Aprovação da Lei de Reconstrução 0f 1867 - História

Aprovação da Lei de Reconstrução 0f 1867 - História

O fim da Guerra Civil exigiu uma decisão especificando os termos pelos quais o Sul poderia ser readmitido na União. Lincoln e Johnson assumiram a posição de que o Sul nunca havia deixado a União e, portanto, a questão da readmissão era discutível. O Congresso tinha outras idéias e aprovou uma série de leis impondo o controle militar sobre o Sul. As primeiras faculdades para negros.

Atos de reconstrução

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Atos de reconstrução, A legislação dos EUA promulgada em 1867-68 que delineou as condições sob as quais os estados do sul seriam readmitidos na União após a Guerra Civil Americana (1861-1865). Os projetos de lei foram em grande parte escritos pelos republicanos radicais no Congresso dos EUA.

Após o fim da guerra em 1865, o debate se intensificou sobre como os antigos estados confederados voltariam a se juntar aos Estados Unidos. Pres. Andrew Johnson indicou que seguiria políticas de reconstrução ainda mais brandas do que as de seu antecessor, Abraham Lincoln. No entanto, ele enfrentou oposição dos republicanos radicais, uma poderosa facção antiescravista dentro do Congresso que estava comprometida com a emancipação e direitos iguais para negros libertos. Esses políticos eram a favor de medidas mais rígidas e, em grande parte, elaboraram as Leis de Reconstrução. O primeiro projeto de lei exigia que dez dos “Estados rebeldes” fossem divididos em cinco distritos sob controle militar, apenas o Tennessee foi excluído porque já havia sido readmitido. Os estados também foram obrigados a elaborar novas constituições, que deveriam incluir o sufrágio universal masculino e a aprovação necessária pelo Congresso dos EUA. Além disso, eles tiveram que ratificar a Décima Quarta Emenda, que concedeu cidadania e direitos civis e legais iguais aos afro-americanos e ex-escravos. Depois de cumpridos os requisitos, os estados seriam readmitidos na União.

O Congresso aprovou o projeto em fevereiro de 1867 e, em 2 de março, ele anulou o veto de Johnson. Mais três atos foram promulgados posteriormente (dois em 1867 e um em 1868), que diziam respeito a como as constituições seriam criadas e aprovadas em nível estadual. Um caso legal (Ex Parte McCardle) surgiu sobre a constitucionalidade da ocupação militar no Sul - colocando assim em questão a legalidade das medidas de Reconstrução. O processo foi movido sob a Lei de Habeas Corpus de 1867, e os republicanos radicais responderam privando a Suprema Corte de seu poder de ouvir apelações envolvendo esse ato. O Congresso voltou a anular o veto de Johnson e, em 1869, o tribunal rejeitou o caso, declarando que carecia de jurisdição.

Os ex-estados confederados começaram a reingressar na União em 1868, com a Geórgia sendo o último estado a ser readmitido; em 15 de julho de 1870, havia se reintegrado à União dois anos antes, mas havia sido expulso em 1869 após remover os afro-americanos da legislatura estadual.


Conteúdo

Um acréscimo importante dos Atos incluiu a criação de cinco distritos militares no Sul, cada um comandado por um general, que serviria como governo em exercício para a região. Além disso, o Congresso exigiu que cada estado elaborasse uma nova constituição estadual, que teria de ser aprovada pelo Congresso. Os estados também foram obrigados a ratificar a Décima Quarta Emenda da Constituição dos Estados Unidos e conceder direitos de voto aos homens negros. Os vetos do presidente Andrew Johnson a essas medidas foram anulados pelo Congresso.

O General George Meade (do Terceiro Distrito Militar) nomeado Brig. O general Thomas H. Ruger [3] para substituir o governador da Geórgia Charles J. Jenkins, eleito o único candidato em 1865 a suceder James Johnson, nomeado pelo presidente Andrew Johnson.

Depois de Ex parte McCardle (1869) foi perante a Suprema Corte dos Estados Unidos, o Congresso temeu que a Corte pudesse anular as Leis de Reconstrução como inconstitucionais. Para evitar isso, o Congresso revogou o Habeas Corpus Act 1867, eliminando a jurisdição da Suprema Corte sobre o caso.


Conteúdo

Um acréscimo importante dos Atos incluiu a criação de cinco distritos militares no Sul, cada um comandado por um general, que serviria como governo em exercício para a região. Além disso, o Congresso exigiu que cada estado elaborasse uma nova constituição estadual, que teria de ser aprovada pelo Congresso. Os estados também foram obrigados a ratificar a Décima Quarta Emenda da Constituição dos Estados Unidos e conceder direitos de voto aos homens negros. Os vetos do presidente Andrew Johnson a essas medidas foram anulados pelo Congresso.

O General George Meade (do Terceiro Distrito Militar) nomeado Brig. O general Thomas H. Ruger [3] para substituir o governador da Geórgia Charles J. Jenkins, eleito o único candidato em 1865 a suceder James Johnson, nomeado pelo presidente Andrew Johnson.

Depois de Ex parte McCardle (1869) foi perante a Suprema Corte dos Estados Unidos, o Congresso temeu que a Corte pudesse anular as Leis de Reconstrução como inconstitucionais. Para evitar isso, o Congresso revogou o Habeas Corpus Act 1867, eliminando a jurisdição da Suprema Corte sobre o caso.


Em 1877, Hayes retirou as últimas tropas federais do sul, e os governos republicanos apoiados por baionetas entraram em colapso, encerrando assim a Reconstrução. Nas três décadas seguintes, os direitos civis prometidos aos negros durante a Reconstrução ruíram sob o domínio branco no sul.

Reconstruction Acts, legislação dos EUA promulgada em 1867-68 que delineou as condições sob as quais os estados do sul seriam readmitidos na União após a Guerra Civil Americana (1861-65). Os projetos de lei foram em grande parte escritos pelos republicanos radicais no Congresso dos EUA.


O Fim da Reconstrução

O presidente Rutherford B. Hayes supervisionou o fim da Reconstrução.

Arquivo de história universal / UIG / imagens Getty

24 de abril de 1877:& # xA0Rutherford B. Hayes e o Compromisso de 1877
Doze anos após o fim da Guerra Civil, o presidente Rutherford B. Hayes retirou as tropas federais de seus postos em torno das capitais da Louisiana e da Carolina do Sul & # x2014 os últimos estados ocupados pelo governo dos EUA. & # XA0

De acordo com Foner, Hayes não retirou as tropas como se acreditava amplamente, mas as poucas que permaneceram não tiveram qualquer importância para o ressurgimento de um regime político branco nesses estados. No que é amplamente conhecido como o Compromisso de 1877, os democratas aceitaram a vitória de Hayes & # x2019 contanto que ele fizesse concessões como a retirada das tropas e a nomeação de um sulista para seu gabinete. & # x201CEm todo estado no Sul, & # x201D disse um negro da Louisiana, & # x201Chad caiu nas mãos dos próprios homens que nos mantinham como escravos. & # x201D


Os Atos de Reconstrução: 1867

Considerando que nenhum governo estadual legal ou proteção adequada para vidas ou propriedades existe agora nos Estados rebeldes da Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Geórgia, Mississippi, Alabama, Louisiana, Flórida. Texas e Arkansas e considerando que é necessário que a paz e a boa ordem sejam aplicadas nos referidos Estados até que os governos estaduais republicanos e leais possam ser legalmente estabelecidos: Portanto,

Se for promulgado pelo Senado e pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América no Congresso reunido, os ditos Estados rebeldes serão divididos em distritos militares e submetidos à autoridade militar dos Estados Unidos conforme prescrito a seguir, e para esse fim, Virgínia constituirá o primeiro distrito Carolina do Norte e Carolina do Sul, o segundo distrito Geórgia, Alabama e Flórida, o terceiro distrito, Mississippi e Arkansas, o quarto distrito e Louisiana e Texas, o quinto distrito.

Sec. 2 E seja promulgado ainda, que será dever do Presidente designar para o comando de cada um dos ditos distritos um oficial do exército, não abaixo do posto de general de brigada, e fornecer uma força militar suficiente para capacitar tal oficial a desempenhar suas funções e fazer valer sua autoridade dentro do distrito para o qual foi designado.

Sec. 3 E que seja promulgado ainda, que será dever de cada oficial designado conforme mencionado acima, proteger todas as pessoas em seus direitos pessoais e de propriedade, suprimir a insurreição, desordem e violência e punir ou fazer com que seja punido , todos os que perturbam a paz pública e os criminosos e, para esse fim, ele pode permitir que os tribunais civis locais tomem jurisdição e julguem os infratores ou, quando em seu julgamento for necessário para o julgamento dos infratores, ele terá o poder de organizar As comissões ou tribunais militares para esse fim, e todas as interferências de autoridade do Estado no exercício da autoridade militar nos termos deste ato, serão nulas e sem efeito.

Sec. 4 E que seja promulgado, que todas as pessoas colocadas sob prisão militar em virtude deste ato devem ser julgadas sem demora desnecessária, e nenhuma punição cruel ou incomum deve ser infligida, e nenhuma sentença de qualquer comissão ou tribunal militar aqui autorizado, afetando o vida ou liberdade de qualquer pessoa, deve ser executada até que seja aprovada pelo oficial no comando do distrito, e as leis e regulamentos para o governo do exército não devem ser afetados por este ato, exceto na medida em que entrem em conflito com suas disposições: desde que nenhuma sentença de morte, conforme as disposições deste ato, seja executada sem a aprovação do presidente.

Retornar ao topo

Sec. 5 E seja ainda promulgado, Que quando o povo de qualquer um dos referidos Estados rebeldes tiver formado uma constituição de governo em conformidade com a Constituição dos Estados Unidos em todos os aspectos, emoldurada por uma convenção de delegados eleitos pelos cidadãos do sexo masculino de referido Estado, maior de vinte e um anos, de qualquer raça, cor ou condição anterior, que tenham residido no referido Estado durante um ano anterior ao dia da referida eleição, exceto os que possam ser privados de participação na rebelião ou por crime de direito comum, e quando tal constituição deverá prever que a franquia eletiva será desfrutada por todas as pessoas que tenham as qualificações aqui declaradas para eleitores de delegados, e quando tal constituição deverá ser ratificada por uma maioria das pessoas votando em a questão da ratificação de quem está qualificado como eleitor para delegados, e quando tal constituição deve ter sido submetida ao Congresso para exame e aprovação, e o Congresso deverá ter aprovamos o mesmo, e quando o referido Estado, por uma votação de seu legislativo eleito nos termos da referida constituição, deve ter adotado a emenda à Constituição dos Estados Unidos, proposta pelo Trigésimo Nono Congresso, e conhecida como artigo quatorze, e quando tal artigo deve ter se tornado parte da Constituição dos Estados Unidos, o referido Estado será declarado com direito a representação no Congresso, e os senadores e representantes serão admitidos a partir do juramento prescrito por lei e, em seguida, e posteriormente, as seções anteriores deste ato será inoperante no referido Estado: Desde que nenhuma pessoa excluída do privilégio de ocupar um cargo pela referida emenda proposta à Constituição dos Estados Unidos, será elegível para a eleição como um membro da convenção para elaborar uma constituição para qualquer um dos referidos Estados rebeldes, nem qualquer pessoa votará em membros de tal convenção.

Sec. 6 E que seja promulgado, que, até que o povo dos referidos Estados rebeldes seja por lei admitido à representação no Congresso dos Estados Unidos, quaisquer governos civis que nele existam serão considerados provisórios apenas e, em todos os aspectos, sujeitos a a autoridade suprema dos Estados Unidos a qualquer momento para abolir, modificar, controlar ou substituir o mesmo e em todas as eleições para qualquer cargo sob tais governos provisórios, todas as pessoas terão direito a voto, e nenhuma outra, que tenha direito a votar sob as disposições da quinta seção deste ato e nenhuma pessoa será elegível para qualquer cargo sob quaisquer governos provisórios que seja desqualificada para o exercício de acordo com as disposições do artigo terceiro da referida emenda constitucional.

Indivíduo. VI. Uma lei suplementar a uma lei intitulada "Uma lei para fornecer um governo mais eficiente dos Estados rebeldes", aprovada em 2 de março de mil oitocentos e sessenta e sete, e para facilitar a Restauração [Veto do presidente Johnson rejeitado em 23 de março de 1867] .

Seja promulgado pelo Senado e pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América no Congresso reunido, Que antes do primeiro dia de setembro de mil oitocentos e sessenta e sete, o general comandante em cada distrito definido por um ato intitulado & quotUm ato a fornecer para o governo mais eficiente dos Estados rebeldes, & quot passado em 2 de março de mil oitocentos e sessenta e sete, fará com que um registro seja feito dos cidadãos do sexo masculino dos Estados Unidos, com vinte e um anos de idade ou mais, residentes em cada condado ou paróquia no estado ou estados incluídos em seu distrito, cujo registro deve incluir apenas aquelas pessoas que são qualificadas para votar em delegados pelo ato acima mencionado, e que devem ter feito e subscrito o seguinte juramento ou afirmação: & quotI, _____, faça jurar solenemente (ou afirmar), na presença do Deus Todo-Poderoso, que sou um cidadão do Estado de _____ que residi no referido Estado por _____ meses imediatamente anteriores a este dia, e agora resido no condado de _____ ou a paróquia de _____, no referido estado (conforme o caso) que tenho vinte e um anos e não fui privado de direitos por participação em qualquer rebelião ou guerra civil contra os Estados Unidos, nem por crime cometido contra as leis de qualquer estado ou dos Estados Unidos que eu nunca fui um membro de qualquer legislatura estadual, nem ocupei qualquer cargo executivo ou judicial em qualquer estado e posteriormente me envolvi em uma insurreição ou rebelião contra os Estados Unidos, ou recebi ajuda ou conforto aos seus inimigos que nunca fiz um juramento como membro do Congresso dos Estados Unidos, ou como oficial dos Estados Unidos, ou como membro de qualquer legislatura estadual, ou como oficial executivo ou judiciário de qualquer Estado, apoiar a Constituição dos Estados Unidos e, posteriormente, engajar-se em uma insurreição ou rebelião contra os Estados Unidos, ou dar ajuda ou conforto aos seus inimigos de que irei apoiar fielmente a Constituição e obedecer às leis dos Estados Unidos tates, e vou, da melhor maneira que posso, encorajar outros a fazê-lo, então ajude-me Deus & quot & quot & # 39 qual juramento ou afirmação pode ser administrado por qualquer oficial de registro.

Retornar ao topo

Sec. 2. E que seja promulgado ainda, Que após a conclusão do registro aqui previsto em qualquer Estado, no horário e local que o comandante-geral designar e dirigir, dos quais pelo menos trinta dias & # 39 aviso público deve ser dado , deverá ser realizada uma eleição de delegados a uma convenção com o objetivo de estabelecer uma constituição e governo civil para esse Estado leal à União, a referida convenção em cada Estado, exceto Virgínia, consistirá no mesmo número de membros que os mais numerosos ramo da legislatura estadual de tal Estado no ano de mil oitocentos e sessenta, a ser repartida entre os diversos distritos, condados ou freguesias de tal Estado pelo comandante geral, dando a cada representação a proporção de eleitores registrados conforme referido como quase como pode ser. A convenção na Virgínia consistirá no mesmo número de membros que representou o território que agora constitui a Virgínia no ramo mais numeroso da legislatura do referido Estado no ano de mil oitocentos e sessenta, a ser repartido conforme acima mencionado.

Sec. 3. E que seja promulgado ainda, Que na referida eleição os eleitores registrados de cada Estado votarão a favor ou contra uma convenção para formar uma constituição para a mesma nos termos deste ato. Aqueles que votarem a favor de tal convenção deverão ter escrito ou impresso nas cédulas em que votaram para delegados, conforme mencionado, as palavras "Para uma convenção", e aqueles que votarem contra tal convenção devem ter escrito ou impresso em tais cédulas as palavras & quot Contra uma convenção. & quot As pessoas nomeadas para superintender a referida eleição, e para fazer o retorno dos votos dados sobre ela, como aqui previsto, contarão e farão o retorno dos votos dados a favor e contra uma convenção e o general comandante a quem os mesmos devem tenham sido devolvidos, averiguarão e declararão o total de votos em cada Estado a favor e contra uma convenção. Se a maioria dos votos dados sobre essa questão for para uma convenção, então tal convenção será realizada conforme disposto a seguir, mas se a maioria dos referidos votos for contra uma convenção, então nenhuma convenção será realizada sob este ato: , Que tal convenção não será realizada a menos que a maioria de todos os eleitores registrados tenha votado sobre a questão de realizar tal convenção.

Sec. 4. E que seja promulgado, que o comandante geral de cada distrito nomeará quantas juntas de registro forem necessárias, consistindo de três oficiais ou pessoas leais, para fazer e completar o registro, superintender a eleição e retornar ao ele dos votos, lista de eleitores e das pessoas eleitas como delegados por uma pluralidade de votos expressos na referida eleição e, ao receber as referidas declarações, ele as abrirá, verificará as pessoas eleitas como delegados, de acordo com as declarações do os dirigentes que conduziram a referida eleição, proclamá-la e se a maioria dos votos dados sobre essa questão for para uma convenção, o comandante geral, no prazo de sessenta dias a partir da data da eleição, notificará os delegados para se reunirem em convenção, em um hora e local a serem mencionados na notificação, e a referida convenção, quando organizada, procederá para enquadrar uma constituição e governo civil de acordo com as disposições deste ato, e o ato ao qual é suplementar e quando a mesma deve ter sido assim formulada, a referida constituição será submetida pela convenção para ratificação às pessoas registradas nos termos desta lei em uma eleição a ser conduzida pelos dirigentes ou pessoas nomeadas ou a serem nomeado pelo comandante-geral, conforme estabelecido anteriormente, e para ser realizado após o vencimento de trinta dias a partir da data da notificação, a ser dado pela referida convenção e as declarações serão feitas ao comandante-geral do distrito.

Sec. 5. E que seja promulgado ainda, Que se, de acordo com as referidas declarações, a constituição for ratificada pela maioria dos votos dos eleitores registrados qualificados como aqui especificado, lançados na referida eleição, pelo menos a metade de todos os eleitores registrados votando sobre a questão de tal ratificação, o presidente da convenção deve transmitir uma cópia da mesma, devidamente autenticada, ao Presidente dos Estados Unidos, que deve transmiti-la imediatamente ao Congresso, se então em sessão, e se não em sessão, então imediatamente após sua próxima assembleia e se, além disso, parecer ao Congresso que a eleição foi aquela em que todos os eleitores registrados e qualificados no Estado tiveram a oportunidade de votar livremente e sem restrição, medo ou influência de fraude, e se o Congresso considerar que tal constituição conta com a aprovação da maioria de todos os eleitores qualificados do Estado, e se a referida constituição for declarada pelo Congresso como estando em conformidade com as disposições do ato a que este é complementar, e as demais disposições do referido ato terão sido cumpridas, e a referida constituição deverá ser aprovada pelo Congresso, o Estado será declarado com direito à representação, e os senadores e representantes deverão ser admitido a partir daí, conforme nele previsto.

Sec. 6. E que seja promulgado, que todas as eleições nos Estados mencionados no referido & quotAto para proporcionar um governo mais eficiente dos Estados rebeldes & quot, deverão, durante a execução do referido ato, ser por cédula e todos os oficiais fazendo o referido registro dos eleitores e a realização das referidas eleições devem, antes de entrarem no exercício de suas funções, fazer e subscrever o juramento prescrito pelo ato aprovado em 2 de julho de mil oitocentos e sessenta e dois intitulado & quotUm ato para prescrever um juramento de mandato & quot: Contanto, que se qualquer pessoa deve, consciente e falsamente, fazer e assinar qualquer juramento neste ato prescrito, tal pessoa que ofender e ser devidamente condenada estará sujeita às penas, penalidades e incapacidades que por lei são previstas para a punição do crime de intencionalidade e perjúrio corrupto.

Sec. 7. E que seja promulgado, que todas as despesas incorridas pelos vários generais comandantes ou em virtude de quaisquer ordens emitidas, ou nomeações feitas, por eles, ao abrigo ou em virtude deste ato, devem ser pagas com qualquer dinheiro do tesouro não apropriado de outra forma.

Sec. 8. E que seja promulgado ainda, que a convenção para cada Estado deve prescrever as taxas, salários e compensações a serem pagas a todos os delegados e outros oficiais e agentes aqui autorizados ou necessários para levar a efeito os objetivos deste ato não aqui de outra forma previu e deverá prever a arrecadação e cobrança dos impostos sobre a propriedade no Estado que forem necessários para pagá-los.

Sec. 9. E que seja promulgado, que a palavra & quotartigo, & quot na sexta seção do ato ao qual isto é suplementar, deve ser interpretada como & quot seção. & Quot.

Retornar ao topo

Indivíduo. XXX. Uma Lei complementar a uma Lei intitulada "Uma Lei para fornecer um Governo mais eficiente dos Estados Rebeldes", aprovada no segundo dia de março de mil oitocentos e sessenta e sete, e a Lei complementar a esta, aprovada no vigésimo terceiro dia de março de mil oitocentos e sessenta e sete [Reprovado o veto do presidente Johnson em 19 de julho de 1867].

Seja promulgado pelo Senado e pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América no Congresso reunido, Que é declarado ter sido a verdadeira intenção e significado do ato do segundo dia de março de mil oitocentos e sessenta sétimo, intitulado & quotUm ato para prover o governo mais eficiente dos Estados rebeldes & quot e do ato complementar a este, aprovado no vigésimo terceiro dia de março, de mil oitocentos e sessenta e sete, que os governos então existentes nos Estados rebeldes da Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Geórgia, Mississippi, Alabama, Louisiana, Flórida, Texas e Arkansas não eram governos estaduais legais e que daí em diante os referidos governos, se continuassem, continuariam sujeitos em todos diz respeito aos comandantes militares dos respectivos distritos e à autoridade suprema do Congresso.

Sec. 2. E que seja promulgado, que o comandante de qualquer distrito nomeado no referido ato terá poder, sujeito à desaprovação do General do exército dos Estados Unidos, e terá efeito até ser desaprovado, sempre que na opinião de tal comandante, a boa administração do referido ato exigirá a suspensão ou destituição do cargo, ou do exercício de funções oficiais e do exercício de poderes oficiais, qualquer oficial ou pessoa titular ou exercer, ou professar a deter ou exercer, qualquer funcionário civil ou cargo militar ou dever em tal distrito sob qualquer poder, eleição, nomeação ou autoridade derivada de, ou concedida por, ou reivindicada sob, qualquer assim chamado Estado ou governo do mesmo, ou qualquer município ou outra divisão do mesmo, e mediante tal suspensão ou destituição de tal comandante, sujeito à desaprovação do General conforme supracitado, terá o poder de providenciar, de tempos em tempos, para o desempenho das referidas funções de tal oficial ou pessoa assim suspensa ou destituída, pelo detalhe de algum oficial ou soldado competente do exército, ou pela nomeação de alguma outra pessoa, para realizar o mesmo e para preencher as vagas ocasionadas por morte, renúncia ou de outra forma.

Sec. 3. E seja promulgado ainda, Que o General do exército dos Estados Unidos seja investido com todos os poderes de suspensão, remoção, nomeação e detalhes concedidos na seção anterior aos comandantes distritais.

Sec. 4. E que seja promulgado, que os atos dos oficiais do exército já praticados ao remover nos ditos distritos pessoas que exercem as funções de oficiais civis, e nomear outros em seu lugar, são confirmados: Desde que qualquer pessoa até agora ou doravante nomeado por qualquer comandante distrital para exercer as funções de qualquer cargo civil, pode ser destituído pelo oficial militar no comando do distrito ou pelo general do exército. E será dever de tal comandante remover do cargo, conforme mencionado acima, todas as pessoas que são desleais ao governo dos Estados Unidos, ou que usam sua influência oficial de qualquer maneira para impedir, atrasar, prevenir ou obstruir o devido e adequado administração deste ato e dos atos a que o complementa.

Sec. 5. E seja promulgado ainda, que as juntas de registro previstas no ato intitulado & quotUm ato complementar a um ato intitulado & # 39Um ato para fornecer um governo mais eficiente dos Estados rebeldes & # 39 foi aprovado em dois de março de dezoito cento e sessenta e sete, e para facilitar a restauração, & quot passado de março de vinte e três, mil e oitocentos e sessenta e sete, terão poder, e será seu dever antes de permitir o registro de qualquer pessoa, averiguar, sobre tais fatos ou informações que eles possam obter, se tal pessoa tem o direito de ser registrada sob o referido ato, e o juramento exigido pelo referido ato não será conclusivo sobre tal questão, e nenhuma pessoa será registrada a menos que tal conselho decida que tem direito a tanto e tal conselho também terá o poder de examinar, sob juramento, (a ser administrado por qualquer membro de tal conselho), qualquer um que toque na qualificação de qualquer pessoa que reivindique o registro, mas em todos os casos de recusa pelo conselho de registrar um requerente, e em todos os casos de eliminar seu nome da lista conforme previsto a seguir, o conselho deve fazer uma nota ou memorando, que deve ser devolvido com a lista de registro ao comandante geral do distrito, expondo os motivos de tal recusa ou tal eliminação da lista: Contanto que nenhuma pessoa seja desqualificada como membro de qualquer junta de registro por motivo de raça ou cor.

Retornar ao topo

Sec. 6. E que seja promulgado, que a verdadeira intenção e significado do juramento prescrito no referido ato complementar é, (entre outras coisas), que nenhuma pessoa que tenha sido membro da legislatura de qualquer Estado, ou que tenha exercido qualquer cargos executivos ou judiciais em qualquer Estado, quer tenha feito um juramento de apoiar a Constituição dos Estados Unidos ou não, e se ele ocupava esse cargo no início da rebelião, ou o tinha exercido antes, e quem posteriormente se comprometeu em insurreição ou rebelião contra os Estados Unidos, ou dada ajuda ou conforto aos seus inimigos, tem o direito de ser registrado ou de votar e as palavras "cargo executivo ou judicial em qualquer Estado" no referido juramento mencionado devem ser interpretadas para incluir todos os cargos civis criados por lei para a administração de qualquer lei geral de um Estado, ou para a administração da justiça.

Sec. 7. E que seja promulgado ainda, Que o prazo para conclusão do registro original previsto no referido ato poderá, a critério do comandante de qualquer distrito, ser prorrogado até o dia primeiro de outubro de mil oitocentos e sessenta e sete e as placas de registro terá poder, e será seu dever, começando quatorze dias antes de qualquer eleição nos termos do referido ato, e mediante notificação pública razoável da hora e local da mesma, revisar, por um período de cinco dias, as listas de registro, e, ao se certificar de que qualquer pessoa sem direito a tal foi registrada, eliminar o nome dessa pessoa da lista, e essa pessoa não poderá votar. E tal conselho deverá também, durante o mesmo período, adicionar a tal registro os nomes de todas as pessoas que naquele momento possuam as qualificações exigidas pelo referido ato que ainda não tenham sido registradas e nenhuma pessoa deverá, em qualquer momento, ter o direito de ser inscrito ou a voto em razão de qualquer perdão executivo ou anistia por qualquer ato ou coisa que, sem tal perdão ou anistia, o desqualificaria para o registro ou voto.

Sec. 8. E que seja promulgado posteriormente, que a seção quatro do referido último ato será interpretada para autorizar o comandante geral nele nomeado, sempre que julgar necessário, remover qualquer membro de uma junta de registro e nomear outro em seu lugar, e para preencher qualquer vaga em tal conselho.

Sec. 9. E que seja promulgado ainda, que todos os membros das referidas juntas de registro e todas as pessoas a partir de agora eleitas ou nomeadas para cargos nos referidos distritos militares, sob qualquer autoridade estadual ou municipal, ou por detalhe ou nomeação dos comandantes distritais, deverá fazer e assinar o juramento de posse prescrito por lei para oficiais dos Estados Unidos.

Sec. 10. E ainda que seja promulgado, que nenhum comandante distrital ou membro da junta de registro, ou qualquer um dos oficiais ou nomeados agindo sob eles sejam obrigados em sua ação por qualquer opinião de qualquer oficial civil dos Estados Unidos.

Sec. 11. E que seja promulgado ainda, Que todas as disposições deste ato e dos atos aos quais este é complementar sejam interpretadas liberalmente, a fim de que todas as suas intenções possam ser plena e perfeitamente executadas.

Sanger, George P., ed. os Estatutos Gerais, Tratados e Proclamações dos Estados Unidos da América de dezembro de 1867 a março de 1869. Vol. XV. Boston: Little, Brown, And Company, 1868, pp. 2-4.

Sanger, George P., ed. os Estatutos Gerais, Tratados e Proclamações dos Estados Unidos da América de dezembro de 1867 a março de 1869. Vol. XV. Boston: Little, Brown, And Company, 1868, pp. 14-16.


O senador se diverte com escolas segregadas em Washington, DC

Hiram R. Revels se tornou o primeiro afro-americano a servir no Senado dos EUA em 1870. Em 1871, ele fez o seguinte discurso sobre as escolas segregadas de Washington perante o Congresso.

Segundo o discurso do senador Revels, o que é “igualdade social” e por que é importante para a questão das escolas dessegregadas? Revels favorece a igualdade social ou a segregação social? A igualdade social existia nos Estados Unidos em 1871?

Embora o fato de sua presença fosse dramático e importante, como o New York Times A descrição acima demonstra que os poucos representantes e senadores afro-americanos que serviram no Congresso durante a Reconstrução representaram apenas uma pequena fração das muitas centenas, possivelmente milhares, de negros que serviram em um grande número de funções nos níveis local e estadual. The South during the early 1870s brimmed with freed slaves and freeborn blacks serving as school board commissioners, county commissioners, clerks of court, board of education and city council members, justices of the peace, constables, coroners, magistrates, sheriffs, auditors, and registrars. This wave of local African American political activity contributed to and was accompanied by a new concern for the poor and disadvantaged in the South. The southern Republican leadership did away with the hated black codes, undid the work of white supremacists, and worked to reduce obstacles confronting freed people.

Reconstruction governments invested in infrastructure, paying special attention to the rehabilitation of the southern railroads. They set up public education systems that enrolled both white and black students. They established or increased funding for hospitals, orphanages, and asylums for the insane. In some states, the state and local governments provided the poor with basic necessities like firewood and even bread. And to pay for these new services and subsidies, the governments levied taxes on land and property, an action that struck at the heart of the foundation of southern economic inequality. Indeed, the land tax compounded the existing problems of white landowners, who were often cash-poor, and contributed to resentment of what southerners viewed as another northern attack on their way of life.

White southerners reacted with outrage at the changes imposed upon them. The sight of once-enslaved blacks serving in positions of authority as sheriffs, congressmen, and city council members stimulated great resentment at the process of Reconstruction and its undermining of the traditional social and economic foundations of the South. Indignant southerners referred to this period of reform as a time of “negro misrule.” They complained of profligate corruption on the part of vengeful freed slaves and greedy northerners looking to fill their pockets with the South’s riches. Unfortunately for the great many honest reformers, southerners did have a handful of real examples of corruption they could point to, such as legislators using state revenues to buy hams and perfumes or giving themselves inflated salaries. Such examples, however, were relatively few and largely comparable to nineteenth-century corruption across the country. Yet these powerful stories, combined with deep-seated racial animosity toward blacks in the South, led to Democratic campaigns to “redeem” state governments. Democrats across the South leveraged planters’ economic power and wielded white vigilante violence to ultimately take back state political power from the Republicans. By the time President Grant’s attentions were being directed away from the South and toward the Indian Wars in the West in 1876, power in the South had largely been returned to whites and Reconstruction was effectively abandoned. By the end of 1876, only South Carolina, Louisiana, and Florida still had Republican governments.

The sense that the South had been unfairly sacrificed to northern vice and black vengeance, despite a wealth of evidence to the contrary, persisted for many decades. So powerful and pervasive was this narrative that by the time D. W. Griffith released his 1915 motion picture, The Birth of a Nation, whites around the country were primed to accept the fallacy that white southerners were the frequent victims of violence and violation at the hands of unrestrained blacks. The reality is that the opposite was true. White southerners orchestrated a sometimes violent and generally successful counterrevolution against Reconstruction policies in the South beginning in the 1860s. Those who worked to change and modernize the South typically did so under the stern gaze of exasperated whites and threats of violence. Black Republican officials in the South were frequently terrorized, assaulted, and even murdered with impunity by organizations like the Ku Klux Klan. When not ignoring the Fourteenth and Fifteenth Amendments altogether, white leaders often used trickery and fraud at the polls to get the results they wanted. As Reconstruction came to a close, these methods came to define southern life for African Americans for nearly a century afterward.


Radical Reconstruction

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Radical Reconstruction, também chamado Congressional Reconstruction, process and period of Reconstruction during which the Radical Republicans in the U.S. Congress seized control of Reconstruction from Pres. Andrew Johnson and passed the Reconstruction Acts of 1867–68, which sent federal troops to the South to oversee the establishment of state governments that were more democratic. Congress also enacted legislation and amended the Constitution to guarantee the civil rights of freedmen and African Americans in general.

In the 1866 mid-term congressional elections, voters in the North resoundingly rejected Johnson’s Presidential Reconstruction policies, and Congress, dominated by Radical Republicans, decided to restart Reconstruction. The Reconstruction Acts of 1867 split the states of the former Confederacy into five military districts and specified how new governments—based on manhood suffrage without regard to race—were to be constituted. Thus began Radical Reconstruction, which lasted until the demise of the last Republican-led Southern governments in 1877.

All of the former Confederate states had been readmitted to the Union by 1870. The Republican Party controlled the governments of almost all of them. Southern Republicanism was made up of three groups: (1) so-called carpetbaggers, recent arrivals from the North who generally were Freedmen’s Bureau agents, former Union soldiers, businessmen, or teachers so-called (2) scalawags, native-born white Republicans, who predominantly were non-slaveholding small farmers from the Southern up-country who had been loyal to the Union during the Civil War and (3) African Americans, who formed the overwhelming majority of voters in every Southern state.

African American political leaders (including individuals who had been free before the Civil War, artisans, Civil War veterans, and formerly enslaved ministers) advocated for the elimination of the racial caste system and the economic uplift of the formerly enslaved individuals. Throughout the South, more than 600 African Americans served in state legislatures, and hundreds more held local offices from sheriff to justice of the peace. Moreover, 16 African Americans served in Congress during Reconstruction, including two U.S. senators, Hiram Revels and Blanche K. Bruce. Although the ascension of African Americans to positions of political power marked a dramatic break with the country’s traditions and aroused deep-seated hostility from the opponents of Reconstruction, so-called “black supremacy” never existed.

Reconstruction governments served the expanding citizenry by establishing the South’s first state-funded public school systems, seeking to strengthen the bargaining power of plantation labourers, making taxation more equitable, and outlawing racial discrimination in public transportation and accommodations. In the hope of creating a “New South” whose economic growth would benefit both blacks and whites, the governments also made available considerable funding for railroads and other enterprises. However, those economic programs spawned corruption and rising taxes, which alienated more and more white voters.

In the meantime, the South underwent a period of significant social and economic transformation. Free from white control, African Americans were able to solidify their family ties and to create independent religious institutions that would become centres of community life that survived long after the end of Reconstruction. The formerly enslaved individuals also demanded economic independence. However, in summer 1865 President Johnson had dashed African Americans’ hopes that the federal government would provide them with land when he ordered that land in federal hands be returned to its former owners. Johnson’s dictate invalidated Gen. William T. Sherman’s Field Order No. 15 of January 1865, which had set aside land along the coast of South Carolina and Georgia for the exclusive settlement of black families. Without land, most former slaves were left with little economic alternative but to resume working on white-owned plantations. Some worked for wages, while others became sharecroppers and divided their harvest with the owner at the end of the year. Because neither pursuit offered much hope for economic mobility, for decades, most African Americans in the South remained propertyless and poor.

Nonetheless, violent opposition to Reconstruction by white Southerners increased. White supremacist organizations that committed terrorist acts, such as the Ku Klux Klan, targeted local Republican leaders for beatings or assassination. African Americans who asserted their rights in dealings with whites also became targets. In 1873, scores of black militiamen were killed in Colfax, Louisiana, after surrendering to armed whites intent on seizing control of the local government. Increasingly, the new Southern governments looked to Washington, D.C., for assistance.

With Republican Ulysses S. Grant having been elected president in fall 1868, by the next year the Republican Party was firmly in control of all three branches of the federal government. Congress approved the Fifteenth Amendment, prohibiting states from restricting the right to vote because of race, and then enacted a series of Force Acts authorizing national action to suppress political violence. In 1871 the Grant administration launched a legal and military offensive that destroyed the Klan. Grant was reelected in 1872, but Republican support for Reconstruction began to wane as the older Radical leaders such as Benjamin F. Wade and Thaddeus Stevens retired or died and were replaced by technicians such as Roscoe Conkling and James G. Blaine who were devoid of the idealistic fervour that had marked their predecessors. The disputed presidential election of 1876 was resolved with a deal that resulted in Rutherford B. Hayes’s assumption of the presidency and the removal of the last federal troops from the South, thus ending Reconstruction.

The Editors of Encyclopaedia Britannica Este artigo foi revisado e atualizado mais recentemente por Jeff Wallenfeldt, Gerente de Geografia e História.


Conteúdo

A key addition of the Acts included the creation of five military districts in the South, each commanded by a general, which would serve as the acting government for the region. In addition, Congress required that each state draft a new state constitution, which would have to be approved by Congress. The states also were required to ratify the Fourteenth Amendment to the United States Constitution and grant voting rights to black men. President Andrew Johnson's vetoes of these measures were overridden by Congress.

General George Meade (of the Third Military District) appointed Brig. General Thomas H. Ruger [3] to replace Governor of Georgia Charles J. Jenkins, who had been elected as the only candidate in 1865 to succeed James Johnson, who had been appointed by President Andrew Johnson.

Depois de Ex parte McCardle (1869) came before the United States Supreme Court, Congress feared that the Court might strike the Reconstruction Acts down as unconstitutional. To prevent this, Congress repealed the Habeas Corpus Act 1867, eliminating the Supreme Court's jurisdiction over the case.


Assista o vídeo: Agora é Lei - Reconstrução de mama