: Tuōbìchìyán ou 脫 卜 赤 顏 Tuōbǔchìyán ) no História de Yuan.

o História Secreta é considerado o relato nativo mongol mais significativo sobre Genghis Khan. Lingüisticamente, ele fornece a fonte mais rica de mongóis pré-clássicos e mongóis médios. [2] O História Secreta é considerada uma obra de literatura clássica na Mongólia e no resto do mundo.

A única cópia foi encontrada na China e publicada por um monge russo Palladius (Pyotr Ivanovich Kafarov) em 1872. [ contraditório ]


Documentos relacionados

True Genghis Khan Ao longo do tempo, houve muitas pessoas influentes para impactar a história. De César a Alexandre, o Grande, muitos impérios governaram em todo o mundo com grande poder. Ao contrário da maioria dos impérios, nenhum se compara ao império do grande imperador mongol, Genghis Khan. O nome Genghis Khan, ainda hoje, incute medo nas mentes das pessoas. Conhecida por ser uma das forças mais terríveis e selvagens da humanidade, há muito a se entender sobre o imperador Khan, em & hellip


História da Mongólia: de Genghis Khan ao socialismo - Viagem à Mongólia

Quando você pensa na Mongólia, a primeira coisa que provavelmente vem à sua mente é Genghis Khan e o Império Mongol. Há uma crença generalizada entre os estrangeiros de que nada de importante aconteceu na história da Mongólia após a queda do império. E é quase verdade. A Mongólia raramente era mencionada ou participava de grandes eventos mundiais após as conquistas de Genghis Khan. Mas, como a maioria das coisas, se você realmente cavar, MUITO aconteceu antes e depois do Império Mongol. Portanto, para evitar que você leia todo um artigo da Wikipedia, escrevemos este artigo (relativamente) curto sobre a história da Mongólia.

Pré-história (antes do Império Mongol)

Não vamos aborrecê-lo muito com a parte pré-histórica porque, bem, é pré-histórica. Em suma, ninguém sabe muito sobre nômades primitivos da Ásia Central. Tudo o que sabemos é que antes do nascimento de Genghis Khan, havia na verdade alguns impérios, com o Império Xiongnu sendo o primeiro. Fundado pela primeira vez em 209 AEC, o império conduziu ataques destrutivos às terras da dinastia Qin. Esses ataques resultaram na construção da Grande Muralha da China para proteção. Infelizmente, o núcleo étnico do Império Xiongnu permanece turvo. Eles podem ter sido hunos, mongóis ou turcos. O povo Xiongnu realmente não escrevia muito porque era um povo nômade em guerra constante com a China. Portanto, manter o controle de sua história provavelmente não era realmente uma prioridade.

Depois de Xiongnu, veio o Império Xianbei, que foi fundado em 93 EC. Ao contrário dos Xiongnu, eles careciam de organização e foram assimilados pela China. O próximo é o Rouran Khaganate. Eles estavam um pouco mais avançados do que as duas confederações anteriores. No entanto, diz-se que o Khaganate era uma sociedade agressiva e militarizada. Portanto, era provavelmente semelhante à antiga cidade-estado grega Esparta, no sentido de que não era realmente um ótimo lugar para se viver em paz. Após o eventual declínio do Rouran Khaganate, o Primeiro Turkic Khaganate os sucedeu. Mas, como o nome indica, eles eram turcos, e o Khaganate finalmente desabou em uma série de guerras civis.

Tem & uumljin (Caos das tribos guerreiras)

Genghis Khan é a figura mais crítica da história da Mongólia. Ele é basicamente George Washington da Mongólia. Mas para entender como o Império Mongol foi fundado, temos que mencionar o Khamag Mongol. Eles foram basicamente um estado predecessor do Império Mongol. O pai de Genghis Khan na verdade era o 4º cã do Khamag Mongol. E como a maioria dos governantes, ele foi envenenado por seus inimigos. Isso deixou Tem & uumljin (Genghis Khan), então com nove anos, sem muito poder. Após a morte de seu pai, a tribo abandonou Tem & uumljin e sua família, essencialmente deixando-os para morrer.

Nos anos seguintes, eles viveram em extrema pobreza, comendo principalmente frutas e esquilos caçados por Tem & uumljin e seus irmãos. Falando em irmãos, seu meio-irmão mais velho, Begter, tentou várias vezes exercer poder sobre a família e queria se casar com a mãe de Tem & uumljin. Tem & uumljin não gostou disso. Então, enquanto caçava por comida, ele o matou com um arco e flecha. Durante esse tempo, a Mongólia foi completamente fragmentada sem um poder central.

Por volta de 1177, Tem & uumljin foi capturado por uma tribo e escravizado. Diz-se que um guarda simpático libertou Tem & uumljin e ele escapou à noite. O filho do guarda acabou se tornando general de Genghis Khan. Ele também se casou com a mulher com quem deveria se casar aos nove anos antes da morte de seu pai. Infelizmente, aquela esposa, B & oumlrte, foi sequestrada por outra tribo. Tem & uumljin então reuniu 20.000 soldados com a ajuda do amigo de seu pai e aniquilou completamente aquela tribo. Este evento se tornou um trampolim para mais poder. Eventualmente, depois de muita morte e traição, ele ganhou o título de & # 39Genghis Khan & # 39 ou líder universal em 1206 e se preparou para a conquista.

Genghis Khan (Império Mongol)

Antes de chegarmos à parte da guerra e destruição, Genghis Khan era na verdade um governante bastante competente e progressista (pelos padrões do século 13). Ele organizou seu exército usando o sistema decimal. 10 soldados funcionavam basicamente como um esquadrão (arban). 100 soldados eram pelotões (zuuns) 1.000 - batalhões (mingghans) e 10.000 soldados eram um exército (tumen). Ele também valorizava muito a lealdade e a amizade. Pessoas que eram leais a ele foram colocadas em posições elevadas. Estar cercado por pessoas altamente qualificadas e leais foi crucial para sua conquista.

Embora misericordioso com seus aliados, Tem & uumljin foi brutal com seus inimigos. Ele derrotou rapidamente os países vizinhos. Quase todas as cidades que o exército mongol atacou foram totalmente destruídas e sua população massacrada. Esperava-se que cada soldado mongol executasse 24 pessoas em cada batalha. O Império Mongol devastou toda a Ásia. Os soldados do império cometeram massacres em grande escala, que foram horríveis. Essas atrocidades tornaram o Império Mongol famoso por sua brutalidade. Genghis Khan invadiu e dizimou o Império Khwarezmiano, que derramou prata derretida nos olhos e ouvidos de um governador por matar seus mensageiros. No final, ele massacrou aproximadamente 40-60 milhões de civis, causando um declínio drástico na população e um aumento na fome.

Mesmo que Genghis Khan fosse um guerreiro implacável com seus inimigos, sua influência é mais matizada. Ele praticava a meritocracia e encorajava a tolerância religiosa, o que era quase desconhecido na época. Após a morte de Tem & uumljin, seus filhos e netos fizeram do Império Mongol o maior império contíguo da história. Kublai Khan, um de seus netos, fundou a dinastia Yuan e tornou-se imperador de toda a China. Infelizmente, os descendentes de Genghis Khan começaram uma guerra de sucessão entre si que destruiu o enorme império.

The Rise of Socialism (história contemporânea da Mongólia)

Após a queda do Império Mongol, um período de conflito entre facções começou. No século 17, a dinastia Qing absorveu a Mongólia e o budismo tibetano se espalhou rapidamente. Após a queda da dinastia Qing, a Mongólia alcançou a independência da República da China em 1921. Os bolcheviques russos foram cruciais na independência da Mongólia e em 1924 a Mongólia tornou-se um estado socialista. Durante o regime socialista, milhares de monges foram executados sem julgamento. Como a maioria dos países socialistas, as práticas religiosas foram proibidas. A liberdade de imprensa estava em seu leito de morte e pessoas que se opunham ao governo foram executadas. Resumindo, a vida era muito sombria para o povo mongol. Como outros países sob domínio soviético, a Mongólia conduziu uma revolução democrática pacífica e, em 1990, tornou-se uma república semi-presidencialista. A Mongólia experimentou uma paz sem precedentes e um crescimento econômico desde então.

Hoje, a Mongólia é um país de renda média baixa com uma economia baseada no mercado. Embora não seja um país desenvolvido, a Mongólia progrediu em um ritmo notável desde a queda do comunismo. Embora a história da Mongólia tenha uma, hoje a Mongólia se tornou um dos países mais seguros do mundo.


Práticas militares

As incríveis conquistas militares dos mongóis sob o comando de Genghis Khan e seus sucessores foram devido à estratégia e táticas superiores, e não à força numérica. Os exércitos mongóis eram compostos principalmente de cavalaria, o que lhes proporcionava um alto grau de mobilidade e velocidade. Seus movimentos e manobras eram dirigidos por sinais e um serviço de mensageiro bem organizado. Na batalha, eles dependiam principalmente de arcos e flechas e recorreram à luta homem-a-homem apenas depois de terem desorganizado as fileiras do inimigo. Os armamentos e táticas mongóis eram mais adequados para abrir planícies e países planos do que para regiões montanhosas e arborizadas. Para o cerco de cidades muradas, eles freqüentemente obtiveram assistência de artesãos e engenheiros de povos conquistados tecnicamente avançados, como chineses, persas e árabes.

Outro fator que contribuiu para o sucesso esmagador de suas expedições foi o uso habilidoso de espiões e propaganda. Antes de atacar, eles geralmente pediam rendição voluntária e ofereciam paz. Se isso fosse aceito, a população era poupada. Se, entretanto, a resistência tivesse que ser superada, o massacre em massa ou pelo menos a escravidão invariavelmente resultaria, poupando apenas aqueles cujas habilidades especiais eram consideradas úteis. No caso de rendição voluntária, os membros da tribo ou soldados eram frequentemente incorporados às forças mongóis e tratados como federados. A lealdade pessoal dos governantes federados ao cã mongol desempenhou um grande papel, já que normalmente nenhum tratado formal era concluído. Os exércitos “mongóis”, portanto, freqüentemente consistiam em apenas uma minoria de mongóis étnicos.


Genghis Khan e morte de rsquos

Genghis Khan procurou os sacerdotes taoístas, que ele acreditava conhecer o segredo da vida eterna. No entanto, no meio de uma campanha contra o povo Tangut (que ele disse ter quebrado sua palavra), ele morreu, aparentemente de causas naturais. Seu corpo foi devolvido à Mongólia e sua tumba foi considerada relativamente modesta para um governante de sua estatura, embora sua localização seja desconhecida hoje.

Após sua morte, seu filho, Ogedai, o sucedeu até sua própria morte em 1241. Rossabi observa que as sucessões futuras foram contestadas, levando a disputas, guerras e, eventualmente, o império se dividindo em diferentes estados. “Esses conflitos e a desunião que se seguiu seriam fatores primordiais no colapso do império mongol”, escreve ele.

Para as pessoas que se tornaram súditos do império, a ascensão de Genghis Khan foi impressionante e, para alguns, quase divina.

& ldquoAntes do aparecimento de (Genghis Khan), eles não tinham chefe ou governante. Cada tribo ou duas tribos viviam separadamente, não estavam unidas uma à outra, e havia constantes lutas e hostilidade entre elas ”, escreveu Juvayni.

Mas quando & ldquot a fênix da prosperidade deseja fazer do telhado de um homem sua morada, e a coruja do infortúnio para assombrar o limiar de outro ... nem a escassez de equipamento nem a fraqueza das condições impedem o homem afortunado de atingir seu objetivo ... & rdquo


O grande khan

O poder crescente de Kublai & # x2019 não passou despercebido por Mongke, que enviou dois de seus assessores de confiança para a nova capital de Kublai para investigar a coleta de receitas. Depois de uma auditoria apressada, eles descobriram o que alegaram ser inúmeras violações da lei e começaram a expurgar violentamente a administração de altos funcionários chineses.

Kublai & # x2019s Conselheiros confucionistas e budistas persuadiram Kublai a apelar pessoalmente para seu irmão em nível familiar. Monkge & # x2014 enfrentando um conflito religioso entre budistas e taoístas e a necessidade de aliados para conquistar a Dinastia Song no sul da China & # x2014 fez as pazes com Kublai.

Kublai realizou um debate em sua nova capital em 1258. Ele acabou declarando os taoístas os perdedores do debate e puniu seus líderes convertendo-os e seus templos ao budismo à força e destruindo textos.

Mongke lançou sua campanha contra a Dinastia Song e instruiu seu irmão mais novo, Arik Boke, a proteger a capital mongol de Karakorum. Em 1259, Mongke morreu em batalha e Kublai soube da morte de seu irmão enquanto lutava contra os Song na província de Sichuan.

Arik Boke reuniu tropas e realizou uma assembleia (chamada de Kuriltai) em Karakorum, onde foi nomeado o Grande Khan.

Kublai e Hulegu, que haviam retornado do Oriente Médio ao ouvir sobre a morte de Mongke e # x2019s, controlaram-se Kurilta & # x2013 Kublai foi nomeado Grande Khan, desencadeando uma guerra civil, que acabaria com a rendição de Arik Boke & # x2019 em 1264.


2. Desafios

Quer ele estivesse motivado para vencer pela fome nas planícies da Mongólia, pela necessidade de cavalos após grandes batalhas ou pela crença de que tinha o direito divino de conquistar o mundo, suas forças se enfrentaram aos melhores exércitos de seu tempo. Genghis Khan transformou a sociedade mongol de uma baseada em um estilo de vida tribal tradicional para uma governada por governantes habilidosos com autoridade em grandes porções do globo conhecido. Até então, os mongóis nunca tiveram um único chefe ou governante sobre eles como um todo. Após uma luta sangrenta para uni-los, Genghis Khan tinha então um milhão de lutadores à sua disposição e o mundo à sua frente para saquear.


Conteúdo

Linhagem

Genghis Khan era parente paterno de Khabul Khan, Ambaghai e Hotula Khan, que chefiara a confederação Khamag Mongol e eram descendentes de Bodonchar Munkhag (c. 900). Quando a dinastia Jurchen Jin mudou o apoio dos mongóis para os tártaros em 1161, eles destruíram Khabul Khan. [22] [23]

O pai de Genghis Khan, Yesügei (líder do clã Kiyat-Borjigin [10] e sobrinho de Ambaghai e Hotula Khan), emergiu como o chefe do clã mongol governante. Esta posição foi contestada pelo clã rival Tayichi'ud, que descendia diretamente de Ambaghai. Quando os tártaros ficaram muito poderosos depois de 1161, os Jin mudaram seu apoio dos tártaros para os keraitas. [24] [25]

Nascimento

Pouco se sabe sobre os primeiros anos de vida de Genghis Khan, devido à falta de registros escritos contemporâneos. As poucas fontes que fornecem uma visão sobre este período freqüentemente se contradizem.

Temüjin significa "ferreiro". [26] De acordo com Rashid al-Din Hamadani, Chinos constituiu aquele ramo dos mongóis que existiu de Ergenekon através do derretimento do lado da montanha de ferro. Existia uma tradição que considerava Genghis Khan um ferreiro. O nome de batismo de Gêngis era Temüjin foi equiparado a turco-mongol temürči (n), "ferreiro". Paul Pelliot viu que a tradição segundo a qual Gêngis era ferreiro era infundada, embora bem estabelecida em meados do século XIII. [27]

Genghis Khan provavelmente nasceu em 1162 [nota 2] em Delüün Boldog, perto da montanha Burkhan Khaldun e dos rios Onon e Kherlen no norte da Mongólia atual, perto da atual capital Ulaanbaatar. A história secreta dos mongóis relata que Temüjin nasceu segurando um coágulo de sangue em seu punho, um sinal tradicional de que ele estava destinado a se tornar um grande líder. Ele era o primeiro filho de Hoelun, segunda esposa de seu pai Yesügei, que era um chefe Kiyad proeminente na confederação Khamag Mongol e um aliado de Toghrul da tribo Keraite. [28] De acordo com o História Secreta, Temüjin foi nomeado após o chefe tártaro Temüjin-üge que seu pai tinha acabado de capturar.

O clã de Yesukhei era Borjigin (Боржигин), e Hoelun era da sub-linhagem Olkhunut da tribo Khongirad. [29] [30] Como outras tribos, eles eram nômades. A origem nobre de Temüjin tornou mais fácil para ele solicitar ajuda e, por fim, consolidar as outras tribos mongóis. [31]

Juventude e família

Temüjin tinha três irmãos Hasar, Hachiun e Temüge, uma irmã Temülen e dois meio-irmãos Begter e Belgutei. Como muitos nômades da Mongólia, a infância de Temüjin foi difícil. [32] Seu pai arranjou um casamento para ele e o entregou aos nove anos para a família de sua futura esposa Börte, da tribo Khongirad. Temüjin iria morar lá servindo o chefe da família, Dai Setsen, até a idade de casar de 12 anos. [33] [34]

Enquanto voltava para casa, seu pai encontrou os tártaros vizinhos, que há muito eram inimigos mongóis, e eles lhe ofereceram comida que o envenenou. Ao saber disso, Temüjin voltou para casa para reivindicar a posição de seu pai como chefe. Mas a tribo recusou e abandonou a família, deixando-a sem proteção. [35]

Nos anos seguintes, a família viveu na pobreza, sobrevivendo principalmente de frutas silvestres, carcaças de bois, marmotas e outros pequenos animais mortos por Temüjin e seus irmãos. O meio-irmão mais velho de Temüjin, Begter, começou a exercer o poder como o homem mais velho da família e acabaria tendo o direito de reivindicar Hoelun (que não era sua própria mãe) como esposa. [36] O ressentimento de Temüjin explodiu durante uma excursão de caça quando Temüjin e seu irmão Khasar mataram Begter. [36]

Em um ataque por volta de 1177, Temüjin foi capturado pelos ex-aliados de seu pai, os Tayichi'ud, e escravizado, supostamente com uma cangue (uma espécie de estoque portátil). Com a ajuda de um guarda solidário, ele escapou da iurta (iurta) à noite, escondendo-se em uma fenda do rio. [37] A fuga deu a Temüjin uma reputação. Logo, Jelme e Bo'orchu juntaram forças com ele. Eles e o filho do guarda, Chilaun, eventualmente se tornaram generais de Genghis Khan. [38]

Naquela época, nenhuma das confederações tribais da Mongólia estava unida politicamente e os casamentos arranjados eram freqüentemente usados ​​para solidificar alianças temporárias. Temüjin cresceu observando o difícil clima político, que incluía guerras tribais, roubos, ataques, corrupção e vingança entre confederações, agravado pela interferência do exterior, como da China ao sul. [39] A mãe de Temüjin, Hoelun, ensinou-lhe muitas lições, especialmente a necessidade de alianças fortes para garantir a estabilidade na Mongólia. [40]

Como era comum para homens mongóis poderosos, Genghis Khan tinha muitas esposas e concubinas. [41] [42] Ele freqüentemente adquiria esposas e concubinas de impérios e sociedades que havia conquistado, essas mulheres eram frequentemente princesas ou rainhas que foram levadas cativas ou presenteadas a ele. [42] Genghis Khan deu a várias de suas esposas de alto status suas próprias ordos ou acampamentos para morar e administrar. Cada acampamento também continha esposas juniores, concubinas e até filhos. Era tarefa do Kheshig (guarda imperial mongol) proteger as yurts das esposas de Genghis Khan. Os guardas tinham que prestar atenção especial à tenda individual e ao acampamento em que Genghis Khan dormia, que podia mudar a cada noite, conforme ele visitava esposas diferentes. [43] Quando Genghis Khan partia em suas conquistas militares, ele geralmente levava uma esposa com ele e deixava o resto de suas esposas (e concubinas) para administrar o império em sua ausência. [44]

Börte

O casamento entre Börte e Genghis Khan (então conhecido como Temüjin) foi arranjado pelo pai dela e Yesügei, o pai de Temüjin, quando ela tinha 10 e ele 9 anos. [45] [46] Temüjin ficou com ela e sua família até ser chamado de volta para cuidar de sua mãe e irmãos mais novos, devido ao envenenamento de Yesügei por nômades tártaros. [47] Em 1178, cerca de 7 anos depois, Temüjin viajou rio abaixo ao longo do rio Kelüren para encontrar Börte. Quando o pai de Börte viu que Temüjin havia voltado para se casar com Börte, ele tinha o casal "unido como marido e mulher". Com a permissão de seu pai, Temüjin levou Börte e sua mãe para morar na yurt de sua família. O dote de Börte era uma bela jaqueta preta de zibelina. [48] ​​[49] Logo após o casamento entre eles acontecer, os Três Merkits atacaram o acampamento de sua família ao amanhecer e sequestraram Börte. [50] Ela foi dada a um de seus guerreiros como despojo de guerra. Temüjin ficou profundamente angustiado com o sequestro de sua esposa e observou que sua "cama foi esvaziada" e seu "seio foi dilacerado". [51] Temüjin a resgatou vários meses depois com a ajuda de seus aliados Wang Khan e Jamukha. [52] Muitos estudiosos descrevem este evento como uma das principais encruzilhadas na vida de Temüjin, que o moveu ao longo do caminho para se tornar um conquistador.

"À medida que a pilhagem e o saque continuavam, Temüjin se movia entre as pessoas que fugiam às pressas, chamando 'Börte, Börte!' E então ele se deparou com ela, pois Lady Börte estava entre as pessoas em fuga. Ela ouviu a voz de Temüjin e, reconhecendo-o, desceu do carrinho e veio correndo em sua direção. Embora ainda fosse noite, Lady Börte e Qo'aqčin reconheceram as rédeas e a corda de Temüjin e as agarraram. Era luar, ele olhou para eles, reconheceu Lady Börte, e eles caíram nos braços um do outro. " -A história secreta dos mongóis [51]

Börte foi mantida em cativeiro por oito meses e deu à luz Jochi logo depois que ela foi resgatada. Isso deixou dúvidas sobre quem era o pai da criança, porque seu captor a tomou como "esposa" e poderia tê-la engravidado. Apesar disso, Temüjin deixou Jochi permanecer na família e o reivindicou como seu próprio filho. Börte teve mais três filhos, Chagatai (1183–1242), Ögedei (1186–1241) e Tolui (1191–1232). Temüjin teve muitos outros filhos com outras esposas, mas eles foram excluídos da sucessão, apenas os filhos de Börte podiam ser considerados seus herdeiros. Börte também foi mãe de várias filhas, Kua Ujin Bekhi, Alakhai Bekhi, Alaltun, Checheikhen, Tümelün e Tolai. No entanto, a pouca sobrevivência dos registros mongóis significa que não está claro se ela deu à luz a todos eles. [53]

Yesugen

Durante sua campanha militar contra os tártaros, Temüjin se apaixonou por Yesugen e a aceitou como esposa. Ela era filha de um líder tártaro chamado Yeke Cheren que o exército de Temüjin havia matado durante a batalha. Depois que a campanha militar contra os tártaros acabou, Yesugen, um dos sobreviventes foi para Temüjin, que dormiu com ela. De acordo com a História Secreta dos Mongóis, enquanto eles faziam sexo, Yesugen pediu a Temüjin que a tratasse bem e não a descartasse. Quando Temüjin pareceu concordar com isso, Yesugen recomendou que ele também se casasse com sua irmã Yesui. [54]

Sendo amado por ele, Yisügen Qatun disse: ‘Se isso agradar ao Qa’an, ele cuidará de mim, considerando-me um ser humano e uma pessoa que vale a pena manter. Mas minha irmã mais velha, que se chama Yisüi, é superior a mim: ela realmente é digna de uma governante.

Ambas as irmãs tártaras, Yesugen e Yesui, tornaram-se parte das esposas principais de Temüjin e receberam seus próprios acampamentos para administrar. Temüjin também pegou uma terceira mulher dos tártaros, uma concubina desconhecida. [56]

Yesui

Por recomendação de sua irmã Yesugen, Temüjin fez seus homens rastrearem e sequestrarem Yesui. Quando ela foi trazida para Temüjin, ele a achou tão agradável quanto prometido e então se casou com ela. [57] As outras esposas, mães, irmãs e filhas dos tártaros foram divididas e dadas aos homens mongóis. [56] As irmãs tártaras, Yesugen e Yesui, foram duas das esposas mais influentes de Genghis Khan. Genghis Khan levou Yesui com ele quando partiu em sua expedição final contra o império Tangut. [58]

Khulan

Khulan entrou para a história mongol quando seu pai, o líder Merkit Dayir Usan, se rendeu a Temüjin no inverno de 1203–04 e a deu a ele. Mas, pelo menos de acordo com a História Secreta dos Mongóis, Khulan e seu pai foram detidos por Naya'a, um dos oficiais de Temüjin, que aparentemente tentava protegê-los dos soldados mongóis que estavam por perto. Depois de chegarem três dias depois do esperado, Temüjin suspeitou que Naya'a foi motivada por seus sentimentos carnais por Khulan para ajudá-la e ao pai. Enquanto Temüjin interrogava Naya'a, Khulan falou em sua defesa e convidou Temüjin para fazer sexo com ela e inspecionar sua virgindade pessoalmente, o que o agradou. [59]

No final, Temüjin aceitou a rendição de Dayir Usan e Khulan como sua nova esposa. No entanto, Dayir Usan mais tarde se retratou de sua rendição, mas ele e seus súditos foram eventualmente subjugados, suas posses saqueadas e ele próprio morto. Temüjin continuou a realizar campanhas militares contra os Merkits até sua dispersão final em 1218. Khulan conseguiu alcançar um status significativo como uma das esposas de Temüjin e administrou um dos grandes acampamentos de esposas, no qual outras esposas, concubinas, crianças e animais viviam. Ela deu à luz um filho chamado Gelejian, que passou a participar com os filhos de Börte nas campanhas militares de seu pai. [60]

Möge Khatun

Möge Khatun era uma concubina de Genghis Khan e mais tarde ela se tornou esposa de seu filho Ögedei Khan. [61] O historiador persa Ata-Malik Juvayni registra que Möge Khatun "foi dado a Chinggis Khan por um chefe da tribo Bakrin, e ele a amava muito". Ögedei também a favoreceu e ela o acompanhou em suas expedições de caça. [62] Ela não foi registrada como tendo filhos. [63]

Juerbiesu

Juerbiesu foi uma imperatriz de Qara Khitai, Império Mongol e Naiman. Ela era uma beleza renomada nas planícies. Ela era originalmente uma concubina favorita de Inanch Bilge khan e após sua morte, ela se tornou a consorte de seu filho Tayang Khan. Visto que Tayang Khan era um governante inútil, Juerbiesu estava no controle de quase todo o poder na política Naiman. [64]

Ela teve uma filha chamada Princesa Hunhu (渾 忽 公主) com Yelü Zhilugu, o governante de Liao. Depois que Genghis Khan destruiu a tribo Naiman e Tayang Khan foi morto, Juerbiesu fez vários comentários ofensivos sobre os mongóis, descrevendo suas roupas como sujas e fedorentas. Mesmo assim, ela rescindiu abruptamente suas reivindicações e visitou sozinha a tenda de Genghis Khan. Ele a questionou sobre os comentários, mas foi imediatamente atraído por sua beleza. Depois de passar a noite com ele, Juerbiesu prometeu servi-lo bem e ele a aceitou como uma de suas imperatrizes. Seu status era inferior apenas ao de Khulan e Borte. [ citação necessária ]

Ibaqa Beki

Ibaqa era a filha mais velha do líder kerait Jakha Gambhu, que se aliou a Genghis Khan para derrotar os naimanes em 1204. Como parte da aliança, Ibaqa foi dada a Genghis Khan como esposa. [65] Ela era irmã de Begtütmish, que se casou com o filho de Genghis Khan, Jochi, e Sorghaghtani Beki, que se casou com Tolui, filho de Genghis Khan. [65] [66] Após cerca de dois anos de casamento sem filhos, Genghis Khan se divorciou abruptamente de Ibaqa e deu-a ao general Jürchedei, um membro do clã Uru'ut e que matou Jakha Gambhu depois que este se voltou contra Genghis Khan. [65] [67] A razão exata para esse novo casamento é desconhecida: de acordo com A história secreta dos mongóis, Genghis Khan deu Ibaqa a Jürchedei como recompensa por seu serviço ao ferir Nilga Senggum em 1203 e, mais tarde, ao matar Jakha Gambhu. [65] Por outro lado, Rashid al-Din em Jami 'al-tawarikh afirma que Genghis Khan se divorciou de Ibaqa devido a um pesadelo no qual Deus ordenou que ele a entregasse imediatamente, e Jürchedei estava guardando a tenda. [65] Independentemente da justificativa, Genghis Khan permitiu que Ibaqa mantivesse seu título de Khatun mesmo em seu novo casamento e pediu que ela deixasse para ele um símbolo de seu dote pelo qual ele pudesse se lembrar dela. [65] [67] As fontes também concordam que Ibaqa era muito rico. [68]

No início do século 12, o planalto da Ásia Central ao norte da China foi dividido em várias confederações tribais proeminentes, incluindo naimans, merkits, tártaros, mongóis Khamag e keraites, que muitas vezes eram hostis uns com os outros, como evidenciado por ataques aleatórios, ataques de vingança , e pilhagem.

Early attempts at power

Temüjin began his ascent to power by offering himself as an ally (or, according to other sources, a vassal) to his father's anda (sworn brother or blood brother) Toghrul, who was Khan of the Keraites, and is better known by the Chinese title "Wang Khan", which the Jurchen Jin dynasty granted him in 1197. This relationship was first reinforced when Börte was captured by the Merkits. Temüjin turned to Toghrul for support, and Toghrul offered 20,000 of his Keraite warriors and suggested that Temüjin involve his childhood friend Jamukha, who had himself become Khan of his own tribe, the Jadaran. [69]

Although the campaign rescued Börte and utterly defeated the Merkits, it also paved the way for the split between Temüjin and Jamukha. Before this, they were blood brothers (anda) vowing to remain eternally faithful.

Rift with Jamukha and defeat at Dalan Balzhut

As Jamukha and Temüjin drifted apart in their friendship, each began consolidating power, and they became rivals. Jamukha supported the traditional Mongolian aristocracy, while Temüjin followed a meritocratic method, and attracted a broader range and lower class of followers. [70] Following his earlier defeat of the Merkits, and a proclamation by the shaman Kokochu that the Eternal Blue Sky had set aside the world for Temüjin, Temüjin began rising to power. [71] In 1186, Temüjin was elected khan of the Mongols. Threatened by this rise, Jamukha attacked Temujin in 1187 with an army of 30,000 troops. Temüjin gathered his followers to defend against the attack, but was decisively beaten in the Battle of Dalan Balzhut. [71] [72] However, Jamukha horrified and alienated potential followers by boiling 70 young male captives alive in cauldrons. [73] Toghrul, as Temüjin's patron, was exiled to the Qara Khitai. [74] The life of Temüjin for the next 10 years is unclear, as historical records are mostly silent on that period. [74]

Return to power

Around the year 1197, the Jin initiated an attack against their formal vassal, the Tatars, with help from the Keraites and Mongols. Temüjin commanded part of this attack, and after victory, he and Toghrul were restored by the Jin to positions of power. [74] The Jin bestowed Toghrul with the honorable title of Ong Khan, and Temüjin with a lesser title of j'aut quri. [75]

Around 1200, the main rivals of the Mongol confederation (traditionally the "Mongols") were the Naimans to the west, the Merkits to the north, the Tanguts to the south, and the Jin to the east.

In his rule and his conquest of rival tribes, Temüjin broke with Mongol tradition in a few crucial ways. He delegated authority based on merit and loyalty, rather than family ties. [76] As an incentive for absolute obedience and the Yassa code of law, Temüjin promised civilians and soldiers wealth from future war spoils. When he defeated rival tribes, he did not drive away their soldiers and abandon their civilians. Instead, he took the conquered tribe under his protection and integrated its members into his own tribe. He would even have his mother adopt orphans from the conquered tribe, bringing them into his family. These political innovations inspired great loyalty among the conquered people, making Temüjin stronger with each victory. [76]

Rift with Toghrul

Senggum, son of Toghrul (Wang Khan), envied Genghis Khan's growing power and affinity with his father. He allegedly planned to assassinate Genghis Khan. Although Toghrul was allegedly saved on multiple occasions by Genghis Khan, he gave in to his son [77] and became uncooperative with Genghis Khan. Genghis Khan learned of Senggum's intentions and eventually defeated him and his loyalists.

One of the later ruptures between Genghis Khan and Toghrul was Toghrul's refusal to give his daughter in marriage to Jochi, Genghis Khan's first son. This was disrespectful in Mongolian culture and led to a war. Toghrul allied with Jamukha, who already opposed Genghis Khan's forces. However, the dispute between Toghrul and Jamukha, plus the desertion of a number of their allies to Genghis Khan, led to Toghrul's defeat. Jamukha escaped during the conflict. This defeat was a catalyst for the fall and eventual dissolution of the Keraite tribe. [78]

After conquering his way steadily through the Alchi Tatars, Keraites, and Uhaz Merkits and acquiring at least one wife each time, Temüjin turned to the next threat on the steppe, the Turkic Naimans under the leadership of Tayang Khan with whom Jamukha and his followers took refuge. [60] The Naimans did not surrender, although enough sectors again voluntarily sided with Genghis Khan.

In 1201, a khuruldai elected Jamukha as Gür Khan, "universal ruler", a title used by the rulers of the Qara Khitai. Jamukha's assumption of this title was the final breach with Genghis Khan, and Jamukha formed a coalition of tribes to oppose him. Before the conflict, several generals abandoned Jamukha, including Subutai, Jelme's well-known younger brother. After several battles, Jamukha was turned over to Genghis Khan by his own men in 1206. [ citação necessária ]

De acordo com História Secreta, Genghis Khan again offered his friendship to Jamukha. Genghis Khan had killed the men who betrayed Jamukha, stating that he did not want disloyal men in his army. Jamukha refused the offer, saying that there can only be one sun in the sky, and he asked for a noble death. The custom was to die without spilling blood, specifically by having one's back broken. Jamukha requested this form of death, although he was known to have boiled his opponents' generals alive. [ citação necessária ]

Sole ruler of the Mongol plains (1206)

The part of the Merkit clan that sided with the Naimans were defeated by Subutai, who was by then a member of Genghis Khan's personal guard and later became one of Genghis Khan's most successful commanders. The Naimans' defeat left Genghis Khan as the sole ruler of the Mongol steppe – all the prominent confederations fell or united under his Mongol confederation.

Accounts of Genghis Khan's life are marked by claims of a series of betrayals and conspiracies. These include rifts with his early allies such as Jamukha (who also wanted to be a ruler of Mongol tribes) and Wang Khan (his and his father's ally), his son Jochi, and problems with the most important shaman, who allegedly tried to drive a wedge between him and his loyal brother Khasar. His military strategies showed a deep interest in gathering intelligence and understanding the motivations of his rivals, exemplified by his extensive spy network and Yam route systems. He seemed to be a quick student, adopting new technologies and ideas that he encountered, such as siege warfare from the Chinese. He was also ruthless, demonstrated by his tactic of measuring against the linchpin, used against the tribes led by Jamukha.

As a result, by 1206, Genghis Khan had managed to unite or subdue the Merkits, Naimans, Mongols, Keraites, Tatars, Uyghurs, and other disparate smaller tribes under his rule. This was a monumental feat. It resulted in peace between previously warring tribes, and a single political and military force. The union became known as the Mongols. At a Khuruldai, a council of Mongol chiefs, Genghis Khan was acknowledged as Khan of the consolidated tribes and took the new title "Genghis Khan". The title Khagan was conferred posthumously by his son and successor Ögedei who took the title for himself (as he was also to be posthumously declared the founder of the Yuan dynasty).

According to the Secret History of the Mongols, the chieftains of the conquered tribes pledged to Genghis Khan by proclaiming:

"We will make you Khan you shall ride at our head, against our foes. We will throw ourselves like lightning on your enemies. We will bring you their finest women and girls, their rich tents like palaces." [79] [80]

Genghis Khan was a Tengrist, but was religiously tolerant and interested in learning philosophical and moral lessons from other religions. He consulted Buddhist monks (including the Zen monk Haiyun), Muslims, Christian missionaries, and the Taoist monk Qiu Chuji. [81]

De acordo com Fozu Lidai Tongzai written by Nian Chang (b. 1282) Genghis Khan's viceroy Muqali was pacifying Shanxi in 1219, the homeland of Zen Buddhist monk Haiyun (海雲, 1203–1257), when one of Muqali's Chinese generals, impressed with Haiyun and his master Zhongguan's demeanor, recommended them to Muqali. Muqali then reported on the two to Genghis Khan who issued the following decree on their behalf: "They truly are men who pray to Heaven. I should like to support them with clothes and food and make them chiefs. I'm planning on gathering many of this kind of people. While praying to Heaven, they should not have difficulties imposed on them. To forbid any mistreatment, they will be authorized to act as darqan (possessor of immunity)." Genghis Khan had already met Haiyun in 1214 and been impressed by his reply refusing to grow his hair in the Mongol hairstyle and allowed him to keep his head shaven. [82] After the death of his master Zhongguan in 1220, Haiyun became the head of the Chan (Chinese Zen) school during Genghis Khan's rule and was repeatedly recognized as the chief monk in Chinese Buddhism by subsequent Khans until 1257 when he was succeeded as chief monk by another Chan master Xueting Fuyu the Mongol-appointed abbot of Shaolin monastery. [83]

Genghis Khan summoned and met the Daoist master Qiu Chuji (1148–1227) in Afghanistan in 1222. He thanked Qiu Chuji for accepting his invitation and asked if Qiu Chuji had brought the medicine of immortality with him. Qiu Chuji said there was no such thing as a medicine of immortality but that life can be extended through abstinence. Genghis Khan appreciated his honest reply and asked Qiu Chuji who it is that calls him eternal heavenly man, he himself or others. [84] After Qiu Chuji replied that others call him by that name Genghis Khan decreed that from thenceforth Qiu Chuji should be called "Immortal" and appointed him master of all monks in China, noting that heaven had sent Qiu Chuji to him. Qiu Chuji died in Beijing the same year as Genghis Khan and his shrine became the White Cloud Temple. Following Khans continued appointing Daoist masters of the Quanzhen School at White Cloud Temple. The Daoists lost their privilege in 1258 after the Great Debate organized by Genghis Khan's grandson Möngke Khan when Chinese Buddhists (led by the Mongol-appointed abbot or shaolim zhanglao of Shaolin monastery), Confucians and Tibetan Buddhists allied against the Daoists. Kublai Khan was appointed to preside over this debate (in Shangdu/Xanadu, the third meeting after two debates in Karakorum in 1255 and 1256) in which 700 dignitaries were present. Kublai Khan had already met Haiyun in 1242 and been swayed towards Buddhism. [85]

Genghis Khan's decree exempting Daoists (xiansheng), Buddhists (toyin), Christians (erke'üd) and Muslims (dashmad) from tax duties were continued by his successors until the end of the Yuan dynasty in 1368. All the decrees use the same formula and state that Genghis Khan first gave the decree of exemption. [86] Kublai Khan's 1261 decree in Mongolian appointing the elder of the Shaolin monastery uses the same formula and states "Činggis qan-u jrlg-tur toyid erkegü:d šingšingü:d dašmad aliba alba gubčiri ülü üjen tngri-yi jalbariju bidan-a irüge:r ögün atugai keme:gsen jrlg-un yosuga:r. ene Šaolim janglau-da bariju yabuga:i jrlg ögbei" (According to the decree of Genghis Khan which says may the Buddhists, Christians, Daoists and Muslims be exempt from all taxation and may they pray to God and continue offering us blessings. I have given this decree to the Shaolin elder to carry it) According to Juvaini, Genghis Khan allowed religious freedom to Muslims during his conquest of Khwarezmia "permitting the recitation of the takbir e a azan". However, Rashid-al-Din states there were occasions when Genghis Khan forbade Halal butchering. Kublai Khan revived the decree in 1280 after Muslims refused to eat at a banquet. He forbade Halal butchering and circumcision. The decree of Kublai Khan was revoked after a decade. Genghis Khan met Wahid-ud-Din in Afghanistan in 1221 and asked him if the prophet Muhammad predicted a Mongol conqueror. He was initially pleased with Wahid-ud-Din but then dismissed him from his service saying "I used to consider you a wise and prudent man, but from this speech of yours, it has become evident to me that you do not possess complete understanding and that your comprehension is but small". [87]


The Brutal Military Tactics of the Mongols Make ISIS Look Like Child’s Play

Genghis Khan (1162 – 1227) is the man that led the notorious Mongol, and the man that later became the “Great Khan” of the largest empire in the world. The Mongolian Empire in its prime conquered a large chunk of Asian and eastern Europen territory (four times bigger than the size of Alexander The Great’s territory). The Mongol tribes in the medieval period were considered savages (like any other tribe in the medieval period). The Arab chronicler Ibn Al-Athir wrote: “In the countries that have not yet been overrun by them, everyone spends the night afraid that they may appear there too.”

There was no such thing as a civilian population in Mongolia. War was a full time job where either you were a soldier or somehow supported a soldier. Members of rival tribes were separated and spread among different divisions. Discipline was established by the merciless enforcement of Mongol customs.

The Mongols were so proficient at plundering cities, terrorizing populations, killing soldiers and civilians, and seizing territory that they made Attila the Hun seem like a petty warlord. They massacred hundreds of thousands if not millions, and if the accounts of some historians are to be believed then they might as well created pyramids of skulls of their victims. The Mongol cry “feed the horses” was a signal to rape, murder and plunder the defenseless population.

By comparison with the terrifying acts of civilized armies of the era, the Mongols did not inspire fear by ferocity or cruelty of their acts so much as by the speed and efficiency with which they conquered and their seemingly total disdain for the lives of the rich and powerful. The Mongols unleashed terror as they rode east, but their campaign was more noteworthy for its unprecedented military success against powerful armies and seemingly impregnable cities than for its bloodlust or ostentatious use of public cruelty.

Although the Mongols were unequaled in their brutality, rumors, and stories of their atrocities often seemed much more worse than that of reality. One 13th-century illustrated English manuscript showed a pair of Mongols roasting a skewered victim. The Mongols sometimes ate the livers and hearts of their slain soldiers in hopes of obtaining their spirit and strength.

Historian Morris Rossabi said, “There’s no question that there was a great deal of destruction. Not all the cities were butchered, but some became examples of sowing terror in others. It was psychological warfare. Cities that offered resistance were often spared, escaping violence by offering tributes and letting Mongol soldiers loot unimpeded.”

Even though they were brutal, Genghis Khan’s principle was that every man who submits to his rule will be spared, but anyone who should refuse and oppose him by force of arms or dissension will be annihilated. In the same manner, he has all cities that resisted him transformed into a pile of rubble. Rich provinces were turned into deserts when strong possibilities of rebellion were detected. All these cruelties had a purpose: military necessity, retaliation, terrorization.

It is estimated that in Genghis Khan’s campaigns his army butchered around 40 – 60 million people (around 10% of the world population at the time ). A new study says that Genghis Khan killed so many people, that it was actually good for the environment…


Assista o vídeo: Historia Imperium Mongolskiego, Czyngis-chan 1182-1227 Część 1.