Cronologia de Chipre

Cronologia de Chipre

  • c. 7000 a.C.

    Primeiro assentamento humano em Chipre.

  • 7.000 a.C. - 2.500 a.C.

    Períodos Neolítico e Calcolítico em Chipre.

  • 2500 a.C. - 1100 a.C.

  • c. 1600 aC - c. 1200 AC

    Ugarit tem laços estreitos com o Egito e Chipre.

  • 709 a.C. - 699 a.C.

    Chipre presta homenagem ao Império Assírio.

  • 560 AC - 546 AC

    Chipre presta homenagem ao Império Egípcio.

  • 546 AC

    Os persas ocupam Chipre, sendo convidados por líderes cipriotas.

  • 478 AC

    O general espartano Pausânias recebe o comando de uma força e toma Chipre e Bizâncio.

  • 450 a.C.

    O general ateniense Cimon morre em Chipre lutando contra os persas.

  • 323 AC

  • 306 AC

    Demétrio I da Macedônia derrota a frota de Ptolomeu em Salamina, na costa de Chipre.

  • 58 AC - 648 DC

    Chipre é uma província romana.

  • 115 CE - 117 CE

    Chipre sofre muito com a Segunda Guerra Judaico-Romana.

  • 648 CE - 965 CE

    Chipre está sob domínio árabe.


BREVE PESQUISA HISTÓRICA DE CHIPRE

Os vestígios do assentamento mais antigo conhecido em Chipre, datados deste período, podem ser vistos em Khirokitia e Kalavassos (Tenta), próximo à estrada Nicósia-Limassol. Esta civilização se desenvolveu ao longo das costas norte e sul. Primeiro, apenas vasos de pedra foram usados. Após 5000 a.C., a arte da cerâmica foi inventada.

3900-2500 AC IDADE CALCOLÍTICA

A maioria dos estabelecimentos calcolíticos são encontrados no oeste de Chipre, onde se desenvolve um culto à fertilidade. O cobre da ilha começa a ser explorado e aproveitado.

2500-1050 AC BRONZE AGE

O cobre é mais amplamente explorado trazendo riqueza para Chipre. O comércio é desenvolvido com o Oriente Próximo, Egito e Egeu. Depois de 1400 aC, os micênicos da Grécia chegam à ilha, talvez como mercadores. Durante os séculos 12 e 11, várias ondas de gregos aqueus vieram se estabelecer na ilha, trazendo com eles a língua grega, sua religião, seus costumes. Eles constroem novas cidades como Paphos, Salamina, Kition. Kourion. A ilha a partir de agora está progressivamente helenizada.

1050-750 AC PERÍODO GEOMÉTRICO

Existem dez reinos na ilha. Fenícios se estabelecem em Kition. O século 8 a.C. é um período de grande prosperidade.

PERÍODO ARCAICO E CLÁSSICO 750-325 AC

A era de prosperidade continua, mas a ilha é vítima de vários conquistadores. Reinos cipriotas tentam preservar sua independência, mas ficam sob o domínio da Assíria, Egito e Pérsia de várias formas. O rei Evágoras de Salamina (que governou de 411-374 aC) se revolta contra a Pérsia e unifica a ilha, mas, após um grande cerco, tem que concluir a paz com a Pérsia e perde o controle de toda a ilha.

333-325 a.C.

Alexandre o Grande derrota a Pérsia e Chipre torna-se parte de seu império.

PERÍODO HELENÍSTICO 325-58 AC

Após as lutas de sucessão, entre os generais de Alexandre, Chipre eventualmente fica sob o estado helenístico dos Ptolomeus do Egito, e pertence a partir de agora ao mundo grego alexandrino. A capital agora é Paphos. Este é um período de riqueza para Chipre.

58 AC - PERÍODO ROMANO DE 330 DC

Chipre torna-se parte do Império Romano, primeiro como parte da província da Síria, depois como uma província separada sob um procônsul. Durante as viagens missionárias dos Santos Paulo e Barnabé, o Procônsul, Sérgio Paulo se converteu ao Cristianismo e Chipre se tornou o primeiro país a ser governado por Cristãos. Terremotos destrutivos ocorrem durante o século 1 a.C. e o 1o d.C. e as cidades são reconstruídas. Há uma grande perda de vidas quando os judeus que viviam em Salamina se rebelaram em 116 e da peste em 164 DC. Em 313, o Édito de Milão concede liberdade de culto aos cristãos e bispos cipriotas participam do Concílio de Nicéia em 325.

330-1191 ANÚNCIO DO PERÍODO BIZANTINO

Após a divisão do Império Romano em duas partes, Chipre fica sob o Império Romano Oriental, conhecido como Bizâncio, com Constantinopla como sua capital. Diz-se que a mãe de Constantino, o Grande, Helena fez uma parada em Chipre em sua viagem da Terra Santa, com os restos da Santa Cruz, e fundou o mosteiro de Stavrovouni. Mais terremotos durante o século 4 d.C. destruíram completamente as principais cidades. As cidades perdem seu esplendor e permanecem em ruínas. Novas cidades surgem, Constantia é agora a capital, e grandes basílicas são construídas a partir do século 4-5 DC Em 488, após a descoberta do túmulo de São Barnabé, o Imperador Zeno concede ao Arcebispo de Chipre total autonomia e privilégios, incluindo a posse de um cetro em vez de cajado pastoral, vestindo um manto roxo e assinando com tinta vermelha. Em 647, os árabes invadiram a ilha sob o comando de Muawiya. Em 688, o imperador Justiniano II e o califa al-Malik assinaram um tratado neutralizando Chipre, mas foram relatadas violações, e a ilha também foi atacada por piratas até 965, quando o imperador Nicéforo Focas expulsou árabes da Ásia Menor e de Chipre.

1191-1192 AD RICHARD THE LIONHEART AND THE TEMPLARS

Isaac Comnenus, autoproclamado governador de Chipre, é indelicado com os sobreviventes de um naufrágio envolvendo navios da frota de Ricardo I a caminho da Terceira Cruzada. Ricardo derrota Isaac e toma posse de Chipre, casando-se com Berengaria de Navarree em Limassol, onde ela é coroada Rainha da Inglaterra. Richard então vende a ilha para os Cavaleiros Templários por 100.000 dinares, mas eles a revendem pelo mesmo preço para Guy de Lusignan, um dos Cavaleiros Cruzados.

1192-1489 ANÚNCIO FRANKISH (LUSIGNAN) PERÍODO

Chipre é governado pelo sistema feudal e a Igreja Católica substitui oficialmente a Ortodoxa Grega, embora esta última consiga sobreviver. Muitos belos edifícios góticos pertencem a este período, incluindo as catedrais de Ayia Sophia em Nicósia, São Nicolau em Famagusta e a Abadia de Bellapais. A cidade de Famagusta torna-se uma das mais ricas do Oriente Próximo e Nicósia torna-se a capital de Chipre e a residência dos Reis Lusignos. A dinastia Lusignan termina quando a última rainha Catherina Cornaro cede Chipre a Veneza em 1489.

PERÍODO VENETIANO 1489-1571 AD

Os venezianos vêem Chipre como um último bastião contra os otomanos no leste do Mediterrâneo, e fortificam a ilha destruindo lindos edifícios em Nicósia para trazer a cidade para uma área cercada por bastiões e um fosso que ainda pode ser visto hoje. Também constroem paredes impressionantes em torno de Famagusta, consideradas na época obras de arte militar.

1571-1878 PERÍODO OTOMANO AD

Em 1570, as tropas atacam Chipre, capturam Nicósia, massacram a população (20.000) e sitiam Famagusta por um ano. Depois de uma defesa corajosa do comandante veneziano Marc Antonio Bragadin, Famagusta capitula ao comandante otomano Lala Mustafa, que primeiro dá passagem livre aos sitiados, mas ao ver como são poucos, ordena o esfolar, puxar e esquartejar Bragadin e colocar os outros morrer. Na anexação ao Império Otomano, a hierarquia latina é expulsa ou convertida ao Islã e a fé ortodoxa grega restaurada no tempo, o arcebispo como líder dos ortodoxos gregos, torna-se seu representante junto à Porta. Quando a Guerra da Independência da Grécia estourou em 1821, o arcebispo de Chipre, Kyprianos, três bispos e centenas de líderes cívicos foram executados.

PERÍODO BRITÂNICO 1878-1960

Sob a Convenção de Chipre de 1878, a Grã-Bretanha assume a administração da ilha, que permanece formalmente parte do Império Otomano até 1914, quando a Grã-Bretanha anexa Chipre, após o Império Otomano entrar na Primeira Guerra Mundial ao lado da Alemanha. Em 1923, ao abrigo do Tratado de Lausanne, a Turquia renuncia a qualquer reclamação sobre Chipre. Em 1925, Chipre é declarado colônia da Coroa. Em 1940, voluntários cipriotas serviram em vários ramos das Forças Armadas Britânicas durante a Segunda Guerra Mundial. As esperanças de autodeterminação agora concedidas a outros países no período do pós-guerra são abaladas pelos britânicos, que consideram a ilha vitalmente estratégica. Uma Luta Armada de Libertação, depois de esgotados todos os meios de resolução pacífica do problema, irrompe em 1955 e se prolonga até 1959.

1960 REPÚBLICA DE CHIPRE

De acordo com o Tratado de Zurique-Londres, Chipre se torna uma república independente em 16 de agosto de 1960. É membro das Nações Unidas, do Conselho da Europa e da Comunidade Britânica, bem como do Movimento Não-Alinhado. De acordo com o tratado acima, a Grã-Bretanha mantém na ilha duas Bases Soberanas (158,5 km2) em Dhekelia e Akrotiri-Episkopi.

A Constituição de 1960 da República de Chipre revelou-se impraticável em muitas das suas disposições, o que impossibilitou a sua implementação harmoniosa. Quando, em 1963, o Presidente da República propôs algumas emendas para facilitar o funcionamento do estado, a comunidade turca respondeu com rebelião (dezembro de 1963), os ministros turcos retiraram-se do gabinete e os funcionários públicos turcos deixaram de frequentar seus escritórios enquanto a Turquia ameaçou invadir Chipre. Desde então, o objetivo da liderança cipriota turca, agindo sob instruções do Governo turco, tem sido a divisão de Chipre e a anexação pela Turquia. Em julho de 1974, um golpe é encenado em Chipre pela junta militar, então no poder em Atenas, para a derrubada do presidente Makarios. Em 20 de julho de 1974, a Turquia lançou uma invasão com 40.000 soldados contra o indefeso Chipre. Desde 1974, 37% da ilha está sob ocupação militar turca e 200.000 cipriotas gregos, 40% do total da população cipriota grega, foram forçados a deixar suas casas na área ocupada e foram transformados em refugiados. A invasão da Turquia e a ocupação de 37% do território da ilha, bem como a violação contínua dos direitos humanos fundamentais do povo de Chipre foram condenadas por organismos internacionais, como a Assembleia Geral da ONU, o Movimento dos Não-alinhados, a Comunidade e o Conselho da Europa.


Breve Visão Geral do Problema de Chipre

Cipriotas turcos e gregos viveram juntos na ilha por quase cinco séculos. Eles estavam espalhados por toda a ilha, mesquitas e igrejas ainda podem ser encontradas lado a lado e membros de uma comunidade trabalhavam nos negócios da outra (Gradshaw N. & quotO Chipre Revolta & quot).

A Turquia invadiu Chipre em 20 de julho de 1974. Como explicação para este ato brutal, a Turquia ofereceu a restauração da estrutura constitucional da República da Chipre que foi prejudicado por um golpe de Estado e pela proteção de uma minoria cipriota turca de 18% na ilha. Assim como os nazistas em 1939 quando invadiram a Tchecoslováquia, proclamando-se & quotprotetores & quot do & quotopprimido & quot Minoria alemã. A comunidade internacional condenou veementemente a invasão militar e rejeitou as explicações da Turquia. Na Resolução 353 que foi adotada no dia da invasão, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) & quot; igualmente preocupado com a necessidade de restaurar a estrutura constitucional da República da Chipre& quot apela a todos os Estados para & quotrespeitar a soberania, independência e integridade territorial de Chipre& quot e demandas & quotan fim imediato da intervenção militar estrangeira na República da Chipre& quot.

A Turquia não só ignorou a comunidade internacional, mas lançou uma segunda ofensiva em agosto de 1974 e conseguiu apreender mais de um terço do território da República da Chipre. Além disso, o exército turco, a fim de & quotproteger & quot a minoria cipriota turca na ilha, empregou meios deliberados de terror e crueldade indiscriminada contra os cipriotas gregos. O objetivo era a limpeza étnica, 17 anos antes do termo ser cunhado, da parte ocupada do norte da ilha. Quando se lê o relatório, aprovado em 10 de julho de 1976, após meses de investigação pela Comissão Europeia de Direitos Humanos, entende-se por que milhares de cipriotas gregos fugiram de suas casas à aproximação do exército turco. A Comissão aceitou que havia & quotindicações muito fortes & quot de assassinatos & quotcomprometidos em uma escala substancial. & quot As atrocidades do exército turco incluíram estupros em massa e repetidos de mulheres de todas as idades, tortura sistemática, tratamento selvagem e humilhante de centenas de pessoas, incluindo crianças, mulheres e aposentados durante sua detenção pelas forças turcas, bem como saques e roubos em uma escala extensa, por tropas turcas e cipriotas turcos.

Milhares de cipriotas gregos perderam a vida, 1619 ainda estão desaparecidos (BILL H. R. 2826 sobre pessoas desaparecidas desde a invasão turca em Chipre, 1, 2, 3), 200.000 cipriotas fugiram de suas casas deixando para trás seus pertences (os 200.000 refugiados em termos de porcentagem da população de Chipre correspondem a 110 milhões nos EUA).

Como se tudo isso não bastasse, os turco-cipriotas posteriormente declararam a parte ocupada da ilha & quota Estado turco federado & quot. A reação da comunidade internacional é fortemente negativa. O Conselho de Segurança da ONU na Resolução 367/1975 & quotregreta a decisão unilateral de 13 de fevereiro de 1975, declarando uma parte da República da Chipre se tornaria um Estado Federado da Turquia & quot. A Turquia, mais uma vez mostrando seu respeito pela lei e ordem internacional, é o único país em todo o mundo que reconheceu este pseudo-estado!

É importante perceber que a Turquia sempre planejou a invasão de Chipre e os acontecimentos anteriores a 1974 serviram apenas de pretexto. Taxim, (partição em turco) da ilha sempre esteve nos planos da Turquia. Chipre ainda não chegou ".--> Em 1956, o líder cipriota turco F. Kutchuck apresentou em um mapa Taxim propostas dividindo Chipre para Norte e Sul (Hitchens & quotChipre: Refém da História & quot) Em 1974, as tropas turcas dividiram a ilha ao norte e ao sul, desviando-se do plano de 1956 apenas em pequenos detalhes. É, portanto, claro que a invasão de 1974 foi parte de um plano e não o resultado de quaisquer ações dos cipriotas gregos nos anos sessenta. O atual líder cipriota turco, Denktash, concordou quando afirmou: & quotMesmo se os turco-cipriotas não existissem, a Turquia não teria partido Chipre para a Grécia & quot (Jornal turco & quotMilliyet & quot 7/23/1985).

Atualmente, 22 anos depois, 30.000 soldados turcos estão estacionados na parte ocupada da ilha, tornando-o & quotuma das áreas mais militarizadas do mundo & quot, de acordo com o relatório de junho de 1994 do Secretário-Geral da ONU ao Conselho de Segurança. A ilha ainda está dividida, os refugiados ainda estão longe de suas casas, o paradeiro dos desaparecidos ainda é desconhecido. Os turco-cipriotas também são vítimas desta invasão e separação imposta. Mais de 110.000 colonos turcos foram transportados para as áreas ocupadas, na tentativa de mudar o caráter demográfico da ilha. Esses colonos, enquanto turcos, são completamente diferentes culturalmente dos turcos-cipriotas, cuja cultura é muito semelhante à de seus homólogos gregos. Os turco-cipriotas estão se tornando uma minoria nas áreas ocupadas e estão migrando para outros países ocidentais. Por outro lado, seus líderes, sob a direção da Turquia, continuam a levar as negociações na ONU a um impasse. A razão é simples: eles estão satisfeitos com o status quo.

O objetivo da reunificação da ilha é a única solução aceitável para o Chipre problema pela comunidade internacional. O Conselho de Segurança da ONU na Resolução 939/1994 claramente & quotreitera que a manutenção do status quo é inaceitável & quot e & quot reafirma sua posição de que um Chipre liquidação deve ser baseada em um estado de Chipre com uma única soberania e personalidade internacional e uma única cidadania & quot. Recomenda que este estado inclua & quottwo comunidades politicamente iguais & quot & quot em uma federação bi-comunal e bi-zonal, e tal acordo deve excluir a união no todo ou em parte com qualquer outro país ou qualquer forma de partição ou secessão & quot.


LINHA DO TEMPO: Principais eventos em Chipre

(Reuters) - A Grã-Bretanha ofereceu ceder quase metade de seu território soberano em Chipre para ajudar nas negociações de paz entre os agora separados cipriotas gregos e turcos na ex-colônia britânica.

A oferta estaria condicionada à resolução do conflito, que é um obstáculo à candidatura da Turquia à adesão à UE.

A seguir está uma cronologia dos principais eventos da história cipriota desde a independência:

1960 - a Grã-Bretanha concede independência a Chipre sob uma constituição de partilha de poder entre cipriotas turcos e gregos.

1963/1964 - A divisão do poder desmorona em meio a um governo combativo formado sem os cipriotas turcos e reconhecido mundialmente como a única autoridade legítima na ilha. Força de manutenção da paz da ONU (UNFICYP) estabelecida.

1974 - A junta militar na Grécia apóia o golpe de julho contra o presidente arcebispo Makarios. Cinco dias depois, as tropas turcas invadem Chipre.

- A Turquia e a Grécia estão perto da guerra. O golpe desaba rapidamente, assim como a junta de Atenas. As forças turcas ocupam o terço norte da ilha.

1983 - o líder cipriota turco Rauf Denktash declara um estado separatista no norte de Chipre. Apenas a Turquia o reconhece.

1996 - Dois cipriotas gregos são mortos em manifestações separadas ao longo da linha de cessar-fogo controlada pelas Nações Unidas no pior surto de violência desde 1974.

2002 - A ONU apresenta um plano de paz para Chipre que pede uma ampla divisão do poder e um retorno do território aos cipriotas gregos.

2003 - O lado cipriota turco autoriza a abertura de postos de controle ao longo da linha de cessar-fogo para viagens de um dia.

24 de abril de 2004 - Os cipriotas gregos rejeitam o plano de divisão de poder da ONU em referendo. Os cipriotas turcos, sob a nova liderança de Mehmet Ali Talat, aceitam-no.

- 1º de maio - Chipre adere à UE, ainda dividido.

4 de outubro de 2005 - A Turquia inicia negociações para a entrada na UE. Chipre diz que a Turquia deve abrir seus portos e aeroportos ao tráfego cipriota.

24 de fevereiro de 2008 - O líder do partido comunista Demetris Christofias vence a eleição presidencial e concorda em reviver os esforços de reunificação.

- 3 de abril - Cipriotas gregos e turcos derrubam barricadas que os separaram na capital por meio século

- 3 de setembro - os líderes gregos e turcos lançam negociações de paz diretas que continuam em ritmo lento.

19 de abril de 2009 - A linha dura cipriota turca chega à vitória nas eleições parlamentares, sugerindo uma queda na popularidade de Talat, cujo mandato presidencial termina em abril de 2010.

- 13 de outubro - Os lados cipriotas gregos e turcos cancelam os jogos de guerra rivais anuais para evitar a interrupção das negociações

- 4 de novembro - O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, diz que as negociações de Chipre estão fazendo "bom progresso".

- 10 de novembro - a Grã-Bretanha retoma a oferta feita em negociações anteriores de ceder quase metade de seu território soberano em Chipre, que representa cerca de 3,0% da ilha.


Novas palestras

2008 Março - O novo presidente de esquerda Demetris Christofias e o líder cipriota turco Mehmet Ali Talat concordam em iniciar conversações formais sobre a reunificação.

2008 Abril - O cruzamento simbólico da rua Ledra entre os setores turco e grego de Nicósia foi reaberto pela primeira vez desde 1964.

2010 Abril - Dervis Eroglu, que defende a independência, vence o concurso de liderança do norte turco & # x27s, derrotando o titular pró-unidade Mehmet Ali Talat.

2010 Maio - As negociações de reunificação são retomadas com um novo linha-dura representando o norte turco.

2011 Maio - votações parlamentares. O DISY, o principal partido de oposição de direita, vence por uma margem estreita.

2011 Julho - O chefe da Marinha Andreas Ioannides e outros 12 morrem quando pessoas quando contêineres iranianos de explosivos apreendidos explodem na principal base naval e na principal usina de energia do país. 2011 Setembro - Chipre começa a perfuração exploratória de petróleo e gás, gerando uma disputa diplomática com a Turquia, que responde enviando um navio petrolífero para águas ao largo do norte de Chipre.

2012 Abril - A ONU cancela os planos para uma conferência em Chipre, citando a falta de progresso em qualquer uma das diferenças substanciais entre os dois lados.

Turquia & # x27s A Turkish Petroleum Corporation começa a perfurar petróleo e gás em terra no norte de Chipre, apesar dos protestos do governo cipriota de que a ação é ilegal.


Uma breve história de Chipre

Talvez pequeno em tamanho, mas rico em história e tradição, Chipre conheceu, ao longo da mudança de eras, tremendas mudanças, guerras, rebeliões e invasões, principalmente devido à sua posição estratégica & ndash, uma vez que está situado na encruzilhada de três continentes (Europa, Ásia e África). Neste artigo, daremos uma breve olhada nas fases mais importantes de sua história.

A primeira evidência de assentamento humano na ilha de Chipre remonta a 9.700 AC com os caçadores-coletores. Na Era Pré-cerâmica ou Era Pré-Neolítica (8.500-7.000 AC) os primeiros sinais de assentamentos permanentes e hábitos agrícolas são notados, enquanto no Akrotiri Aetokremnou artefatos feitos pelo homem foram descobertos.

O povoado mais conhecido que obscurece o modo de vida do 6º milênio aC é encontrado em Choirokitia. As casas redondas são classificadas em uma aldeia fechada, protegida por muros defensivos e são construídas alto o suficiente para obter proteção contra inimigos estrangeiros ou invasões hostis. Os habitantes produzem ferramentas de pedra e cultivam suas terras.

Idade Calcolítica (cerca de 3.800 - 2.400 aC)

Esse período traz pequenas mudanças no modo de vida das pessoas. O cobre é extraído em pequenas quantidades e os habitantes locais fizeram as famosas estatuetas de picrólito cruciforme.

No 4º milênio aC, o cobre é amplamente utilizado. & Alphamillennium depois, imigrantes da Anatólia se estabelecem na ilha e apresentam suas técnicas e modo de vida aos habitantes locais. Durante a era do Bronze, as primeiras cidades estão sendo construídas. Simultaneamente, o cobre é amplamente explorado e gradualmente substitui outros materiais usados ​​para várias causas (por exemplo, pedra). Este comércio maciço de itens de cobre e bronze traz riqueza para a ilha. Neste ponto, as relações comerciais com o Egito e a Ásia estão começando e atingirão um pico durante o final da Idade do Bronze. Chipre atravessa um dos seus períodos mais gloriosos: a joalharia e a cerâmica são amplamente produzidas, o cipriota-silábico é utilizado para a comunicação escrita e os habitantes desfrutam da prosperidade. Essa forma de linguagem ainda não está totalmente decifrada.

Os gregos aqueus habitam Chipre principalmente após a guerra de Tróia, embora tenham colonizado desde 1200 AC Aqueus estão espalhando a língua, a religião e os costumes gregos. A helenização da ilha estava então em andamento.

A Idade do Ferro divide-se em dois subperíodos, o Geométrico (1050-700) caracterizado pelo uso contínuo de formas geométricas na cerâmica produzida e o Arcaico (700-525 aC). Durante esta época, as cidades de Soloi, Kourion, Salamis, Kition, Paphos são construídas. A riqueza desfrutada neste período pode ser vista nos achados das Tumbas Reais perto de Salamina. O culto da deusa Afrodite floresceu na ilha, que era seu local de nascimento.

Uma série de governantes dominam a ilha: assírios, egípcios e persas desejam Chipre de acordo. Nestes tempos difíceis, os reinos cipriotas lutam para preservar sua independência contra os conquistadores. Os líderes que valem a pena mencionar são Zenon Kitieus e Evágoras, o rei de Salamina, conhecido por suas fortes ligações com a Grécia, que lutou contra os persas no início do século IV tentando unificar Chipre e acabou perdendo. Sua morte sela o fim da Idade Clássica (475-325). Alexandre, o Grande, fez de Chipre uma parte de seu vasto império em 333 AC, ao derrotar os persas.

Após a morte de Alexandre, Ptolomeu, um de seus sucessores, tornou-se governante da ilha e Chipre passou a pertencer ao mundo grego alexandrino. Os Ptolomeus aboliram as cidades-reinos e unificaram Chipre. Pafos tornou-se a capital.

Reinos cipriotas sofrem com o domínio ptolomaico por mais de 250 anos, embora novas cidades sejam fundadas, por exemplo. Arsinoe.

Os romanos, que assumiram o controle de Chipre principalmente, exploraram suas minas de cobre. Chipre permanecerá relativamente pacífico por mais de seiscentos anos. Surgem novos edifícios, teatros e ginásios (por exemplo, Santuário de Apollon Ylatis, Teatro Kourion).

O cristianismo surge com o apóstolo Barnabé e Paulo e Chipre se tornou o primeiro país a ser governado por um cristão.

Após a divisão do Império Romano, Chipre fica sob o Império Helênico de Bizâncio, com sua capital sediada em Constantinopla, após 330. A igreja de Chipre alcança a independência nesta época: o bispo é finalmente considerado autocéfalo. Santa Helena, Grande Constantino e mãe rsquos chega à ilha carregando os restos da Santa Cruz de Jesus, numa época em que Chipre sofre com correntes de ar e terremotos.

Desejado calorosamente pelos árabes, Chipre sofre sua invasão em 647. Vários ataques e várias incursões causam grandes desastres, já que a ilha é governada conjuntamente por árabes e bizantinos. Esse período chega ao fim em 965, quando o imperador Nikiphoros Focas expulsa os intrusos.

Muitos governadores vêm e vão na frente, são assassinados. Isaac Comnenus se autoproclama imperador de Chipre e se rebela contra o rei da Inglaterra Ricardo Coração de Leão. Chipre passa então para as mãos de Frank Guy de Lusignan.

Chipre goza gradualmente de outra rodada de prosperidade, os gregos ortodoxos são livres para praticar seus hábitos religiosos, novas igrejas e mosteiros surgem por toda a ilha e os decoram com belos afrescos únicos. Nicósia então se torna a capital da ilha, muitos belos edifícios góticos surgem, por exemplo, a Catedral de Agia Sophia em Nicósia e a Abadia de Bellapais. O último rei Lusignan, James II se casa com uma nobre veneziana, que se torna Rainha de Chipre e é o último membro real da dinastia Lusignan. Catherine Kornaro vai para Veneza em 1489.

Chipre é governado pelos venezianos de 1489 a 1571. Nicósia é fortificada com imensas paredes circundadas, mas não mantém a segurança, pois os otomanos começam a atacar. Os cipriotas continuam sofrendo com os novos dominantes.

A fé ortodoxa grega se torna mais forte contra o poder do Islã. Os otomanos, governando Chipre por cerca de 300 anos, restauram a hierarquia, suprimem a Igreja latina e aumentam os impostos. Mais de 20.000 turcos colonizam a ilha. Corrupção e violência marcam esta era e clímax quando a Guerra da Independência da Grécia estourou em 1821. O arcebispo cipriota Kyprianos e muitos outros cipriotas são executados pelos turcos.

A Grã-Bretanha assina um acordo com a Turquia e o & lsquorents & rsquo Chipre, que é oficialmente declarado como uma colônia da coroa em 1925. A administração da ilha é basicamente realizada pelos britânicos. Essa passagem do controle sobre os britânicos é inicialmente recebida com esperança, já que os cipriotas desejam alcançar a enose com a Grécia continental e acreditam que os britânicos não se oporão a esse objetivo. Irromperam insurgências pró-enose gradativamente violentas (Riot de 1931).

Liderada pelo Arcebispo Makarios, a demanda pela enose torna-se ainda mais essencial: este é um tempo de preparação para a Luta de Libertação Armada (1955-1959). EOKA (Organização Nacional de Combatentes Cipriotas), com George Grivas como líder, começa a lutar contra o governador em 1º de abril de 1955. O arcebispo Makarios é forçado ao exílio nas Seychelles.

Após o fim da rebelião, o Acordo / Tratado de Zurique e Londres é assinado: a Grã-Bretanha abandona a ilha, embora permaneça como fiador e mantém suas bases militares em Dekeleia e Akrotiri-Episkopi. As forças militares gregas e turcas são obrigadas a proteger Chipre. Chipre torna-se um estado independente em 1960, com um presidente cipriota grego e um vice-presidente cipriota turco.

A autonomia de Chipre, no entanto, não é alcançada sem derramamento de sangue, nem a transição de colônia para nação independente não é problemática. A constituição de 1960 apresenta grandes desigualdades, o que gradualmente causa conflitos entre os cipriotas turcos muçulmanos e os cipriotas gregos ortodoxos. Esses conflitos não são pacíficos, obrigando as Nações Unidas a enviar forças de paz em 1964 para apoiar as tropas britânicas. É quando a & quotGreen Line & quot, uma fronteira que divide Nicósia, é decidida.

À medida que a agressão fica mais forte, as diferenças políticas se tornam intransponíveis: uma década depois, a Junta Militar da Grécia, em colaboração com os cipriotas gregos que insistiam na União, empreendeu um golpe militar, tentativas de derrubar o presidente Makarios III. Este fato abre caminho para a Turquia invadir ilegalmente Kyrenia com 40.000 soldados.

Chipre permanece dividido desde 1974: 37% da ilha está sob ocupação turca. Quase 200.000 cipriotas gregos foram forçados a abandonar suas casas, milhares de pessoas ficaram feridas no ataque ou imediatamente mortas e outras foram consideradas desaparecidas & ndash durante os últimos anos, os ossos de muitas pessoas que foram consideradas (até recentemente desaparecidas) são encontrados em grandes sepulturas comuns. Simultaneamente, milhares de cipriotas turcos foram forçados a abandonar suas casas e se mudar para o Norte de Chipre ou para a Turquia.

Apesar das resoluções das Nações Unidas e dos esforços contínuos de Chipre contra as violações dos seus direitos de soberania, a Turquia continua a ser o único país que reconhece a "República Turca do Norte de Chipre", declarada assim em 1983, como um estado legal.

Longas negociações sobre a unificação de Chipre vêm sendo conduzidas há muitos anos. Em 2004, os cipriotas gregos rejeitaram o plano sugerido pela ONU e pela UE, enquanto o lado turco consentiu. Desde 2003, postos de controle em vários pontos de fronteira foram abertos, permitindo que ambos os lados se visitassem.

Chipre torna-se membro oficial da União Europeia em 2004 e adota o euro em 2008.


História de Chipre

Para que o visitante compreenda e aprecie completamente os muitos locais históricos da ilha, uma breve introdução aos 9.000 anos de habitantes é muito benéfica.

Os primeiros colonizadores provavelmente vieram de países vizinhos do Mediterrâneo claramente visíveis da costa de Chipre.

A Idade do Bronze Inicial e Média (2300-1600 aC) viu as primeiras cidades e centros comerciais reais se desenvolvendo passando por expansão e comércio.

O próximo estágio de desenvolvimento foi a Idade do Ferro.

O amanhecer do período clássico viu uma tentativa dos ilhéus de se livrar do domínio persa, com o resultado de que grandes áreas em rebelião foram derrotadas e apenas partes da ilha foram libertadas.

Depois do governo persa, veio o período helenístico.

O primeiro governador de Roma foi Marcus Portius Catto que teve a tarefa de implementar a anexação da ilha. Ele chegou em 58 aC e começou quase quatrocentos anos do período romano.

A divisão com o Império Romano colocou Chipre sob o domínio bizantino com a capital sendo Constantinopla, e o império oriental governou a partir de Alexandria. Guy de Lusignan comprou a ilha e iniciou um período de 300 anos de domínio francês.


Seguiu-se a regra veneziana. No entanto, todos os seus esforços acabaram se revelando em vão, quando depois de quase oitenta anos, em que as obras de construção foram o projeto principal, os otomanos desembarcaram em Larnaca em 1570. Os otomanos invadiram, liderados por Lala Mustafa Pasa, e colocaram Nicósia sob cerco. O período de domínio otomano começou.

No início do século 19, foi descoberto que havia obras em segredo com a conivência do Arcebispo Ortodoxo de Chipre para expulsar todos os turcos da Grécia. Os britânicos, preocupados que os russos representassem uma ameaça ao Canal de Suez, ficaram muito felizes em aceitar a oferta de governador proposta pelos otomanos. Em 1878, um acordo foi alcançado e Chipre ficou sob controle e ocupação britânicos. Enosis, a união com a Grécia que teria ocorrido se a Grécia tivesse aceitado a oferta britânica em 1915, agora se tornou uma questão de extrema importância para a população local.

EOKA foi contra a continuação do domínio britânico, a independência foi concedida a Chipre em 1959.

Em 1974, as forças armadas turcas desembarcaram na ilha e conquistaram 40% de Chipre. The country remains divided despite frequent attempts of reunification.


Agriculture, forestry, and fishing

More than one-third of the island’s arable land is irrigated, mainly in the Mesaoria Plain and around Paphos in the southwest. Woodlands and forests occupy about one-fifth of the total land area. Landholdings are generally small, highly fragmented, and dispersed under traditional laws of inheritance. A program of land consolidation was enacted in 1969 it met with resistance, particularly from Turkish Cypriot landowners, and was only very slowly implemented, but it has proceeded with considerable success in the Greek Cypriot sector.

The major crops of the Greek Cypriot sector include grapes, deciduous fruits, potatoes, cereal grains, vegetables, olives, and carobs. The area under Turkish occupation produces the bulk of the country’s citrus fruits, wheat, barley, carrots, tobacco, and green fodder.

Livestock—especially sheep, goats, pigs, and poultry—and livestock products account for about one-third of the island’s total agricultural production. Some cattle are also raised.

Cyprus was once famous for its extensive forests, but the demand for timber for shipbuilding by successive conquerors from the 7th century bc onward and extensive felling for building and for fuel have cleared most of them. Under the British administration a vigorous policy of conservation and reforestation was pursued, and the Cyprus Forestry College was established at Prodhromos, on the western slopes of Mount Olympus the Greek Cypriot government continues to operate an ambitious program of forest preservation and development. Forests are found mostly in the mountainous areas and in the Paphos district.

The fishing industry is small, in part because coastal waters are deficient in the nutrients and associated plankton needed to sustain large fish populations. Although the industry has shown some growth in the Greek Cypriot sector, most fish is imported.


Timeline

GAST, was founded in 1961 by Peter Solomon Gast, which had it's roots in the chemical industry. This included specialist chemicals for the cosmetic and industrial markets including paint coatings, formulas and waterproofing compounds. The Gast family, originally of Prussian descent, began spreading their wings shortly before the Second World War afar a field as the USA and Africa.

GAST Paints have been around since the late 60's with various paint formulations which are still used today. By the late 70's the company introduced a Commercial GAST Paint to the market.

GAST commercially starts installing GAST DAMSEAL which was a revolutionary product to assist with the soil stabilization and plasticizing of soil, leaving a waterproofed substrate.

In 1983 the second eldest son of Peter Solomon Gast namely Dr. Kevin Gast became CEO of GAST, who was largely responsible for expanding GAST to a multifaceted operating entity encompassing various fields from Waterproofing, Painting, Geosynthetics, Construction, Civil & Consulting.

Lambertus Gast, who originally emigrated from Prussia, had a passion for what he termed “simple engineering truth“. This principle was instilled and today lives on within the GAST lineage. In the early 1980's GAST patented the first dam lining which at the time relied on a technology which GAST had perfected, which made the “plasticisation“ of soil possible for the first time in the world. Research specialising in polymer & plasticiser technologies resulted in various additional technologies being developed for the coatings, mining, waterproofing and dam lining industries. Including significant advancements of water purification technologies now known today as Clearwater Technologies.

As GAST progressed through the years from Paint manufacturing to Waterproofing manufacturing, it was inevitable that the company would start doing renovations & refurbishments. In 1988 GAST started a large renovation project.

GAST Management signs quality pledge to its customers to ensure GAST's high quality standards of its products & services are upheld. A pledge GAST still follows to this day.

As GAST started refining its refurbishment and renovation division, its clients grew more confident with GAST's capabilities and GAST started with fully fledged large construction projects.

GAST established numerous offices in Africa from Botswana, Namibia, Swaziland, Lesotho, Mozambique, Ghana to various other offices and operations.

GAST developed an 8 step system for quality management of Waterproofing systems to minimize potential unwanted waterproofing damage.

GAST spent close to 15 months developing new Head Offices in Centurion, South Africa, which was custom designed and purpose built for all GAST's needs.

ABX Pharma is born with its world revolutionary bio-nano technology which is programmable and seen as a world first. ABX Pharma has developed numerous products for human and veterinary application which include treatments for IBS, diarrhea, over indulgence and many more.

In 2006 Dr. Gast’s son, Mr. Kevin Gast, was appointed as CEO to handle the day-to-day operations while Dr. Gast took over the role as Chairman of the Board. Mr. Gast with various executive entrepreneurial experiences, has been at the forefront of the modern organization GAST is today. GAST has grown over the last 60 years to a truly international entity, operating in over 28 countries worldwide with over 3 generations of family members still involved in the day-to-day running of the business.

GAST makes its technology that was developed in the 80's commercially available called Clearwater Lagoons™ & Clearwater Technologies. This is specifically focused on the recovering and recycling of different waters, one of our most precious resources on Earth. Our technology is modular and allows us to adapt to property developers’ requirements in designing and implementing the Clearwater Lagoon™ technology, resulting in crystalline waters for inland beaches, public aquatic facilities and other large bodies of water. The technology also enables us to do sophisticated water purifications.

GAST secures numerous large Civil contracts in Africa ranging from 100mil to 300mil, providing significant impetus to its further global expansion program.

As the 4th Industrial Revolution started breaking ground, GAST started heavily investing in A.I., UAV and numerous other advanced technologies, to not only improve our product & service offering, but also for increased efficiency & effectiveness for the benefit of its clients.

Taking their success across the globe, GAST expands into the North American market with the establishment of GAST USA. Which include providing solutions to our customers from our Clearwater Lagoons™ to GAST Pharmaceutical products and Geosynthetics.

GAST upholding to their 2030 future global plan, shifts its entire holding structure to Dublin, Ireland which in turn holds all majority shareholding into newly formed 8 Regional Offices to be launched in 2020.

GAST officially operates in over 32 different countries worldwide, with various offices, satellite offices and representatives. GAST restructures its global operations, amid COVID-19 to 8 new Regional Offices namely: Ireland, South Africa, USA, Canada, Australia, Russia, Japan, Cyprus and the UAE to better service our customers globally.


Cyprus Facts for Kids

  • Cyprus officially named the Republic of Cyprus, is located in the Eastern Mediterranean Sea.
  • On August 16th in 1960, Cyprus gained its independence from the British. However, they do not hold their independence day as August 16th. Instead, they celebrate on October 1st every year.
  • The country of Cyprus is divided into two separate parts, the North and the South. The southern part is called the Independent Republic of Cyprus or Greek Cyprus. The northern area is called the Turkish Republic of Northern Cyprus.
  • While most island areas are big fishermen, Cyprus is the complete opposite. Locals are famously not interested in fishing.
  • The title of the third (3rd) largest and most populated island in the Mediterranean goes to Cyprus.
  • Cyprus is home to some of the world’s oldest water wells.
  • There is a legend that claims that the Greek goddess Aphrodite, the goddess of love, was born in Cyprus.
  • Each year, Cyprus receives an average of forty (40) days of rainfall total and more than three hundred (300) days of sunshine. Cyprus is famous for its sunshine.
  • The only foreign venue in which a royal wedding has been hosted is the country of Cyprus. This wedding took place in the year 1191.
  • There are only four (4) countries in which you must drive on the left side of the road, Cyprus is one of these countries.
  • Cyprus won its first Olympic medal at the 2012 Olympics in London. The medal was won by Pavlos Kontides.
  • Cyprus is home to an abundance of of flowering plants. One thousand nine hundred and fifty (1,950) species to be exact. Twenty (20) of those species are rare orchids. Another one hundred and forty (140) species cannot be found anywhere else in the world.
  • The first country to ever be governed by a Christian Archbishop was Cyprus. The name of the Archbishop was Makarios III.
  • The largest bank in Cyprus is owned by the Cypriot Orthodox Church.
  • The capital city of Cyprus is Nicosia and is the only capital city to be divided between two nations. The divide is referred to as The Green Line or the UN Buffer Zone.
  • The remains of the oldest known pet cat was found buried with its master in Cyprus. These remains date back nine thousand five hundred (9,500) years.
  • There are more cats than humans in Cyprus. There is a legend that says this is because an entire shipload of cars was set to Cyprus to get rid of their poisonous snake infestation.
  • There is a large tree located at the entrance of the Christian catacombs that can supposedly grant wishes.
  • There is a species of sheep that is only found in Cyprus. This sheep is called the Cyprus Mouflon.
  • Cyprus is home to the world’s oldest wine brand. It dates back at least five thousand (5,000) years and has a place in the Guinness Book of World Records.

Cyprus is a wonderful and beautiful country and there is much to learn about it.

Here, we have discussed facts such as the capital of Cyprus, popular local legends, some of the country’s history and geography.

There have also been informed about wildlife and plant life (flora and fauna).

All of this information is very important for anyone who wants to learn more about this amazing country.

Hopefully, you have learned some new and interesting facts about one of the beautiful island country of Cyprus.


Assista o vídeo: Cronología de Brian Padre de familia - Lalito Rams