17 de novembro de 2014 Dia 301 do Sexto Ano - História

17 de novembro de 2014 Dia 301 do Sexto Ano - História

Pesquisa personalizada

Siga @HistorycentralC

O presidente Barack Obama ri com conselheiros seniores durante uma reunião na Sala Roosevelt da Casa Branca, em 17 de novembro de 2014

11h45 O PRESIDENTE e O VICE-PRESIDENTE recebem o Briefing Diário Presidencial
sala Oval
Imprensa fechada

12h30 O PRESIDENTE e O VICE-PRESIDENTE se encontram para almoçar
Sala de Jantar Privada
Imprensa fechada

14h15 O PRESIDENTE se reúne com consultores seniores
sala Oval


Em 1970, apenas um ano após os históricos motins de Stonewall que galvanizaram o movimento pelos direitos dos homossexuais, o estudante de direito Richard Baker e o bibliotecário James McConnell solicitaram uma licença de casamento em Minnesota.

O escrivão Gerald Nelson rejeitou o pedido porque eles eram um casal do mesmo sexo, e um tribunal manteve sua decisão. Baker e McConnell apelaram, mas a Suprema Corte estadual confirmou a decisão do juiz de primeira instância & # x2019s em 1971 no caso Baker v. Nelson.

Quando o casal apelou novamente, a Suprema Corte dos Estados Unidos em 1972 recusou-se a ouvir o caso & # x201C por falta de uma questão federal substancial. & # X201D Esta decisão bloqueou efetivamente os tribunais federais de decidir sobre o casamento do mesmo sexo por décadas, deixando a decisão unicamente nas mãos dos estados, que desferiram golpe após golpe para aqueles que esperavam ver o casamento gay se tornar legal.

Em 1973, por exemplo, Maryland se tornou o primeiro estado a criar uma lei que define explicitamente o casamento como uma união entre um homem e uma mulher, uma crença mantida por muitos grupos religiosos conservadores. Outros estados seguiram o exemplo rapidamente: Virgínia em 1975 e Flórida, Califórnia e Wyoming em 1977.

Claro, vários outros casais do mesmo sexo em todo o país também solicitaram licenças de casamento ao longo dos anos, mas cada um terminou em uma nota sombria como o caso de Baker e McConnell & # x2019s. Embora o movimento pelos direitos gays tenha visto alguns avanços nas décadas de 1970 e 1980 & # x2014, como Harvey Milk se tornando o primeiro homem assumidamente gay eleito para um cargo público no país em 1977 & # x2014, a luta pelo casamento gay teve poucos avanços por muitos anos.


17 de novembro de 2014 Dia 301 do Sexto Ano - História

O que o Dia de Ação de Graças comemora?

O Dia de Ação de Graças era originalmente um feriado para agradecer a Deus pela colheita. Hoje é uma oportunidade de agradecer por todas as coisas boas que Deus nos deu. É também um dia para celebrar a família.

Quando é comemorado o Dia de Ação de Graças?

Nos Estados Unidos, o Dia de Ação de Graças é celebrado na quarta quinta-feira de novembro. No Canadá, ocorre na segunda segunda-feira de outubro.

Quem celebra este dia?

O dia é amplamente comemorado nos Estados Unidos e Canadá.

O que as pessoas fazem para comemorar?

O dia é feriado federal nacional nos Estados Unidos. A maioria das pessoas tem o dia de folga e também a sexta-feira seguinte, o que torna um fim de semana prolongado para viagens e feriados.

A forma como a maioria das pessoas comemora este dia é reunindo-se com a família e fazendo uma grande refeição. Muitas pessoas viajam por todo o país para grandes reuniões familiares neste dia.

Muitas cidades têm grandes desfiles no Dia de Ação de Graças. Talvez o maior e mais famoso desfile seja o Desfile do Dia de Ação de Graças da Macy's na cidade de Nova York. É amplamente televisionado e está em exibição desde 1924. Outras cidades com grandes desfiles neste dia incluem Detroit, Filadélfia e Chicago.

Outra maneira popular de passar o dia é assistindo ao futebol americano da NFL. Geralmente há vários jogos de futebol, embora seja quinta-feira. O Detroit Lions é um time tradicional que joga quase todo dia de Ação de Graças.

A comida tradicional para a refeição de Ação de Graças inclui peru, molho de cranberry, batatas, caçarola de batata doce, recheio, vegetais e torta de abóbora.

História do Dia de Ação de Graças

A tradição do Dia de Ação de Graças começou com os peregrinos que se estabeleceram em Plymouth, Massachusetts. Eles celebraram a colheita pela primeira vez em 1621. A festa foi organizada pelo governador William Bradford, que também convidou os índios Wampanoag locais para participar da refeição. A primeira vez que chamaram a festa de "Ação de Graças" foi em 1623, depois que a chuva encerrou uma longa seca.

O primeiro Dia de Ação de Graças nacional foi proclamado pelo presidente George Washington em 1789. No entanto, não se tornou um feriado regular nos Estados Unidos até 1863, quando Abraham Lincoln declarou que a última quinta-feira de novembro deveria ser celebrada como Dia de Ação de Graças. Desde então, é comemorado todos os anos nos Estados Unidos. O dia foi transformado em feriado federal oficial e transferido para a quarta quinta-feira de novembro de 1941 pelo presidente Franklin Roosevelt.


17 de novembro de 2014 Dia 301 do Sexto Ano - História

Mas quando o comunismo na República Soviética e na Europa Oriental começou a desmoronar, aumentou a pressão sobre as autoridades da Alemanha Oriental para abrir a fronteira de Berlim.

O Muro foi finalmente rompido por berlinenses jubilosos em 9 de novembro de 1989, unificando uma cidade que estava dividida por mais de 30 anos.

Alguns de vocês estavam em Berlim na noite em que o Muro caiu e enviaram suas histórias:

Eu estava em Berlim em 9 de novembro de 1989. Eu era um oficial de inteligência do Exército dos EUA trabalhando para as Forças Aliadas.

Ouvimos na TV que alguns pontos de fronteira foram abertos e eu deixei minha esposa e filha para ver o que estava acontecendo no Check Point Charlie.

Chegando ao posto de controle havia uma grande multidão no lado oeste.

Escalando uma cerca, pude ver um grande número de pessoas no lado leste.

Mais ou menos nessa época, foi anunciado que os alemães orientais teriam permissão para visitar o Ocidente, mas exigiriam um selo que seria emitido na manhã seguinte.

Na manhã seguinte, eu estava exibindo dezenas de alemães orientais que tinham vindo da RDA, incluindo soldados que haviam desertado.

Ao longo das semanas seguintes, a sensação no ar era elétrica, como se alguma grande força tivesse sido liberada, talvez o maior exemplo de positivo [coletivo] humano jamais visto, em minha mente o oposto do que aconteceu no verão de 1914 - uma verdadeira revolução pacífica.

Achamos que isso mudaria o mundo.
José, portugal

Eu tinha 14 anos quando fui pela primeira vez a Berlim e o muro ainda estava firme no lugar.

Eu estava hospedado com amigos da família que queriam me mostrar a beleza de Berlim Ocidental, mas eu estava decidido a ver "o muro".

Lembro-me de apertar minha mão contra ele e me maravilhar de que era apenas tijolos e argamassa, mas simbolizava anos de terror e intimidação.

Anos mais tarde, vi aquele muro sendo desmontado por berlinenses orientais e ocidentais e chorei de alegria por sua libertação e com total desolação por aqueles que morreram de forma tão sem sentido.
Sharsh, Reino Unido

Eu tinha 13 anos na época e não sabia o que ia acontecer no dia 9 de novembro.

Morávamos no final de Sonnenalle, no oeste, onde um posto de controle deveria cruzar para o leste.

O muro ficava bem atrás do nosso jardim dos fundos. Fomos para a cama como de costume e fomos acordados por nossa mãe em algum momento da noite. A primeira coisa que notei foi uma forte ovação.

Levantei-me para olhar pela janela e vi pessoas passando correndo, pulando e chorando e rindo.

Por semanas após o 9º, as pessoas ficavam nos portões e torciam por cada Trabbi (carro da Alemanha Oriental) que passava pelo oeste.

Foi um acontecimento incrível de se ter presenciado e ainda não consigo acreditar que isso aconteceu do lado de fora de nossa casa. Eu nunca vou esquecer aquela noite.
Zarina, Reino Unido

Eu morava em Berlim Ocidental quando o muro caiu, embora tivesse família no Leste que visitava com frequência.

Naquele mesmo dia eu tinha ido ao Leste para visitar minha tia.

Fui recolhido para a viagem de volta por um amigo britânico que trabalhava para uma embaixada no Oriente, mas vivia no Ocidente.

Entramos no engarrafamento "diplomático" normal no ponto de fronteira da Freidrichstrasse (Checkpoint Charlie), sem perceber que em poucas horas as coisas mudariam para sempre.

Todos correram para chegar a uma TV ou rádio ou até mesmo aos postos de controle para ver o que estava acontecendo

Meu amigo sugeriu que eu falasse com o oficial de fronteira que normalmente lidava com o tráfego diplomático, pois ela nos conhecia muito bem e as coisas estavam ficando um tanto caóticas de qualquer maneira no que diz respeito aos regulamentos geralmente rígidos de fronteira.

Para minha surpresa, depois de ponderar por alguns segundos, ela simplesmente emitiu os vistos dizendo: "Por que não - o mundo está enlouquecendo de qualquer maneira."

Espantado com essa atitude descontraída e atípica, só pude dizer "Obrigado, muito obrigado. Você foi muito útil." Ao que ela respondeu "Oh, você pode me pagar um café no Kranzler. Se eu chegar lá" (ou seja, para Berlim Ocidental).

Isso foi por volta das 18h - pelo menos uma hora antes da aparição de Schabowski na TV e comentários casuais que iriam acabar com os regulamentos de fronteira como os conhecíamos por 28 anos.

Meu amigo então me deixou no Café Eddinger em K'damm, onde me encontrei com meus pais para jantar.

Quando chegamos ao prato principal, uma mulher vagava para cima e para baixo do lado de fora, gritando: "Die Mauer ist gefallt! Die Mauer ist gefallt!"

Todos pensaram que ela estava brava ou tendo um colapso mental - então, de repente, o pessoal da cozinha irrompeu da cozinha e começou a dizer a mesma coisa.

Todos correram para chegar a uma TV ou rádio ou até mesmo aos postos de controle para ver o que estava acontecendo.

Posso e sempre me lembrarei da emoção crua, da multidão, do caos (e principalmente da bebida que foi bebida e da grama que foi fumada naquela noite!).

Ironicamente, as divisões sociais e o "muro na cabeça" psicológico que muitos de nós sentimos significam que meus parentes orientais (como a maioria dos Ossies) raramente visitam Berlim Ocidental de qualquer maneira.

Pior ainda, o senso de "solidariedade" e "dever de família" que costumava impelir muitos Wessies a usar todas as oportunidades para visitar parentes no Oriente também desapareceu.

Eu sei que minha família não é a única que se encontra com menos frequência agora que não há nada para nos parar do que quando o Muro foi erguido!
David Kreikmeier, Reino Unido

Acabei de assistir televisão na noite de 9 de novembro, quando morava e trabalhava para uma American Charter Airline em Berlim. Enquanto assistia ao que estava sendo televisionado, decidi que junto com minha filha, que por acaso estava me visitando na época, deveríamos ir lá para ver o que estava acontecendo.

Quando chegamos lá, com a ajuda de outras pessoas, pudemos subir na parede e ver Vopos (Volks Polizei) parado a cerca de 10 metros de distância sendo engajado no diálogo por alguns intelectuais na parede.

De repente, houve um som enorme, que acabou por ser alguns trabalhadores da construção civil martelando na parede com algum equipamento pesado, que eu não conseguia ver.

Com medo de qual seria a reação do exército da Alemanha Oriental, decidimos descer e voltar para casa e assistir ao processo na televisão.
Michael Nicholson, EUA

Eu morava na Alemanha no dia em que o muro caiu e me lembro bem de ter conversado com meu vizinho alemão.

Com lágrimas escorrendo pelo rosto, ele dizia em inglês e alemão: "Nunca pensei que viveria para ver isso."
Malcolm Harrison, Canadá

Eu estava na escola no dia em que foi anunciado que as fronteiras estavam abertas e todos na escola foram colocados em um ônibus e levados para um posto de fronteira próximo. Lá distribuímos flores, fornecidas pelo comandante da Base da RAF, a todas as pessoas que vinham do leste.

A grande maioria das pessoas que cruzavam não estava indo a lugar nenhum, eles só queriam cruzar para ver se era mesmo verdade, e a maioria parou logo após a fronteira no lado oeste, que é onde lhes entregamos flores.

Lembro-me de uma mulher chorando muito e abraçando a todos nós, dizendo algo em alemão. Quando nossa professora de alemão traduziu, entendemos por que ela estava chorando. Seu filho havia morrido tentando escapar da Alemanha Oriental apenas um ano antes.
Richard Price, Reino Unido

Para quem não experimentou a Muralha, será difícil imaginar que sensação avassaladora de alívio, de alegria, de irrealidade encheu-se de que esse monstro estava morto e as pessoas o haviam conquistado.

Os anos de buscas degradantes nas passagens de fronteira, os entes queridos, que estavam cercados no lado oriental.

Uma sensação avassaladora de alívio, de alegria, de irrealidade encheu um de que este monstro estava morto, e as pessoas o haviam conquistado

Poucos dias antes, qualquer uma das ações poderia significar prisão ou até levar um tiro. Eu lhe digo, era uma sensação vertiginosa e delirante - mesmo para alguém completamente sóbrio.

Mudei-me para a borda leste do Muro e sentei-me com os pés pendurados em Berlim Oriental.

Conversei com um menino da Alemanha Oriental de 19 anos do interior da Turíngia. Ele me pediu para descrever os arranha-céus de Nova York. Eu tentei, mas finalmente disse a ele: "Você tem que ver você mesmo. E agora você pode."

No dia seguinte, voltei para a Potsdamer Platz.

Os Mauer-Spechte (Wall-Woodpeckers) já estavam trabalhando bem para desbastá-lo. Em alguns lugares, eles haviam até rompido o cimento.

Eu estava em forma e tinha quase 20 anos na época, e quando um cara largou uma grande mastra parecida com uma marreta, perguntei se poderia pegá-la emprestada. Ele me deixou e eu comecei a destruir a Parede.

Um grupo de pessoas se formou ao meu redor e começou a bater palmas ritmicamente. Pedaços de cimento de tamanhos variados se soltaram e caíram. Alguém pegou um pedaço e deu ao - então ex - prefeito Diepgen de Berlim Ocidental, que por acaso estava de passagem.

Continuei o máximo que pude, depois entreguei a vara. Aproximou-se de uma pedra do meio-fio. Sentou-se e chorou.

Depois de um tempo, alguns jovens alemães orientais, que tinham acabado de passar pelo Muro, vieram até mim e perguntaram: "Qual é o caminho para KaDeWe?" (a famosa loja de departamentos de Berlim). Esta pergunta era de alguma forma discordante e chocante. Pensei: "Você acabou de ser libertado de 44 anos de opressão comunista e quer ir às compras?"
Richard Pinard, EUA / República Tcheca

Eu morava e trabalhava na Alemanha Ocidental quando tudo isso aconteceu. Ainda me lembro vividamente de meu vizinho alemão me dizendo (com lágrimas correndo livremente): "Nunca sonhei que viveria para ver este dia".
M. Harrison, Canadá

Estive em Berlim Oriental e Alemanha Oriental em fevereiro de 1989 e mais tarde naquele ano na Hungria. Os alemães orientais que conheci me disseram repetidamente que o "muro" cairia em breve. Achei que eles estavam sendo um pouco otimistas demais, para dizer o mínimo.

Simultaneamente, o Ocidente em geral e os serviços de inteligência e diplomáticos em particular não acreditaram que isso aconteceria e ficaram chocados quando acordaram em 10 de novembro de 1989. Eu estava em Londres naquele dia e chorei ao perceber que pessoas que conheci alguns meses antes, quem vivera todas as vidas sob um ou outro tirano, agora estaria livre.
Rob, EUA (então Reino Unido)

Eu estava na ilha indonésia de Lombok, hospedado em Pondok Santai, um pequeno refúgio maravilhoso na costa oeste de Lombok. O lugar pertencia e era operado por Tony, um gentil Sumatra e sua esposa inglesa, Pearl.

Não havia eletricidade, de modo que dependíamos das transmissões de rádio do BBC World Service, ouvidas por um pequeno transistor movido a bateria à luz de velas e lampiões a querosene.

Lembro-me das transmissões à medida que os eventos se desenvolviam rapidamente por toda a Europa Oriental e da sensação de empolgação que prevalecia na mistura de nacionalidades que estava ouvindo conosco. Uma sensação de magia e quase mística, a voz educada e perfeita no sotaque impecável que nos transmite os eventos históricos que se desenrolam a 10.000 milhas de distância.
Berend van de Seijp, Indonésia

Eu estava viajando para visitar amigos na Polônia. Paramos em Berlim e descobrimos uma miríade de vans de TV com uma grande variedade de antenas parabólicas. Continuamos nossa jornada ouvindo o Serviço Mundial.

Você podia ouvir o estilhaçamento de muitos berlinenses tentando romper o muro usando qualquer coisa que estivesse à mão

No escuro, você podia ouvir o estilhaçamento de muitos berlinenses tentando romper o muro usando qualquer coisa que estivesse à mão. Enquanto caminhávamos ao lado do Muro, chegamos a um dos postos de controle, que agora estava aberto.

A atmosfera estava elétrica enquanto o champanhe fluía e os carros Trabant passavam pelo portão com seus escapamentos adicionando um cheiro característico e névoa ao ar noturno inebriante.

Tentamos entrar em Berlim Oriental, mas, como portadores de passaportes britânicos, fomos recusados. Foi o início de uma odisséia para mim que me levou a estar em Timisoara a tempo da Revolução Romena naquele Natal e a trabalhar na Albânia um ano depois - tudo inspirado na Queda do Muro.
Paul Bennett, Reino Unido

Pessoas de esquerda e direita estavam invadindo a fortificação e ninguém tentou impedi-las. Parecia certo, embora eu fosse apenas um menino de nove anos sem nenhuma ideia do mundo por que uma parede poderia ser tão problemática.

Agora eu respeito essa experiência e me sinto sortuda por ter estado lá. Eu ajudei a destruir aquele símbolo do medo. Ajudei a carregar os escombros, na minha bagagem.

Acho que meu pai deu a maior parte, até mesmo a pedra que bateu na minha cabeça. Eu estava bem, no entanto.
Nicholas Naughton, EUA

Eu estava morando em Berlim na época do outono e foi um evento muito espetacular.

A cidade inteira fechou enquanto as pessoas estacionavam seus carros para participar do que deve ter sido uma das maiores festas de quarteirão já realizadas.

O U-Bahn de Berlim parecia mais com o metrô de Tóquio na hora do rush, com as pessoas embaladas como sardinhas.

No Checkpoint Charley, as pessoas estavam dando garrafas de champaigne para a "ossis" quando eles se depararam.

Houve muitas lágrimas de alegria fluindo naquela noite, e ninguém pôde evitar sentir as emoções que encheram o ar.

Esse foi um evento que sempre estará comigo, um daqueles momentos monumentais da história que normalmente só lemos nos livros de história.
Jeff Ashman, EUA

Isso está sempre em minha mente, pois é meu aniversário.

Lembro-me de assistir ao desdobramento da Cortina de Ferro quando era adolescente. Assistir as pessoas marchando por seus direitos causou um grande impacto em mim, pois agora sei o que significa ser capaz de votar em quem eu quiser.

Isso não deve ser esquecido, pois muda a vida de muitos, mesmo se você não estivesse lá. BBC, você fez um ótimo [trabalho], pois as memórias que tenho de sua cobertura - muito obrigado.
Paul Bent, Irlanda

Visito a Alemanha regularmente e, no outono de 1989, estava bem ciente do crescente tráfego de pessoas que tentavam chegar ao Ocidente pelo Oriente, pois as fronteiras da Zona Leste permitiam mais acesso.

No entanto, havia o medo e a memória da Primavera de Praga de 1968. Os comunistas reprimiriam brutalmente como fizeram então?

Era curioso - durante novembro de 1989, meus amigos alemães falavam com frequência em voz baixa sobre amigos na Tchecoslováquia. Nenhum nome foi mencionado, apenas figuras sombrias. Então, ao visitar a Alemanha no Natal de 89, todas essas pessoas estavam lá livres para falar, visitar amigos e ir e vir. Era como se o feitiço tivesse sido quebrado, nada seria o mesmo novamente.
Michael Savage, Escócia

Eu fui a esta demonstração porque estava morando em Berlim na época.

Achei que havia uma sensação real de mudança que aconteceria. Foi maravilhoso que tantas coisas finalmente tenham sido ditas em voz alta.

Começamos a ter esperança de que as coisas mudassem para algo melhor.

Agora moro no Reino Unido e isso não teria sido possível sem a queda do muro que aconteceu cinco dias depois.

Sempre me lembrarei desses tempos.
Susanne Nunn, Alemanha

Lembro-me de nosso professor de alemão da escola nos dizendo que duvidava que o Muro de Berlim cairia em sua época, mas esperava que caísse na nossa.

Menos de um ano depois, aconteceu de forma inesperada.
Leslie Smith, Escócia

Como muitos outros, eu estava trabalhando em Berlim quando a notícia chegou. Demorou um pouco para entender, acho que a frase usada no anúncio da TV foi "vistos múltiplos de saída e reentrada a serem concedidos".

Palavras simples para um evento incrível. Meu amigo era professor na escola RAF Gatow, ele decidiu colocar as crianças em um ônibus e fazer com que distribuíssem flores no ponto de passagem.

Que grande lição deve ter sido, fazer parte da história em vez de ler sobre ela.
Gerry Growney, Inglaterra

Venho de Kiel, a velha Alemanha Ocidental, e fiz uma viagem escolar a Berlim em setembro de 1989, aos 16 anos.

Passamos um dia no leste de Berlim, mas outros grupos escolares não foram deixados passar.

Vimos os preparativos para um desfile para comemorar os 40 anos do Oriente, nunca vi tantos jovens com o mesmo macacão azul e lenço amarelo.

Tirei uma foto do oeste de um pedaço de parede, foi uma das primeiras a cair apenas algumas semanas depois.
Wiebke White, Reino Unido

Naquele dia eu estava em um passeio de bicicleta no Reino Unido pela primeira vez e estávamos em Londres por três dias.

Naquela manhã, tínhamos nos juntado a um grupo para uma visita guiada às Casas do Parlamento com a cerimônia de abertura da Casa dos Lordes à tarde e ouvindo o ministro das Relações Exteriores, Douglas Hurd.

Infelizmente meu inglês não era tão bom como hoje, então não entendi tudo o que foi dito.

Meu colega de escola queria voltar para a Alemanha imediatamente porque temia que houvesse uma guerra.

No entanto, consegui convencê-lo de que era melhor ficar no Reino Unido e continuar nosso passeio de bicicleta. Na época, nós dois tínhamos 17 anos.
Wulf-Dieter Kr ger, Tailândia

Eu tinha 16 anos e morava na Romênia (ainda na escuridão) quando o muro desabou. Aprendemos sobre isso na Rádio Europa Livre. Nesse ponto, esperávamos que algo de positivo também acontecesse na Romênia.
Christina, EUA


DIA NACIONAL DA HISTÓRIA:

Por que ensinar um tema?
Todos os anos, o Dia da História Nacional enquadra a pesquisa dos alunos em um tema histórico. O tema é escolhido para a ampla aplicação à história mundial, nacional ou estadual e sua relevância para a história antiga ou para o passado mais recente.

O tema fornece uma maneira focada de aumentar a compreensão histórica dos alunos, desenvolvendo uma lente para ler a história, uma estrutura organizacional que ajuda os alunos a colocar as informações no contexto correto e, finalmente, a capacidade de ver as conexões ao longo do tempo.

Temas anteriores:

1980 - O Indivíduo na História
1981 - Trabalho e Lazer na História
1982 - Comércio e Indústria na História
1983 - pontos de viragem na história
1984 - Família e Comunidade na História
1985 - Triunfo e tragédia na história
1986 - Conflito e Compromisso na História
1987 - Liberdade: Direitos e Responsabilidades na História
1988 - Fronteiras da História
1989 - O Indivíduo na História
1990 - Ciência e Tecnologia na História
1991 - Direitos na História
1992 - Descoberta, Encontro, Troca na História
1993 - Comunicação na História
1994 - Geografia na História
1995 - Conflito e Compromisso na História
1996 - Posicionando-se na História
1997 - Triunfo e tragédia na história
1998 - Migração na História
1999 - Ciência e Tecnologia na História
2000 - pontos de viragem na história
2001 - Fronteiras da História
2002 - Revolução, Reação, Reforma na História
2003 - Direitos e responsabilidades na história
2004 - Exploração, Encontro, Troca na História
2005 - Comunicação na História
2006 - Posicionando-se na História
2007 - triunfo e tragédia na história
2008 - Conflito e Compromisso na História
2009 - O Indivíduo na História
2010 - Inovação na História
2011 - Debate e Diplomacia em História
2012 - Revolução, Reação, Reforma na História
2013 - pontos de viragem na história
2014 - Direitos e responsabilidades na história
2015 - Liderança e legado da história
2016 - Exploração, Encontro e Troca na História
2017 - Posicionando-se na História
2018 - Conflito e compromisso na história
2019 - Triunfo e tragédia na história
2020 - Quebrando Barreiras na História
2021 - Comunicação na História: A Chave para a Compreensão


26 CFR § 301.7701 (b) -1 - Estrangeiro residente.

(a) Escopo. A seção 301.7701 (b) -1 (b) fornece regras para determinar se um indivíduo estrangeiro é residente permanente legal dos Estados Unidos. A seção 301.7701 (b) -1 (c) fornece regras para determinar se um indivíduo estrangeiro satisfaz o teste de presença substancial. A seção 301.7701 (b) -2 fornece regras para determinar quando um indivíduo estrangeiro será considerado para manter uma residência fiscal em um país estrangeiro e ter uma conexão mais estreita com esse país estrangeiro. A seção 301.7701 (b) -3 fornece regras para determinar se um indivíduo é um indivíduo isento devido ao seu status como um indivíduo relacionado a um governo estrangeiro, professor, estagiário, aluno ou atleta profissional. A seção 301.7701 (b) -3 também fornece regras para determinar se um indivíduo pode excluir dias de presença nos Estados Unidos porque o indivíduo não pôde deixar os Estados Unidos devido a uma condição médica. A seção 301.7701 (b) -4 fornece regras para determinar as datas de início e término da residência de um indivíduo. A seção 301.7701 (b) -5 fornece regras para a aplicação da seção 877 a um indivíduo estrangeiro não residente. Seção 301.7701 (b) -6 fornece regras para determinar o ano fiscal de um estrangeiro. A seção 301.7701 (b) -7 fornece regras para determinar o efeito desses regulamentos sobre as regras em convenções fiscais das quais os Estados Unidos são parte. Seção 301.7701 (b) -8 fornece regras de procedimento para estabelecer que um indivíduo é um estrangeiro não residente. A seção 301.7701 (b) -9 fornece as datas de vigência da seção 7701 (b) e os regulamentos dessa seção. A menos que o contexto indique o contrário, os regulamentos sob §§ 301.7701 (b) -1 a 301.7701 (b) -9 se aplicam para fins de determinar se um cidadão dos Estados Unidos também é residente dos Estados Unidos. (Esta determinação pode ser relevante, por exemplo, para a aplicação da seção 861 (a) (1) que trata a receita de obrigações com juros de residentes como receita de fontes dentro dos Estados Unidos.) Os regulamentos não se aplicam e §§ 1.871-2 e 1.871-5 deste capítulo continuam a ser aplicáveis ​​para fins do teste de residência de boa-fé da seção 911. Consulte § 1.911-2 (c) deste capítulo. Para fins de determinar se um indivíduo é residente dos Estados Unidos para fins de imposto sobre heranças e doações, consulte § 20.0-1 (b) (1) e (2) e § 25.2501-1 (b) deste capítulo, respectivamente.

(b) Residente permanente legal -

(1) Teste do cartão verde. Um estrangeiro é um estrangeiro residente com relação a um ano civil se o indivíduo for um residente permanente legal em qualquer época durante o ano civil. Um residente permanente legal é um indivíduo a quem foi concedido legalmente o privilégio de residir permanentemente nos Estados Unidos como imigrante, de acordo com as leis de imigração. A condição de residente é considerada contínua, a menos que seja rescindida ou administrada ou judicialmente determinada como tendo sido abandonada.

(2) Rescisão da condição de residente. O estatuto de residente é considerado rescindido se for emitida uma ordem administrativa ou judicial definitiva de exclusão ou deportação em relação ao estrangeiro. Para os fins deste parágrafo, o termo “ordem judicial final” significa uma ordem que não está mais sujeita a apelação para um tribunal superior de jurisdição competente.

(3) Determinação administrativa ou judicial de abandono da condição de residente. A determinação administrativa ou judicial de abandono da condição de residente pode ser iniciada pelo estrangeiro, pelo Serviço de Imigração e Naturalização (INS) ou por um funcionário consular. Se o estrangeiro iniciar esta determinação, a condição de residente é considerada abandonada quando do pedido de abandono do indivíduo (Formulário I-407 do INS) ou uma carta declarando a intenção do estrangeiro em abandonar sua condição de residente, com o Cartão de Recibo de Registro de Estrangeiro (INS Formulário I-151 ou Formulário I-551) anexo, é arquivado com o INS ou um funcionário consular. Se o INS substituir qualquer um dos números do formulário referido neste parágrafo ou § 301.7701 (b) -2 (f), consulte o número do formulário de substituição INS comparável. Para os fins deste parágrafo, um indivíduo estrangeiro será considerado como tendo apresentado uma carta declarando a intenção de abandonar a condição de residente no INS ou em um escritório consular, se tal carta for enviada por carta registrada, aviso de recebimento solicitado (ou equivalente em um país estrangeiro. ) Uma cópia da carta, junto com a prova de que a carta foi enviada e recebida, deve ser mantida pelo estrangeiro. Se o INS ou um funcionário consular iniciar esta determinação, o status de residente será considerado abandonado após a emissão de uma ordem administrativa final de abandono. Se um indivíduo puder apelar para um tribunal federal de jurisdição competente, uma ordem judicial final será necessária.

(c) Teste de presença substancial -

(1) Em geral. Um indivíduo estrangeiro é um estrangeiro residente se passar no teste de presença substancial. Um indivíduo satisfaz este teste se ele ou ela esteve presente nos Estados Unidos por pelo menos 183 dias durante um período de três anos que inclui o ano atual. Para fins deste teste, cada dia de presença no ano atual é contado como um dia inteiro. Cada dia de presença no primeiro ano anterior é contado como um terço de um dia e cada dia de presença no segundo ano anterior é contado como um sexto de um dia. Para os fins deste parágrafo, quaisquer dias fracionários resultantes dos cálculos acima não serão arredondados para o número inteiro mais próximo. (Ver § 301.7701 (b) -9 (b) (2) para regras de transição para os anos civis de 1985 e 1986.)

(2) Determinação da presença -

(i) Presença física. Para fins do teste de presença substancial, um indivíduo será tratado como presente nos Estados Unidos em qualquer dia em que estiver fisicamente presente nos Estados Unidos, a qualquer hora durante o dia. (Mas veja § 301.7701 (b) -3 relativo aos dias de presença que podem ser excluídos.)

(ii) Estados Unidos. Para os fins da seção 7701 (b) e seus regulamentos, o termo Estados Unidos, quando usado em um sentido geográfico, inclui os estados e o Distrito de Columbia. Inclui também as águas territoriais dos Estados Unidos e o fundo do mar e subsolo dessas áreas submarinas adjacentes às águas territoriais dos Estados Unidos e sobre as quais os Estados Unidos têm direitos exclusivos, de acordo com o direito internacional, com relação ao exploração e aproveitamento de recursos naturais. Não inclui as possessões e territórios dos Estados Unidos ou o espaço aéreo dos Estados Unidos.

(3) Ano atual. O termo ano corrente significa qualquer ano civil para o qual um indivíduo estrangeiro está determinando sua condição de residente.

(4) Mínimo de trinta e um dias. Se um indivíduo não estiver fisicamente presente por mais de 30 dias durante o ano atual, o teste de presença substancial não será aplicado para aquele ano, mesmo se o total de três anos for 183 ou mais dias. Para fins do teste de presença substancial, é irrelevante que um indivíduo não esteve presente por mais de 30 dias no primeiro ou no segundo ano anterior ao ano em curso.

(d) Aplicação da seção 7701 (b) às possessões e territórios -

(1) Aplicação a alienígenas para fins de sistemas de espelho. A Seção 7701 (b) fornece a base para determinar se um indivíduo estrangeiro é residente em uma posse ou território dos Estados Unidos que administra as leis de imposto de renda que são idênticas (exceto para a substituição do nome da posse ou território pelo termo "Unidos States” where appropriate) to those in force in the United States, for purposes of applying such laws with respect to income tax liability incurred to such possession or territory.

(2) Non-application for bona fide resident determination. Section 7701(b) does not provide the basis for determining whether an individual (including an alien individual) is a bona fide resident of a United States possession or territory for Federal income tax purposes. For the applicable rules for making this determination, see section 937(a) and § 1.937-1 of this chapter.


How to file

You may want to file your return electronically. You'll usually receive your refund within 3 weeks of the date when the IRS receives your return, even faster if you elect to have it directly deposited into your checking or savings account. Most professional tax return preparers offer electronic filing of tax returns with their return preparation services and may charge a fee to file your return electronically. Also, when you prepare your return yourself using tax-preparation software, you may have to pay a fee to file your return electronically. However, you may qualify for free electronic filing through Free File. For more information on electronic filing in general, visit Electronic Filing Options for Individuals.

If you mail a paper Form 1040 or Form 1040-SR, it can take six to eight weeks to process. Be sure to attach:

  • A copy of Forms W-2 and any other applicable forms (for example, Form 2439, Notice to Shareholder of Undistributed Long-Term Capital Gains) to the frente of your return.
  • Related schedules and forms atrás your return in the order of the sequence number located in the upper right-hand corner of the schedule or form. (a corrected Form W-2) if received attach a copy of both your original Forms W-2 and any Forms W-2c. and Form 1099-R if there was federal income tax withheld.

Signing the return - For signing an electronic return see Topic No. 255 and How do I sign my tax return when I e-file?

For signing a paper tax return:

  • If you file a joint return, Ambas spouses must sign the return. If your spouse cannot sign because of a medical condition and requests that you sign the return, sign your spouse's name in the proper place, followed by the word "by" then your signature, followed by the word "husband" or "wife." Be sure to also sign in the regular space provided for your signature. Attach a statement that includes the form number of the return you're filing, the tax year, the reason your spouse cannot sign the return, and that your spouse has agreed to your signing for him or her. If you're the guardian for your spouse who is mentally incompetent, you may sign the return for your spouse as "guardian."
  • If your spouse cannot sign the return for any other reason, you may only sign it if you have a valid power of attorney. You should attach the document granting you power of attorney to the return. You may use Form 2848, Power of Attorney and Declaration of Representative for this purpose.
  • If you're filing a return for a minor child who cannot sign the return, sign the child's name followed by the word "by," then your signature, and your relationship, such as "parent" or "guardian for minor child."

For information on filing and signing a return for a decedent, refer to Topic No. 356.


November 17, 2014 Day 301 of the Sixth Year - History

CNN is #1 in ALL OF CABLE (not just news) in Adults 25-54 in November

CNN Beats Fox and MSNBC In Total Day, Prime Time, Daytime in Demo in November

Since Election Day, CNN Is #1 in Cable News in Total Viewers and Adults 25-54

Has Topped Fox and MSNBC in Adults 25-54 for 27 Straight Days, Longest Streak in 19 Years

November 2020 was CNN’s most-watched month ever.

In its 40 year history, the network has never had a bigger audience than it did last month, when it broke every record for viewership.

In addition, CNN was the #1 network in cable news for the month, easily beating Fox and MSNBC in the key sales target of adults 25-54 in total day, prime time and daytime. Among total viewers, CNN was #1 in cable news during the day, and handily beat MSNBC in total viewers in total day and prime time.

In ALL of cable television (not just news), CNN was the #1 network among adults 25-54 in November in total day and finished #2 in prime time. In total viewers in ALL of cable television, CNN was #1 in daytime and #2 in total day and prime time.

Since the day after the election (11/4-11-30), CNN has been the most watched cable news network. With Americans desperate for the facts, CNN has emerged as the #1 cable news network overall in total day among total viewers. And, among adults 25-54, CNN has been #1 for 27 straight days, the longest winning streak in 19 years, dating back to September 11, 2001.

CNN also grew triple digits vs. a year ago, far more than Fox or MSNBC.

CNN’s digital platforms are also having record numbers, making CNN the most watched and most used news and information brand in the world.

November 2020 Daypart Highlights:

CNN had record total day ratings in during the month of November, far surpassing Fox and MSNBC and ranking #1 in cable news in the demo 25-54 for the first time since October 2016. For the first time since October 2016, CNN topped Fox in total day in the demo 25-54 (560k vs. 417k). And for the first time since April 2020, CNN has topped MSNBC in total viewers (1.787 million vs. 1.599 million) and outperformed MSNBC in adults 25-54 (560k vs. 305k) for the 12 th straight month. CNN’s average of 1.787 million total viewers in November is the network’s highest monthly rating on record. And compared to a year ago, CNN was up and impressive +209% in the demo and +135% in total viewers – far more than either Fox or MSNBC.

Since the day after the election (11/4 to-date, 27 days) CNN ranked #1 in total viewers, averaging 1.834 million, Fox followed with 1.613 million and MSNBC had 1.572 million. Among adults 25-54, CNN was also top rated each day, and overall averaged 572k , Fox had 329k and MSNBC had 297k setting the networks longest winning streak since September 2001.

CNN also had historic ratings highs in prime time, ranking #1 in cable news for the first time since August, 2019 with 952k, Fox was second with 844k and MSNBC lagged with 543k among adults 25-54. CNN also had its most-watched monthly prime time EVER in total viewers (2.821m) and highest since 2003 among adults 25-54 (952k). CNN also had robust growth in prime time vs. a year ago, up a staggering +290% in the demo and +178% in total viewers.

No weekday (M-F) prime time, CNN was also #1 in cable news with 1.050 million, Fox was second with 1.021 million and MSNBC was third with 641k in the key demo adults 25-54. This is the first time CNN was No. 1 in weekday prime time in the key demo 25-54 since August, 2019. All of CNN’s evening/prime time programs – Erin Burnett Outfront, Anderson Cooper 360, Cuomo Prime Time e CNN Tonight with Don Lemon — had bigger audiences than MSNBC’s prime lineup in the demo adults 25-54 this month. Compared to last year, CNN was up +270% in the demo and +163% in total viewers in weekday primetime, far surpassing Fox’s growth +96%+40%and MSNBC’s +35%/18% respectively.

No decorrer dayside (9am-4pm), was #1 in cable news in total viewers and adults 25-54. In total viewers, CNN beat Fox and MSNBC for the first time since October 2002, with CNN attracting 2.017 million, to Fox’s 1.938 million to MSNBC’s 1.612 million. This is CNN highest total viewer dayside ratings in the 40 year history of the network, and highest in the demo since April 2003. In the demo, CNN was also #1 with 595k, Fox was second 395k and MSNBC was third with 292k. In ALL of cable (not just news), CNN was #1 in both the demo 25-54 and total viewers for the month of November. CNN had triple digit growth during dayside in November increasing 163% among adults 25-54 and 98% in total viewers, while Fox increased +41%/+5% and MSNBC was up +48%/+13% respectively.

On weekends, CNN was #1 in total day topping both Fox and MSNBC in the demo (CNN 436k, Fox 252k, MSNBC 200k) and total viewers (CNN 1.530m, Fox 1.345m, MSNBC 1.047m). CNN was also up +254% in the demo and +184% in total viewers vs. last year. In prime time, CNN was #1 in the demo 25-54 with 706k, Fox was second with 398k and MSNBC was third with 299k.

On Saturdays, CNN was #1 in cable news at 6am, every hour from 10am-10pm and from 11am-6am. On Sundays, the network was top rated at 6am, 8-10am and every hour from 11am-5am. CNN topped MSNBC for 24 out of 24 hours on Saturdays and Sundays in the coveted key demo.

November 2020 News Program Highlights:

CNN programs including New Day, The Lead, The Situation Room, Erin Burnett Outfront, AC360, Cuomo Prime Time e CNN Tonight all drew higher audiences than MSNBC in the demo adults 25-54 in November. CNN’s weekday programming at 11am, noon, 1pm, 2p, 3pm and 4pm all ranked #1 in cable news, beating both Fox and MSNBC among adults 25-54.

  • New Day with Alisyn Camerota and John Berman(6-9am)had its highest month on record in November in total viewers (844k) and highest in the demo (207k) since March 2018. New Day was up double digits vs. a year ago, increasing +42% in total viewers and +46% in the demo, the most in cable news. Early Start with Christine Romans and Laura Jarrett(5-6am) topped MSNBC in the demo this month (140k vs. 115k), increasing +56% in total viewers and +54% in the demo compared to a year ago.
  • The Lead with Jake Tapper(4pm) ranked #1 in cable news, beating MSNBC’s Deadline: The White House withNicolle Wallace and FNC’s Your World with Neil Cavuto in the key demo 25-54. The program averaged 502k, Fox followed with 432k and MSNBC had 396k. The Lead had its highest month on record in total viewers (2.098 million) and second highest in the demo (502k). The Tapper-led program also grew the most at 4pm, increasining+91% in total viewers and +103% in the demo vs. last November.
  • The Situation Room with Wolf Blitzerranked #2 in cable news this month, topping MSNBC at both 5pm (537k vs. MSNBC’s 434k) and at 6pm (541k vs. MSNBC’s 464k) among adults 25-54. The Blitzer-led program has now outperformed MSNBC at 5pm for the 30 th consecutive month and posted its second highest total viewer delivery on record (2.122 million). At 6pm, the program beat MSNBC for the 13th straight month posting its second-highest total viewer delivery (1.935 million) and demo delivery (541k) on record Sit Room also grew significantly at 5pm vs. last year, increasing +85% in total viewers and 103% in the demo and at 6pm, was up +92%/+102% respectively.
  • Erin Burnett Outfront(7pm) surpassed MSNBC again this month in the key demo adults 25-54 (586k vs. 491k), CNBC’s new program The News with Shepard Smith averaged 57k. EBOF has now topped MSNBC for 16 consecutive months. November was the Burnett-led program’s highest monthly ratings delivery on record among total viewers (2.142 million) and second best in the demo (586k). The Burnett-led program grew the most in cable news at 7pm among total viewers (+100%) and in the demo (+108%) vs. last year.
  • Anderson Cooper 360(8pm)beat MSNBC’s All In with Chris Hayes for the 11 th consecutive month in the key demo adults 25-54 (659k vs. 458k) this month. Isto é AC 360’s best monthly ratings on record in total viewers (2.405 million) and the demo (659k). The Cooper-led program had the highest growth in cable news at 8pm in total viewers (+96%) and among adults 25-54 (+116%) compared to last year.
  • Cuomo Prime Time(9pm) had beat MSNBC’s The Rachel Maddow Show in the key demo (677k vs. MSNBC’s 616k) for the first time since June, 2020. November was the Cuomo-led program’s second highest month on record among total viewers (2.578 million). Cuomo Prime Timewas the network’s highest rated program in both total viewers and the demo in November. The program also had the highest growth in cable news in all of prime time (8-11pm), increasing +105% in total viewers and +129% in the demo vs. a year ago.
  • CNN Tonight with Don Lemon(10pm) topped MSNBC’s The Last Word with Lawrence O’Donnell this month in the key demo adults 25-54 (581k vs. MSNBC’s 481k) now for eight of the past nine months. This month was the Lemon-led program’s best November ratings delivery in both total viewers (1.984 million) and adults 25-54 (581k) on record. Compared to a year ago, CNN Tonight had the highest growth in cable news during the 10pm time period among total viewers (+93%) and adults 25-54 (+123%) vs. last year.

Brooke Baldwin, Dana Bash, Victor Blackwell, Kate Bolduan, Pam Brown, Ana Cabrera, Jessica Dean, Bianna Golodryga, Poppy Harlow, Nia-Malika Henderson, Erica Hill, Brianna Keilar, John King, Christi Paul, Boris Sanchez, Jim Sciutto, Amara Walker, and Fredricka Whitfield, have all anchored to CNN Newsroom during dayside and/or weekend coverage during November 2020.

Weekend Program Highlights:

  • New Day Weekend with Christi Paul and Victor Blackwellranked either #1 or #2 in cable news in total viewers and/or adults 25-54 during its respective time period on Saturdays and Sundays in November, growing double-digits vs. a year ago.
  • CNN Newsroom with Fredricka Whitfielde CNN Newsroom with Ana Cabreraranked either #1 or #2 in total viewers and/or the demo adults 25-54 during their respective time periods on Saturdays and Sundays, as well as growing double/triple digits vs. last year.
  • Smerconish (Saturdays 9am) ranked #2 across cable news among both total viewers (1.297m) and adults 25-54 (315k) and had the highest growth in cable news in the time period among both demos (+58%/+92%).
  • The Situation Room with Wolf Blitzeraired on weekends throughout November and ranked either #1 or #2 in cable news on Saturdays/Sundays among adults 25-54.
  • Inside Politics with John King(Sundays 8am) ranked #1 in cable news in the key demo 25-54, averaging 299k, Fox followed with 283k and MSNBC had 138k. In total viewers the King-leg program topped MSNBC (1.234 million vs. 895k). IP was also up the most in cable news during its time period, up +93% in total viewers and +102% in the demo compared to last year.
  • State of the Union with Jake Tapper(Sundays 9am) was #1 in cable news in the coveted demo adults 25-54 averaging 420k, Fox followed with 329k and MSNBC had 170k. In total viewers, SOTU easily topped MSNBC 1.598 million vs. 962k. The Tapper-led program was up the most in cable news in the time period, increasing +97% in total viewers and +115% in the demo 25-54. The noon edition ranked #1 in both total viewers (1.851 million) and in the demo (403k), Fox was second and MSNBC was third. SOTU at noon was also up by triple digits vs. last year.
  • Fareed Zakaria GPS(Sundays 10am) easily surpassed MSNBC in both total viewers (1.703 million vs. 1.091 million) and in the demo (403k vs. 198k). GPS also grew the most at 10am compared to a year ago, increasing +98% in total viewers and up +111% in the demo adults 25-54. At 1pm, the Zakaria led program was #1 in cable news in total viewers with 1.247 million and 242k in the demo 25-54, Fox was second and MSNBC was last. GPS at 1pm grew by double and triple digits vs. last year.
  • Reliable Sources with Brian Stelter(Sundays 11am) ranked #1 in the 25-54 demo (387k) Fox followed with 371k and MSNBC lagged with 194k. Reliable also topped MSNBC in total viewers (1.669m vs. 1.171m) and in the demo (387k vs. 194k). The Stelter led program about the media was up +108% in total viewers and in the demo compared to a year ago, far surpassing Fox or MSNBC’s growth.

CNN Original Series:

  • CNN’s Original Series This Is Life with Lisa Ling ranked #1 in cable news in its time period for the demo adults 25-54 and #2 for total viewers, averaging 244k in the demo and 885k among total viewers over its two Sunday premiere episodes. The docuseries outperformed Fox by +44% in the demo and outperformed MSNBC by +221% in the demo and by +63% among total viewers.
  • CNN Original Series First Ladies ranked #1 in cable news in its time period, averaging 334k in the demo adults 25-54 and 1.817 million among total viewers over its six Sunday premiere episodes. The docuseries outperformed Fox by +24% in the demo and by +14% in total viewers and MSNBC +153%/+146% respectively. So far 2020-TD, CNN’s Primeiras damas ranks #5 and Windsors ranks #7 among the Top 10 non-fiction Historical series and among the Society & Culture series, United Shades of America ranks #5 in All of cable among 25-54.

Election 2020 Highlights:

  • Across All of TV, CNN’s Election Night in America coverage (8-11pm) ranked #2 among both 25-54 (4.587m) and total viewers (9.410m) and #1 among younger viewers (18-34) with 1.642m tuning in. CNN registered the youngest audience in cable news and among the 3 major broadcast nets (ABC, CBS, and NBC) on Election Night in Prime 8-11pm at 49 years old.

On Election Day 5 – Biden Projected Winner (11/7/20):

  • Across All of TV, CNN’s coverage of 2020 Election: Day 5 (prime time 8-11pm) ranked #1 among total viewers (8.840), adults 25-54 (3.510m) and 18-34 (1.089m).
  • More viewers tuned in to watch CNN during President-Elect Joe Biden’s first speech than any other network across broadcast and cable (8:30-9pm), ranking #1 among total viewers (14.696m), adults 25-54 (5.899m) and 18-34 (1.948m).
  • In All of cable, CNN ranked #1 in Total Day and prime time and during the full coverage block (7pm-3am) among total viewers, adults 25-54 and 18-34.
  • 2020 Election: Day 5 was CNN’s 4 th most watched day on record among total viewers (4.479m) and 13 th best day among 25-54 (1.684m).
  • CNN registered the youngest audience in cable news and among the 3 major broadcast nets (ABC, CBS, and NBC) in prime time on Day 5 (55).
  • CNN was #1 in prime time among both total viewers and 25-54 in all of cable news and beat the big three broadcast nets for election coverage ABC, CBS and NBC. In Total Day, CNN outperformed Fox and MSNBC in both total viewers & adults 25-54. CNN (3.582m/1.422m) FXNC (3.000m/862k) MSNBC (2.654/667k).

CNN Special Programming:

CNN’s updated special report Fight for the White House: Joe Biden’s Long Journey hosted by Gloria Borger on Saturday, 11/14 (10pm-12am) attracted 438k among the 25-54 demo and 1.839 million total viewers. The program ranked #1 across cable news in the demo and #2 among total viewers.

Median Age, Cross Platform and Reach:


Relief

Most of Zambia forms part of the high plateau of this part of Africa (3,000 to 5,000 feet [900 to 1,500 metres] above sea level). Major relief features occur where river valleys and rifted troughs, some lake-filled, dissect its surface. Lake Tanganyika lies some 2,000 feet (600 metres) below the plateau, and the largest rift, that containing the Luangwa River, is a serious barrier to communications. The highest elevations occur in the east, where the Nyika Plateau on the Malawian border is generally over 6,000 feet (1,800 metres), rising to more than 7,000 feet (2,100 metres) in the Mafinga Hills. The general slope of the plateau is toward the southwest, although the drainage of the Zambezi turns eastward to the Indian Ocean. Over most of the country, ancient crystalline rocks are exposed, the product of prolonged erosion processes. In western Zambia they are overlain by younger sandy deposits, relicts of a once more-extensive Kalahari desert. In central and eastern parts of the country, downwarping of the plateau surface forms swamp- or lake-filled depressions (including Lake Bangweulu and the Lukanga Swamp) in more elevated regions, ridges and isolated hills made up of more-resistant rocks punctuate otherwise smooth skylines.

The oldest rocks in the country are volcanics and granites of the Bangweulu block in the northeast. These are 2.5 billion years and older and have been unaffected by orogenic processes since Precambrian times (about 4 billion to 540 million years ago). This old structure is partly covered by ancient sedimentary rocks, and together they constitute the basement complex. Sedimentaries of the Katangan Complex (about 620 million years old) are extensive in the central areas, and mineralization of these rocks is the basis of Zambia’s mining industry. Later sedimentary rocks of the Karoo (Karroo) System filled rifted troughs in the plateau surface, some of which, as in the Luangwa and middle Zambezi valleys, have been partially re-excavated. Coal seams occur in Karoo rocks to the north of Lake Kariba. These structural troughs are ancient features. Younger rifts in the north, part of the East African Rift System, are occupied by Lakes Mweru and Tanganyika. Karoo and older sedimentaries are also found in the west, buried under the predominantly sandy deposits of the Kalahari System.


Join our #voicesofyouth illustration challenge!

Are you 13-24 years old and love drawing?

Do you want to change the world?

Together, we can reimagine a greener and more sustainable future, for every child.

As World Children’s Day approaches, we invite you to draw your interpretation of the world you want to build after COVID-19 and submit your drawings through our Voices of Youth website, following these steps , and join #voicesofyouth illustration challenge!


2020 ASIL Research Forum

Co-Chairs

  • Kristen Eichensehr, UCLA School of Law
  • Blanca Montejo, United Nations Department of Political and Peacebuilding Affairs
  • Michael Scharf, Case Western Reserve University School of Law

The American Society of International Law is pleased to announce that it is accepting proposals from academic institutions interested in hosting the 2021 Midyear Meeting of the Society. The Midyear Meeting is held annually in late October or early November and encompasses several events, including leadership meetings of the Society's Executive Council and the Board of Editors of the American Journal of International Law the Research Forum, which features cutting-edge international law scholarship by more than 70 authors and the Practitioners’ Forum, focused on providing substantive international law programming to the local legal community. The Midyear Meeting has been held since 2010 in Miami, Los Angeles, Athens & Atlanta, New York, Chicago, Washington, DC, Seattle, St. Louis, and Brooklyn, and will take place in Cleveland in Fall 2020.

Interested applicants should reference the included Host Institution Cooperation document for specific details on the benefits and obligations of hosting the Midyear Meeting. Institutions interested in hosting the 2021 Midyear Meeting should submit the following requested information in a single PDF submission to [email protected] by 17:00 ET on Tuesday, September 8, 2020.

The Request for Proposals can be downloaded here.

The proposal period has ended. Thank you to all who submitted. Notifications of acceptance will go out by the end of July.

The American Society of International Law calls for submissions of scholarly paper proposals for the 2021 ASIL Research Forum. The Research Forum, a Society initiative introduced in 2011 which takes place during the Midyear Meeting, aims to provide a setting for the presentation and focused discussion of scholarly papers related to international law. All ASIL members are invited to attend the Forum, whether presenting a paper or not. Students and new professionals are especially encouraged to submit proposals for the Forum and the David D. Caron Prize (details below).

If feasible, the 2021 Research Forum will take place, as previously announced, at the University of Miami School of Law. The Society will endeavor to enable presenters to participate remotely if they are unable to attend in person due to the public health situation. If it is not feasible to convene in person, the Research Forum will take place virtually. A decision will be announced this spring.

Papers may be on any topic related to international and transnational law and must be unpublished (for purposes of the call, publication to an electronic database such as SSRN is not considered publication). Interdisciplinary projects, empirical studies, and jointly authored papers are welcome. To be selected for the Research Forum, interested presenters should submit an abstract of no more than 500 words summarizing the scholarly paper by 5:00 PM EDT on Monday, May 24, 2021. Abstracts should be submitted using the form below and will be considered via a blind review process. Abstracts that do not follow these guidelines will not be considered. Notifications of acceptance will go out in late June.

Abstracts of papers accepted for presentation will be assembled into thematic panels. The organizers welcome volunteers to serve as discussants who will comment on the papers. All authors of accepted papers will be required to submit their completed paper by no later than Thursday, October 14. Accepted authors must commit to being available on both Friday, November 12 and Saturday, November 13, 2021. Papers will be posted in advance on the Midyear Meeting App, accessible only by registered participants.

David D. Caron Prize

The David D. Caron Prize is awarded for the best paper presented at the Research Forum by (a) a student currently enrolled in a graduate program or (b) a person who received a graduate degree not more than five years prior to the date of the Research Forum at which the paper is presented. Co-authored papers are eligible for consideration provided all the co-authors meet the requirements stated above.

Individuals whose papers are accepted for the Research Forum and who wish to be considered for the prize must submit their papers by Thursday, September 16. The prize committee will review submitted papers, provide authors with feedback, and make recommendations in advance of a second-round submission. Papers not received by this date will not be considered for the Prize. Please note that authors must actually present their papers at the Research Forum to be eligible for the Prize., where the Prize will be announced. Authors who anticipate that they may need financial assistance to attend the Forum are welcome to apply for a David D. Caron Fellowship, described below. The Prize will be announced at the Research Forum, and the recipient will receive a travel stipend to attend the formal presentation at the Society's 2022 Annual Meeting in Washington, D.C.

David D. Caron Fellowships

Should the 2021 Midyear Meeting be held in person, student or early career authors of accepted abstracts may apply for a limited number of David D. Caron Fellowships, designed to provide financial assistance to individuals who would not otherwise be able to attend and present their work. More information about these fellowships will be circulated to individuals whose papers are accepted.


Assista o vídeo: Fronteiras da Ciencia - 17 de Setembro de 2017